Histórias de família

Por Donizeti

Nossas vidas fluem dia a dia, problemas, certezas, mais dúvidas que certezas, paixões, desilusões, alegrias e tristezas, o ser humano vive como se fosse imortal, não pensamos e não gostamos de pensar na finitude de nossas existências, sendo que somente uma coisa é absolutalmente certa após nascermos neste mundo: no final do caminho está a morte, igual para todos, sejam pobres, remediados ou ricos, cultos ou analfabetos.

Como seres humanos, todos sentimos absolutamente a mesma coisa, a sensação de alegria, tristeza, dor e angústia e outros sentimentos de que somente os humanos são capazes pelo domínio da nossa consciência, são iguais para todos nós.

Mas por mais que tenhamos consciência de que ela cedo ou tarde vai chegar, nunca nos preparamos para ela, a morte, nunca a aceitamos.

SouuSou um dos dez filhos de uma familia do interior de São Paulo, meus pais viveram casados por mais de 60 anos, e tem mais de 60 netos e bisnetos, familia do interior grande, unida e irmanada, como não se vê muito mais nos dias de hoje. Meu estimado e honrado pai já faleceu no ano de 1997, com 84 anos de idade, muito bem vividos.

Pois bem, no sábado, dia 18 de Julho passado, minha mãe, uma bondosa e amável matriarca fazia 93 anos de idade e seu já precário estado de saúde se agravou, todos os familiares acorreram para visitá-la e ela, do alto de seus 93 anos de idade, frágil mas plenamente lúcida, reuniu toda a família ao seu redor e nos abençoou a todos que estamos neste mundo e praticamente se despediu da vida e de nós.

Minha mãe faleceu no dia 22 de Julho, na 5a. feira passada, mas voces acham que, mesmo tendo vivido bem e plenamente por quase 1 século, estávamos preparados para sua partida ? De maneira nenhuma, o golpe psicológico da sua perda permanecerá na vida da nossa família por ainda muitos anos.

Prezado companheiro de postagens nos blogs da vida Ivan, sei exatamente o que voce está sentindo e me solidarizo com voce, pois além de perder minha mãe recentemente, também perdi sobrinhos e parentes muito jovens nesta vida, vítimas de acidentes ou acasos sem nemhuma explçicação lógica, então a angústia e incompreensão frente a morte são ainda maiores.

Continuaremos sem entender e compreender a dor que nos atingue quando a morte alcança alguém que nos é muito querido ou próximo, mas manifesto-lhe toda minha solidariedade nesse momento. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome