Guedes critica gastos com servidores – e silencia sobre sua ajuda de custo

Ministro da Economia recebe até R$ 8,2 mil por mês para comer e beber; até julho, ele também recebia diárias para dar expediente no Rio de Janeiro

Paulo Guedes, ministro da Economia. foto Tania rego/ Agencia Brasil

Jornal GGN – Quando se fala em contenção de gastos públicos, as autoridades ficam concentradas apenas nas despesas geradas pelo funcionalismo público, deixando seus privilégios intocados.

O caso do ministro da Economia, Paulo Guedes, é sintomático: enquanto ele se mostra crítico contumaz dos gastos com servidores (a ponto de chamá-los de “parasitas” em eventos fechados), não se vê nenhum pronunciamento a respeito de toda a ajuda de custo que ele mesmo recebe.

Segundo informações da coluna Painel, do jornal Folha de São Paulo, Guedes recebe R$ 30,9 mil mensalmente. Sem contar uma série de penduricalhos que acabam aumentando seu contracheque: R$ 7.733 por mês de auxílio-moradia (o teto permitido por lei) e passagens para ir de Brasília ao Rio, onde tem moradia fixa. O contracheque também apresenta um aporte mensal de auxílio-alimentação no valor de R$ 458.

Até julho de 2019, o ministro da Economia recebia diárias (um total de R$ 7.501) para dar expediente na cidade onde mora, incluindo datas sem compromisso. Ao todo, 38 das 60 viagens feitas por Guedes – e pagas com o dinheiro público – ocorreram a partir de quinta-feira, com destino ao Rio de Janeiro.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Visto como investimento seguro, o ouro está em falta no mercado

1 comentário

  1. O Bolsonaro indica bostas para ocupara os Ministérios e depois os substitui por merdas.

    A merda Onyx foi substituída pela bosta Braga Neta. As fezes Alvim foi trocada pela bosta Regina Duarte.

    1
    1

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome