Governo Biden deve cobrar posturas mais concretas do Brasil

Ex-embaixador dos EUA considera que carta enviada por Bolsonaro chegou tarde; país foi o último do G20 a reconhecer vitória de Biden

Joe Biden, presidente dos Estados Unidos. Foto: Reprodução

Jornal GGN – A carta enviada pelo presidente Jair Bolsonaro a Joe Biden na última semana, por ocasião da posse na presidência dos Estados Unidos, não basta para promover as relações entre os dois países.

Para especialistas ouvidos pelo jornal O Estado de S.Paulo, o Brasil precisará adotar medidas mais concretas caso queira se alinhar ao governo de Biden. “A carta foi importante e necessária. Mostra que o governo Bolsonaro entendeu que Joe Biden é o presidente dos Estados Unidos. É um movimento bom, mas demorou”, afirma Tom Shannon, que atuou como embaixador americano no Brasil durante parte do governo de Barack Obama.

Na carta, Bolsonaro destacou o relacionamento mantido entre Brasil e Estados Unidos e sinalizou uma parceria para proteção do meio ambiente e desenvolvimento sustentável.

Entretanto, o tom adotado vem após a demora em reconhecer a vitória de Biden (o Brasil foi o último dos países do G20 a parabeniza-lo), aliado à insistência no apoio e nos sinais de admiração a Donald Trump, além de falas que contrariam o governo democrata, principalmente com relação ao meio ambiente.

Bolsonaro sempre adotou posições alinhadas com as adotadas na gestão Trump, e que devem ser refutadas no mandato de Biden, como a saída da aliança conservadora da qual o Brasil faz parte com outros 31 países que defendem políticas contra o acesso ao aborto.  Além disso, os Estados Unidos não irão se retirar da OMS (Organização Mundial da Saúde) e sinalizaram que darão apoio aos direitos reprodutivos das mulheres no mundo.

 

 

Leia Também
Iconografia da posse de Biden revela símbolos do Deep State X simulacros midiáticos, por Wilson Ferreira
EUA: Maioria quer condenação de Trump em impeachment
Brasil de Bolsonaro: de protagonista à pária mundial, por Ricardo Mezavila
Mourão deseja “êxito” a Kamala Harris e fala em “fortalecer parceria”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Nassif: confesso não botar tanta fé no novo administrador do CondominioLatinoAmericano. Afinal, Pindorama é a galinha dos ovos de ouro e os sabujos por eles permitidos para vigilância do Quintal onde moramos têm desempenhado a função com zelo só visto pelo seu Exército contra os extremistas asiáticos. Aqui e ali (do ponto de vista deles) alguns exageros. Mas, como eles mesmo dizem, “não se faz omelete sem quebrar os ovos”. Só omitem que para dona galinha há somente “participação” (com tais ovos), enquanto para a SenhoritaPig (simbolizada pelo Povo) vem o sacrifício (com o bacon). Como te disse, aqui e ali uma arrochadinha. Coisa simples, sem maior comprometimento com o GadoMarcado. Afinal, não pode faltar carne no Matadouro…

  2. Cobrar atitudes “concretas” do Brasil?
    Alguem avise para o novo presidente dos EUA que depois da mentira o produto mais entregue por este desgoverno brasileiro são atitudes infundadas.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome