Gilmar Mendes suspende ação deflagrada por Marcelo Bretas

Decisão atende pedido da OAB, que denunciou violação de prerrogativas dos profissionais; Cristiano Zanin e Frederick Wassef estão entre os citados

Ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Jornal GGN – O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu as ações penais contra 30 denunciados pela operação Lava Jato dentro da investigação E$quema S.

A operação tinha sido deflagrada por ordem do juiz Marcelo Bretas, 7ª Vara Federal Criminal do Rio, que acolheu denúncia apresentada pela Lava Jato Rio e abriu ação penal contra 26 investigados. Em seguida, a juíza substituta Caroline Vieira Figueiredo, também da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, acolheu a denúncia da força-tarefa contra outras quatro pessoas.

Ao todo, 26 advogados são alvos dos processos – dentre eles estão Frederick Wassef, ligado à família Bolsonaro, e Cristiano Martins Zanin, defensor do ex-presidente Lula, além de filhos de ministros do Superior Tribunal de Justiça e do Tribunal de Contas da União. Segundo o jornal O Estado de São Paulo, decisão atende a pedido apresentado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em meados de setembro.

Gilmar Mendes não só trancou as ações, como anulou todas as medidas cautelares anteriormente autorizadas pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, e determinou que o juízo se abstenha de decidir sobre fatos relacionados ao caso (direta e indiretamente) até que o STF determine qual instância é responsável pelo processo.

 

Leia Também
JN desta sexta: desinformação sistemática e calhordice, por Eliara Santana
Para criar renda básica, Bolsonaro quer reduzir beneficiários do abono salarial
A recuperação medíocre da indústria e a sobrevivência de Bolsonaro, por Luis Nassif

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora