Funcionários do Banco Mundial pedem suspensão de nome de Weintraub

Associação encaminha carta à comissão de ética criticando indicação de ex-ministro da Educação para ocupar diretoria da entidade

Indicação de Abraham Weintraub para o Banco Mundial tem repercussão negativa entre funcionários. Foto Lula Marques

Jornal GGN – A associação que representa os funcionários do Banco Mundial encaminhou uma carta à comissão de ética da entidade criticando o nome do ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, indicado para ocupar uma cadeira na diretoria da instituição.

Em sua coluna no portal UOL, o jornalista Kennedy Alencar explica que todos os funcionários do banco receberam uma cópia da carta, e a repercussão da indicação de Weintraub pelo governo Bolsonaro tem sido muito negativa.

A carta afirma que muitos funcionários “ficaram profundamente perturbados” ao saber de diversas atitudes tomadas pelo ex-ministro, como o tuite de acusação racial que zomba do sotaque chinês e que culpa a China pelo novo coronavírus, além das declarações públicas contra a proteção dos direitos das minorias.

Embora afirmem que a indicação de Weintraub “tenha sido condenada por vários países clientes”, os representantes entendem que a escolha do diretor-executivo cabe apenas ao Brasil, solicitando de maneira formal a revisão dos fatos para suspender a indicação de Weintraub, e que o mesmo seja comunicado de que o comportamento pelo qual ele é acusado “é totalmente inaceitável nesta instituição”.

 

Leia Também
Senadores querem sustar última portaria assinada por Weintraub
Nome de Weintraub pode ser barrado no Banco Mundial
Senador pede apreensão de passaporte de Weintraub
Do Banestado à Lava Jato: o passado de Sergio Moro

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Manchetes dos jornais dos EUA

2 comentários

  1. Meu objetivo não é defender o Waintraub, longe disso. O fato é que, tal como ele, Ministros de Estado não devolvem o passaporte diplomático, a que têm direito pela lei, quando são exonerados. Será que o Moro devolveu o dele? Será que a Rosângela Moro devolveu o dela (esposa de Ministros de Estado também tem direito a passaporte diplomático pela lei).
    Pensem nisso.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome