Fundação do Itamaraty pediu canais do governo para divulgar blogueiros bolsonaristas

Procurada, a Fundação negou pagamentos a Allan dos Santos e Bernardo Kuster, dois alvos do inquérito das fake news, no STF

Jornal GGN – A Funag (Fundação Alexandre de Gusmão), vinculada ao Ministério das Relações Exteriores, tentou usar canais do governo federal com os servidores públicos para divulgar palestras de blogueiros bolsonaristas. Entre eles, o youtuber Allan dos Santos, do Terça Livre, que é alvo do inquérito das fake news no Supremo Tribunal Federal.

Em mensagem a um setor do Ministério da Economia, a Fundação escreveu sobre as palestras de Allan e de outro blogueiro bolsonarista, Bernardo Kuster, também investigado, e pediu: “(…) muito agradeceria analisar se seria possível que essa Secretaria também divulgasse em seus meios eletrônicos de comunicação junto aos servidores federais os seminários virtuais e a biblioteca digital da FUNAG.”

O pedido foi respondido no mesmo dia em que a PF bateu na casa de Allan dos Santos. Após a operação, o setor do Ministério da Economia explicou que o canal solicitado serve apenas para comunicar assuntos de interesse dos servidores.

Procurada, a Fundação disse ao jornal O Globo que “nenhum dos palestrantes mencionados na reportagem recebeu remuneração por suas participações em eventos organizados pela fundação.”

Na gestão de Ernesto Araújo, a Funag passou a ignorar diplomatas respeitados, como Rubens Ricupero, para divulgar autores que defendem as ideias do bolsonarismo e olavismo.

“Em agosto de 2019, o Itamaraty proibiu a publicação de um de uma biografia de Alexandre de Gusmão (que dá nome à fundação) e que tinha o prefácio escrito pelo embaixador Rubens Ricupero, um dos nomes mais respeitados na comunidade acadêmica sobre relações exteriores e que é crítico da atual política externa do país. Na época, o Itamaraty disse que o livro não foi publicado porque o autor o enviou à editora sem o prefácio escrito por Ricupero”, anotou O Globo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Memória: mutuários, o primeiro movimento civil contra a ditadura

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome