Governo articula contra MP do 13º do Bolsa Família

Governo negocia concessão, desde que não seja estendida a idosos carentes e deficientes; disputa pode fazer medida provisória perder validade

Governistas estão travando os debates para fazer com que MP perca validade. Foto: Reprodução

Jornal GGN – O governo Jair Bolsonaro negocia com o Congresso a concessão de uma 13ª parcela permanente para o Bolsa Família – desde que idosos carentes e deficientes (aqueles que mais precisam do benefício, por sinal) não sejam inclusos.

Representantes da oposição usaram a MP (medida provisória) do 13º do Bolsa Família, pago no ano passado, para ampliar a assistências aos mais pobres – enquanto o texto do presidente estipulava o pagamento apenas em 2019.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), relator da MP, apresentou uma versão para que esse 13º se tornasse permanente e que a parcela extra também fosse paga a quem recebe o BPC – a ampliação do BPC representaria um custo anual de R$ 5 bilhões, ao passo que as estimativas para o 13º permanente do Bolsa Família chegam a R$ 2,6 bilhões por ano.

Interlocutores de Bolsonaro têm atuado para impedir que a medida provisória (agora na versão do relator) avance no Congresso. Esse plano tem funcionado, e a comissão não consegue votar o relatório de Rodrigues desde fevereiro. A disputa deve seguir até o fim de março, quando acaba o prazo para que a medida provisória seja aprovada pelo Congresso. Depois disso, a MP perde validade.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Maioria dos brasileiros diz que Bolsonaro sabia do esconderijo de Queiroz, mostra Datafolha

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome