Fuga de Weintraub pode ter representado mais de um delito

Ex-ministro da Educação usa passaporte diplomático – que perdeu validade horas depois – para entrar às pressas nos Estados Unidos

O ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Jornal GGN – O jeitinho brasileiro foi decisivo na saída de Abraham Weintraub do país: o ex-ministro da Educação usou o passaporte diplomático que tinha direito como integrante do primeiro escalão do governo Bolsonaro, e saiu às pressas do país rumo aos Estados Unidos, onde desembarcou na manhã deste sábado.

O documento perdeu validade horas depois, após a publicação de sua exoneração no Diário Oficial da União, mas ajudou ao Palácio do Planalto para retirá-lo dos holofotes. Mesmo com as ordens norte-americanas de restringir a entrada de brasileiros no país, o passaporte diplomático e o visto especial de ministro de país estrangeiro o dispensou da necessidade de cumprir quarentena em outro país antes de ingressar nos Estados Unidos.

Segundo fontes consultadas pelo jornal Correio Braziliense, a operação que levou à saída de Weintraub do país pode ter representado mais de um delito, como crime de responsabilidade – o que poderia ter implicações para o presidente Jair Bolsonaro. O enquadramento em crimes como improbidade administrativa ou estelionato também foi citado pelas fontes, além de um suposto desvio de finalidade na atitude do ex-ministro.

Segundo a assessoria do ex-ministro, Weintraub chegou aos Estados Unidos por volta das 7h em voo operado pela Azul, que saiu na noite de sexta-feira do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), na noite de sexta-feira.

Para assumir o cargo a que foi indicado no Banco Mundial, o ex-ministro vai precisar de um visto diferente daquele que usou para entrar nos Estados Unidos e daquele que irá cobrir sua permanência no período em que não é ministro e nem funcionário de entidade internacional. Ou seja: ele terá de sair dos Estados Unidos, ir a alguma embaixada americana e providenciar a documentação.

 

Leia Também
Weintraub já está nos Estados Unidos
Weintraub, o senhor dos anéis que perdeu os dedos, por Luis Nassif
Senadores querem sustar última portaria assinada por Weintraub
Senador pede apreensão de passaporte de Weintraub
Do Banestado à Lava Jato: o passado de Sergio Moro

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

5 comentários

  1. Nassif: você só esqueceu que o ditocujo é Sionista. Eu apostaria que tudo já estava previsto. As ramificações da Colônia são vastas. O próprio Bibi, que tem força junto ao dono do Quintal onde moramos, pode ter intercedido. “Ô, doTupete, quebra umazinha prum chegado meu”. Se der caca essa entrada ele pode escafeder-se para um Kibutz na TerraSanta e nem o Capeta o tira de lá. Espera o “deslize” prescrever, retorna e processa o PoderPúblico. Leva uma grana preta. Você conhece a força e penetração dos tais. Só PauloMoreninho (*) foi abandonado à beira do Rodoanel…

    (*) Os Tucanídios não admitem Pretos (em qualquer tom) de modo algum.

  2. Exatamente.
    Ele usou passaporte diplomático para uma viagem não oficial (para não dizer particular). Ele não estava em serviço, é certo.
    Não foi acidente, não foi extrema necessidade inerente ao cargo.
    E o superior imediato sabia.

  3. O PRENDO E ARREBENTO de repente teve caganeira e entrou na fila dos desesperados, eh eh A vida como ela é – a Roda Gigante, hora por cima, hora por baixo.

    E o boquirroto vai descobrir, agora, que não tem amigos pois nunca foi amigo de ninguém, apenas tinha agenda própria.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome