Revista GGN

Assine

Haddad diz que preocupação com 'rolezinhos' é exagerada

Sugerido por José Carlos Lima

Do Estadão

 
Prefeito afirmou que jovens só querem se divertir e que CEUs estarão à disposição para encontros
 
Artur Rodrigues

SÃO PAULO - O prefeito Fernando Haddad (PT) disse nesta quarta-feira, 22, que a preocupação com os "rolezinhos" é exagerada. Ele ainda afirmou que não vê problemas em encontros do gênero acontecerem nos Centros Educacionais Unificados (CEUs) e em clubes municipais. 

"Eu acho que está havendo um certo exagero. Nada que uma boa conversa não resolva", disse, quando questionado sobre o que achava da demanda da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) para a criação de "rolezódromos". "Sinceramente, a garotada que está em contato conosco é uma garotada que tem menos de 18 anos, que quer se encontrar, que quer namorar, quer se divertir na cidade. É mais uma questão de conversa, pactuação, acordo, do que propriamente repressão", completou, durante evento no Largo da Batata, em Pinheiros, na zona oeste.

O prefeito afirmou que assinará um decreto para que haja gestão compartilhada dos CEUs, entre educação, cultura e esporte. "É um espaço público que recebe as pessoas para as atividades mais variadas. Para ouvir música", afirmou. "Nós não queremos um volume alto do lado da casa de um trabalhador que precisa acordar às 4h. Mas, em um lugar próprio, por que não cultivar a centenas de ritmos que o Brasil produziu para o mundo?"

Haddad também falou sobre obras de requalificação do Largo da Batata, parte da Operação Urbana Água Branca. Uma delas será um bicicletário, ligado à Estação Faria Lima do Metrô, que será inaugurado em março. Também será feita uma ciclovia partindo do largo, rumo à zona sul.

 

Média: 5 (4 votos)
16 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Ou seja, o governo do PT,

Ou seja, o governo do PT, mais uma vez baixando a cabeça para a burguesia, vai buscar uma alternativa para manter os "shoppings" da coxinhada "limpos" da "contaminação" popular?

Os bôeres brasileiros terão atendido o seu desejo de manutenção do regime do Apartheid?

 

Seu voto: Nenhum (9 votos)

Não existe apartheide nenhuma

Não existe apartheid nenhum , larga a mao de ser desonesto!

Onde existe apartheid em Itaquera ou aricanduva esperto?

Mesmo que fosse em shopping de elite , ser de elite NAO É CRIME ao  menos enquanto o Brasil nao adotar o regime imbecil e totalitario com o qual vc vive sonhando rs

Esses comunista de facebook é osso.

Fala abobrinha ate dizer chega...

Seu voto: Nenhum (10 votos)

leonidas

E é exagerada mesmo. Do que

E é exagerada mesmo.

Do que os frequentadores dos shoppings tem medo? Será da origem dos meninos? Será da cor? Ou será que tem medo de si mesmos e da própria falta de consciencia social. E na questão consciência social os garotos tem uma supremacia imensa sobre esses medrosos que tem medo de outro ser humano. 

 

Seu voto: Nenhum (10 votos)

Vera Lucia Venturini

Demagogia é uma merda mesmo

Demagogia é uma merda mesmo né?

eles tem medo como vc tambem teria medo mas fica posando de moderninha para parecer progressista

no mundo virtual é super simples parecer progressista

quero ver a senhorinha colar na zona leste com seu carro e sua familia e nao se sentir intimidade com a galera que curte funk se aproximando de onde a senhorita esteja

vamos parar de ser demagogo e aceitar a realidade

Primeiro , pobre NAO É O MESMO que vandala-lo ou adpepto de cultura funk, vcs devem estar assistindo muito aquele lixo do programa da regina casé

Existe pobre decente, que trabalha e noa tem tempo para vandalizar

Pobres sao 70% dos que frequentam shoppings centers e NAO gostam e NAO querem vagabundos tumultuando o lugar onde eles vao para ter um minimo de sossego para passear (nao comprar nada) e tomar um sorvete

Quem glaumorizou essa horda de vagabundos foram os progressistas e os polticos demagogos de sempre como o governo estadual que ja de antemao criminalizou a açao policial sobre essa ANOMALIA comportamental

Vcs criaram um monstro ao reconhecer vagabundagem como movimento social com algum objetivo

agora espero ( para o bem de vcs ) que essa palhada morra sozinha e nao renda mais  do que ja rendeu do contrario teremos SERIOS problemas pois trata-se de menores que mesmo que gostassem ou estivesse dispostos a assumir compromisso nao poderiam faze-lo pois sao inimputaveis ok?

Quem é da perifeira  sabe qual é a desses caras, só os inocentes uteis ou os babacas romanticos de sempre que vivem delirando dizendo bobagens como a que estaria havendo apartheid ou perseguiçao contra " jovens " pobres...

Seu voto: Nenhum (1 voto)

leonidas

Demagogia conversa nenhuma.

Demagogia conversa nenhuma. Deixa os garotos brigarem pelo espaço que eles acham que tem direito. Eles tem muito mais consciência do apharteid social do que os celebrados manifestantes de junho. Pelo menos são originais nos protestos.

Quanto a chama-los de vagabundos, me poupe. Comprova-se o preconceito. Qual é a prova que você tem de que são vagabundos? 

Seu voto: Nenhum (6 votos)

Vera Lucia Venturini

Mais demagogia Vc é uma

Mais demagogia

Vc é uma fraude...rs

Não teria coragem de viver o que fala

Vem na zona leste de Sao Paulo e vá para um baile funk de perifeira onde os manos ficam em cima do carro com PT ( nao partido rs ) pra cima

E depois me venha falar essas bobaens de dondoca desmiolada

Aqui no predio onde moro, certa vez uns traficantes invadiram um apartamento e devido o vizinho um senhor de idade mas sem prudencia ter reclamado do barulho, eles meteram o pé na porta e bateram nele e na filha

Certamente na sua visao estavam apenas afrontando a ofensa de um senhor branco que nao respeitou sua " cultura "

rs

Seu voto: Nenhum (7 votos)

leonidas

"SOU UM HOMEM: NADA DO QUE É

"SOU UM HOMEM: NADA DO QUE É HUMANO ME É ESTRANHO"

Leônidas, vamos argumentar com respeito.  E dondoca desmiolada quem me derá!! Só se a dondoca a que você se refere tiver 30 anos de registro na carteira profissional.

More na Zona Leste e você não terá esse medo todo. E não confunda jovens correndo num shopping com traficantes que roubaram seu prédio.

Sei não mas já imaginou qual o tamanho do mercado de consumo de drogas deveria  existir nos bairros nobres de São Paulo para manter todos os moradores da ZL  como traficantes?

Quanto aos bailes funks não é minha praia. É que passei da idade mas se fosse jovem e no meu bairro tivesse um baile funk com certeza estaria lá com meus amigos.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Vera Lucia Venturini

Qto + vc der trela ao Leônidas, + ele destilará essa [email protected] q pensa

Nao alimente trolls! 

Seu voto: Nenhum (4 votos)

"... Quanto aos bailes funks

"... Quanto aos bailes funks não é minha praia. É que passei da idade mas se fosse jovem e no meu bairro tivesse um baile funk com certeza estaria lá com meus amigos..."

 

Oh my god...

Seu voto: Nenhum (3 votos)

leonidas

O dia que esses " garotos "

O dia que esses " garotos " lutarem pelo espaço que eles entenderem  "ser deles " no lugar onde  VC  esteja ai vc entendera o que é ser um vagabundo...rs

Seu voto: Nenhum (2 votos)

leonidas

O "pobre" desse pessoal é apenas um estereótipo

"Primeiro, pobre NAO É O MESMO que vandalo ou adepto de cultura funk, vcs devem estar assistindo muito aquele lixo do programa da regina casé".

Sou obrigado a concordar com você. Esquerdistas de butique, de classe média e média-alta que não sabem o que é uma periferia de verdade. E além de demagógicos, burros, porque não percebem a malandragem por trás das bombas semióticas lançadas pela mídia. Esse é o problema do fanatismo ideológico. 

Seu voto: Nenhum (4 votos)

"SOU UM HOMEM: NADA DO QUE É

"SOU UM HOMEM: NADA DO QUE É HUMANO ME É ESTRANHO"

Mais um a fazer julgamentos sumários. Para Leônidas sou demagógica e os jovens vagabundos. Para você esquerdista burra de butique que não percebe a bomba semiótica da mídia.

Com educação me permito discordar. Nenhum movimento social autêntico pode ser manipulado pela mídia. Menos ainda o movimento desses jovens que tateando procuram se manifestar em centros de consumo onde sempre foram mal recebidos porque  para frequentá-los é preciso ter um padrão e um passaporte de consumo.

Quanto a conhecer a periferia, talvez você não conheça. Eu vim de lá. Então entendo perfeitamente que bem poucos são agressivos e menos ainda são bandidos. Eu sou loira e entendo perfeitamente os versos de Caetano e Gil porque passei por isso:

"só para mostrar aos outros quase pretos

(e são quase todos pretos)

e aos quase brancos pobres como pretos

como é que pretos, pobres e mulatos

e quase brancos quase pretos de tão pobres são tratados"

E na sociedade o que me incomoda é o preconceito. O outro ser humano eu me esforço para entender, mesmo que hoje esteja em outro patamar social e estágio da vida.

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Vera Lucia Venturini

Meu amor...

Meu amor, vamos colocar a bola no chão? Antes de mais nada, conheço periferia, sei o que estou falando. Nunca vi, no Brasil de hoje, alguém ser barrado em shopping por se vestir de maneira simples e despojada. Pode até acontecer eventualmente por conta de algum segurança idiota, mas não é a regra. Pelo contrário, os shoppings que eu conheço são bastante frequentados por gente de classe média-baixa. Sim, gente de periferia, que vai curtir um lanche ou um cineminha no shopping, até porque as salas de cinema tradicionais deram lugar aos cinemas multiplex de shopping. Portanto a sua premissa é falsa. Não vou ao extremo do Leônidas de qualificá-los todos como bandidos, mas esse negócio de necessidade de expressão... Putz, tudo no ser humano é expressão. Ameaçar alguém com uma arma no limite também é "expressão", a rabisqueira horrorosa que empesta os muros das grandes cidades também é "expressão", e daí? Vamos ser menos românticos. Esses moleques não têm consciência política alguma, há apenas uma esquerda que tenta forçar a barra para que a realidade caiba dentro de seus referenciais ideológicos. Felizmente o Haddad tem o pé no chão, o que cabe ao administrador público, e que se crie então espaços de lazer apropriados na cidade. Afinal eles só querem se divertir.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Vc veio da periferia? faz

Vc veio da periferia?

faz tempo que saiu de la?

e se o que diz é verdade, se nesta condiçao nao sabe diferenciar um vagabundo de um cidadao honesto seu problema ja beira as raias da psiquiatria.

Ou talvez só pq morou em bairros como Penha ou Vila Matilde ( ou asemelhados ) considere-se uma moradora de periferia

Mas a verdadeira periferia em termos de Z leste   começa ( oficialmente rs ) a partir de Itaquera viu? 

lá bairros como Penha sao um luxo só...rs

Seu voto: Nenhum (5 votos)

leonidas

Não sou da cidade de São

Não sou da cidade de São Paulo. Aqui no interior o bairro periférico é o que ficava pra cima da linha do trem ou na baixada dos rios. Ali moravam os negros e imigrantes europeus que vinham para a cidade fugindo da exploração nas fazendas.

Seu voto: Nenhum

Vera Lucia Venturini

Leônidas

Apesar da contudência, pra não dizer exagero ao taxar os rolezistas como marginais e vagabundos, vc consegue tocar num ponto que eu considero crucial: a maioria, pra não dizer todos os pseudo progressistas que defendem esses jovens não entendem nada sobre perifieria e o perfil das pessoas que lá vivem. Não sabem nada também sobre shoppings e seus frequentadores. Esses jovens que fazem rolezinhos são frequentadores rotineiros de shoppings e costumam circular por eles livremente.. Nas minhas idas a São Paulo o que mais se via eram esses garotos com roupa de funkeiro. Aqui no RS também é muito comum a presença desses moleques nos shoppings, inclusive nos mais badalados. A diferença é que até então nunca se viu tanta gente ao mesmo tempo no mesmo lugar. A partir disso, o choque é inveitável. Mas o choque não é entre brancos x negros, burguesia x proletariado (este pode até acontecer mas é só parte da verdade ). O grande choque se dá entre esses jovens e aqueles que não se identificam e não gostam deles e do que seu estilo e comportamento supostamente representam. Grande parte da resistência a esses moleques vem de gente não branca, pobre e periférica. Ademais, em pleno 2014, pensar que shopping ainda é coisa de burguês, parece coisa de gente que saiu ontem da criogenia.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.