Gilmar pretende pautar a suspeição de Sergio Moro em fevereiro, diz revista

Revista diz que novo emprego de Moro, na consultoria norte-americana que lida com empresas julgadas pela Lava Jato, deve fazer "sombra" no julgamento da suspeição

Foto: Reprodução/Youtube

Jornal GGN – O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, teria dito a interlocutores que pretende retomar o julgamento da suspeição de Sergio Moro na segunda turma em fevereiro de 2021. É o que informa a revista Veja nesta terça (29).

Segundo o site da publicação, Gilmar segurou a ação em 2020 aguardando os rumos da pandemia do novo coronavírus. Mas sem vacina em perspectiva e, consequentemente, data para retomar os julgamentos presenciais, o ministro teria se convencido a julgar na sessão virtual.

Ainda de acordo com a revista, “a recente contratação de Moro como diretor da empresa Alvarez & Marsal, que atua na recuperação judicial da Odebrecht, também deve fazer sombra no julgamento. Embora nem o vazamento das mensagens [de Telegram] nem o novo trabalho do ex-juiz sejam provas a serem usadas no caso, Gilmar Mendes afirmou a interlocutores que os dois episódios servem como ‘contexto’ para o julgamento.”

A ação que pede que Moro seja reconhecido como um juiz parcial nos casos de Lula é do final de 2016. O julgamento foi iniciado no STF em dezembro de 2018, e paralisado com um pedido de vistas de Gilmar. Até agora, Moro tem dois votos a seu favor: Edson Fachin, relator da Lava Jato, e Carmen Lúcia. Gilmar e Ricardo Lewandowski tendem a reconhecer que o ex-juiz cometeu uma série de abusos. O voto de minerva deve ser o do novo ministro da segunda turma, Kassio Nunes, indicado por Jair Bolsonaro para preencher a vaga deixada pela aposentadoria de Celso de Mello.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora