Indicadores de Sustentabilidade – IBGE 2010

http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1703&id_pagina=1
 

http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/recursosnaturais/ids/ids2010.pdf

IDS 2010: país evolui em indicadores de sustentabilidade, mas ainda há desigualdades socioeconômicas e impactos ao meio ambiente

O país mantém o ritmo de
crescimento econômico e evolui nos principais indicadores sociais, mas
persistem desigualdades sociais e regionais. Apesar de melhorias
importantes em alguns indicadores ambientais, ainda há um longo caminho a
percorrer para a superação da degradação de ecossistemas, da perda de
biodiversidade e da melhora significativa da qualidade ambiental nos
centros urbanos. Em linhas gerais, é esse o diagnóstico dado ao Brasil
pelos 55 Indicadores de Desenvolvimento Sustentável 2010 (IDS 2010),
produzidos ou reunidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE). Dando continuidade à série iniciada em 2002 (com
edições também em 2004 e 2008), a publicação tem o objetivo de, ao
entrelaçar as dimensões ambiental, social, econômica e institucional,
mostrar em que ponto o Brasil está e para onde sua trajetória aponta no
caminho rumo ao desenvolvimento sustentável. A quarta edição do IDS
revela, assim, ganhos importantes, mas indica que ainda há uma longa
estrada pela frente para o Brasil atingir o ideal previsto em 1987 pela
Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Comissão
Brundtland): um desenvolvimento que atenda às necessidades do presente
sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem as suas
próprias necessidades. Veja a seguir alguns dos destaques do IDS 2010.
Dimensão ambiental mostra avanços, mas ainda há muito o que fazer
Com 20 indicadores, divididos segundo os temas
atmosfera; terra; água doce; oceanos, mares e áreas costeiras;
biodiversidade e saneamento, a dimensão ambiental do
IDS mostra avanços importantes em algumas áreas, estabilidade em outras,
mas ainda existem grandes desafios a serem superados no caminho da
sustentabilidade ambiental. A seguir, alguns dos indicadores dessa área.
Focos de queimadas e incêndios florestais caem 63% entre 2007 e 2009
Entre 2007 e 2009, o número de focos de calor, que
indicam queimadas e incêndios florestais, caiu de 188.656 para 69.702,
uma redução de 63%. Nas unidades de conservação, parques e terras
indígenas, a redução foi de 21.538 para 6.783, 68,5% menos, segundo
informações do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).
Entre os estados, o Acre teve a maior redução nos
focos de calor entre 2007 e 2009 (-93%, de 702 para 49), seguido por
Roraima (-85,4%) e Rondônia (-84,2%). Os estados onde mais aumentaram os
focos de calor no mesmo período foram Sergipe (121,3%, de 94 para 208),
Paraíba (56,6%) e Alagoas (41%). Estima-se que as queimadas sejam
responsáveis por grande parte das emissões brasileiras de CO2.
Desflorestamento diminui, mas atinge 14,6% da Amazônia Legal
Após um período de crescimento quase contínuo da taxa
anual de desflorestamento na Amazônia Legal (Rondônia, Acre, Amazonas,
Roraima, Pará, Amapá, Tocantins, Maranhão e Mato Grosso) entre 1997
(13.227 km² ao ano) e 2004 (27.423 km²), quando atingiu um pico, o valor
tem se reduzido nos últimos cinco anos, de acordo com dados do Inpe.
Estimativas preliminares indicam uma área desflorestada para o ano de
2009 de 7.088 km², 74,1% menor que a de 2004. Entretanto, a área total
desflorestada da Amazônia, que até 1991 era de 8,4% (426.400 km²),
chegou a 14,6% (739.928 km²) em 2009.
A floresta Amazônica é o mais extenso dos biomas
predominantemente florestais do território brasileiro. Em termos
mundiais, abrange 1/3 das florestas tropicais úmidas do planeta e detém a
mais elevada biodiversidade, o maior banco genético do mundo, além de
1/5 da disponibilidade mundial de água potável. Juntamente com as
queimadas, o desflorestamento é o maior responsável pelas emissões de
gases do efeito estufa no Brasil.
Restam menos de 10% da Mata Atlântica, e desmatamento é alto no cerrado
Entre 2005 e 2008, foram desflorestados 1.028 km² da
Mata Atlântica, um dos biomas mais ameaçados do mundo e que agora conta
apenas com 133.010 km² de área remanescente, menos de 10% da original.
As informações são da ONG SOS Mata Atlântica.
Já o cerrado, segundo maior bioma brasileiro, que
abrange as savanas do centro do país, teve sua cobertura vegetal
reduzida a praticamente a metade, de 2.038.953 km² para 1.052.708 km²,
com área total desmatada de 986.247 km² (48,4%) até 2008, sendo que
85.074 km2 (4,2% do total) foram destruídos entre 2002 e 2008, segundo
dados do Centro de Sensoriamento Remoto do Instituto Brasileiro do Meio
Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (CSR/Ibama) em conjunto com o
Ministério do Meio Ambiente. O percentual de área desmatada neste bioma
é maior que o verificado na Floresta Amazônica.
Entre 2002 e 2008, os estados que apresentaram, em
termos absolutos, maior área desmatada foram Mato Grosso (17.598 km²),
Maranhão (14.825 km²) e Tocantins (12.198 km²) e, em termos relativos,
Maranhão (7,0%), Bahia (6,1%) e Mato Grosso (4,9%).
Desmatamento e queimadas lideram emissões de gases-estufa
De 1990 a 1994, o total líquido da emissão de gases
do efeito estufa no Brasil aumentou em 8,8% (de 1,35 para 1,48 bilhão de
toneladas de CO2 eq1), enquanto que, de 2000 a 2005, o
incremento foi de 7,3% (de 2,05 para 2,20 bilhões de toneladas),
mostrando uma desaceleração. Considerando todo o período analisado (1990
a 2005) o crescimento das emissões foi de quase 40%.
As atividades relacionadas a mudanças no uso das
terras e florestas – que incluem os desmatamentos na Amazônia e as
queimadas no cerrado – contribuíram com 57,9% do total das emissões
líquidas (emissões brutas menos remoções) de gases de efeito estufa
produzidos pelas atividades humanas em 2005.É importante frisar que o
ano de 2005 foi um dos mais críticos em termos de desflorestamento na
Amazônia e queimadas no Brasil. A agricultura apareceu em segundo lugar,
com 480 milhões de toneladas de CO2 eq (21%), por causa das
contribuições do uso de fertilizantes nitrogenados e de calcário, perdas
de matéria orgânica do solo e da emissão de metano em cultivos de arroz
inundado. Os dados são do Ministério da Ciência e Tecnologia.
A produção de energia, que nos países mais
desenvolvidos está em primeiro lugar na emissão de gases-estufa, ficou
em terceiro lugar no Brasil, em 2005, contribuindo com 16% do total (362
milhões de toneladas de CO2 eq). Isso se deve principalmente à natureza
da matriz energética nacional, que tem forte participação de fontes
renováveis de energia, com predomínio de hidrelétricas e de biomassa
(lenha e biocombustíveis).
Consumo de substâncias destruidoras da camada de ozônio continua baixo, embora com pequeno aumento no último ano da série.
O consumo aparente anual (produção + importação –
exportação) de substâncias destruidoras da camada de ozônio no Brasil,
que havia caído de 11,20 mil toneladas de potencial de destruição do
ozônio em 1992 para 1,43 mil toneladas em 2006 (redução de 86%), voltou a
subir ligeiramente, chegando a 2,09 mil toneladas em 2008, segundo o
Núcleo de Ozônio do Ministério do Meio Ambiente.
Os HCFCs (hidroclorofluorocarbonos, usados
principalmente nos setores de refrigeração e ar-condicionado, espuma,
solventes e extinção de incêndio) se tornaram, a partir de 2006, as
substâncias destruidoras mais proeminentes, respondendo, em 2008, por
mais de 85% do consumo industrial no país. No sentido oposto, os
clorofluorocarbonetos (CFCs), principais responsáveis pela destruição
mundial da camada de ozônio, continuam caindo no país: em 1992, seu
consumo era de 9.360 toneladas de potencial de destruição do ozônio,
indo a 290 toneladas em 2008.
Poluição do ar se mantém estável nas grandes cidades, mas concentração de ozônio cresce
Para a maior parte das regiões metropolitanas, a
maioria dos poluentes atmosféricos apresentava tendência estacionária ou
de declínio das concentrações máximas (poluição aguda) e médias
(poluição crônica) em 2008, em relação aos anos anteriores. Este
resultado decorre em parte de programas de controle da qualidade do ar.
O declínio de concentrações é mais acentuado e
evidente para as partículas totais em suspensão (PTS) e partículas
inaláveis (PM10), apesar de que algumas cidades e regiões metropolitanas
ainda estão muito acima do padrão do Conselho Nacional do Meio Ambiente
(Conama), de 240 e 150 microgramas por metro cúbico (mg/m3)
respectivamente. No Distrito Federal, a concentração máxima anual em
2008 de PTS ficou em 1.209 mg/m³ (o que pode refletir as condições
climáticas locais e a ocorrência de queimadas no entorno de Brasília
durante a estação seca). Em Vitória (ES), as máximas anuais do PTS e do
PM10, em 2008, atingiram 717 mg/m³ e 669 mg/m³; respectivamente. Para o
mesmo ano, em Curitiba, a concentração máxima de PTS chegou a 589 mg/m³ e
a de PM10 a 420 mg/m³. As partículas inaláveis provocam e agravam
doenças respiratórias, além de poderem transportar gases tóxicos.
O ozônio (O3) segue na contramão do declínio da
concentração de poluentes atmosféricos, mantendo a tendência de aumento.
O padrão do Conama é de 160 mg/m³; entre as regiões metropolitanas com
maiores máximas anuais de concentração desse gás, estão Belo Horizonte
(300 mg/m³), São Paulo (279 mg/m³) e Rio de Janeiro (233 mg/m³). Esse
poluente é gerado, na baixa atmosfera, a partir de reações fotoquímicas
entre óxidos de nitrogênio e compostos orgânicos voláteis, ambos
oriundos da queima de combustíveis fósseis; o aumento da frota de
veículos nas grandes cidades dificulta o controle das suas
concentrações.
Já o dióxido de nitrogênio (NO2), proveniente da
queima de combustíveis fósseis e um dos responsáveis pela chuva ácida,
apresentou, em 2008, máxima anual substancialmente acima do padrão (320
mg/m³) em Curitiba (413 mg/m³).
Área dos estabelecimentos agropecuários tem redução de 5,6%
Houve redução de 19,9 milhões de hectares (5,6%) na
área total dos estabelecimentos agropecuários brasileiros entre 1996 e
2006, segundo os Censos Agropecuários do IBGE. As pastagens naturais
tiveram redução de 26%, as pastagens plantadas aumentaram 2,7% e as
lavouras aumentaram 20,9%. O crescimento das áreas de lavouras e
pastagens plantadas sobre as áreas de pastagens naturais representa
aumento de produção por unidade de área, o que reduz a pressão sobre o
recurso solo, mas, por outro lado, significa o aumento no uso de
fertilizantes e agrotóxicos, e dos riscos de contaminação ambiental.
O Brasil se destaca no cenário mundial como o maior
consumidor de agrotóxicos respondendo, na América Latina, por 86% dos
produtos. Em 2005, os estados que mais consumiram agrotóxicos foram São
Paulo (54.916,8 t), Mato Grosso (32.112,5 t), e Paraná (25.810,0 t), e
os que menos consumiram foram Acre (40,4 t), Amazonas (31,6 t) e Amapá
(4,6 t).
Em relação aos fertilizantes, o ranking por estado é
parecido: em 2008, os que mais tiveram fertilizantes entregues ao
consumidor final também foram Mato Grosso (1.507.072 t), São Paulo
(1.376.770 t) e Paraná (1.364.830 t), e os que menos tiveram foram Acre
(1.438 t), Amazonas (2.323 t) e Amapá (2.898 t).
Unidades de conservação federais ocupam 9% do território
Para proteger a sua biodiversidade, o Brasil destina
mais de 750.000 km² a unidades de conservação (UCs) federais,
aproximadamente 9% do território nacional. Por sua vez, as UCs estaduais
e municipais abrangem, exclusive as áreas de proteção ambientais (APAs)
áreas de 422.000 km² e 35.000 km², respectivamente.
Dentre os biomas brasileiros, a Amazônia detém a
maior área protegida, com quase 17% do total em UCs federais, 7,9%
naquelas de proteção integral. A Amazônia também possui as maiores UCs
em extensão. A caatinga, os pampas, a Mata Atlântica e o Pantanal
apresentam áreas protegidas em unidades de proteção integral federais em
torno ou abaixo de 1%. Para o cerrado, o percentual é de 2,2%. Com
exceção da Amazônia, a área protegida de todos os biomas está abaixo da
média mundial, de 5%.
Dimensão social: indicadores melhoram, mas desigualdades persistem
Os 19 indicadores da dimensão social
correspondem aos objetivos ligados à satisfação das necessidades
humanas, melhoria da qualidade de vida e justiça social. Eles abrangem
os temas população; trabalho e rendimento; saúde; educação; habitação e
segurança. Os dados compilados pelo IDS 2010 revelam melhoria nas
condições gerais de vida da população, embora com passivos sociais a
superar no processo de busca da sustentabilidade social. Persistem as
desigualdades sociais, regionais e interestaduais. Em linhas gerais, o
Brasil está avançando mais na redução das desigualdades de gênero do que
das de cor ou raça para os indicadores de rendimento e educação. A
seguir os principais destaques.
Com fecundidade abaixo do nível de reposição, crescimento populacional se reduz
No Brasil observa-se uma queda da mortalidade e das
taxas de fecundidade. Como a redução das taxas de fecundidade é mais
acentuada, a taxa média de crescimento anual da população brasileira
diminuiu 43,3% nas últimas décadas, caindo de 2,89% (entre 1950 e 1960)
para 1,64% (entre 1991 e 2000). A partir de 2006, a taxa de fecundidade
total (número médio de filhos vivos que uma mulher teria ao fim do seu
período reprodutivo) passou a apresentar valores abaixo do nível de
reposição da população (2,0 filhos por mulher). Em 2008, as taxas eram
mais elevadas que a média brasileira (1,89) no Norte (2,37) e Nordeste
(2,12), e menores no Sudeste (1,63), Sul (1,88) e Centro-Oeste (1,91).
Trabalho e Rendimento no Brasil com avanços; mas com desigualdades sociais importantes
Entre os avanços verificados no tema trabalho e
rendimento estão a redução da taxa média anual de desocupação (PME –
Pesquisa Mensal de Emprego), o aumento do rendimento médio mensal (PNAD –
Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) e a redução da
concentração na distribuição de renda, medida pelo Índice de Gini2
(0,531 em 2008). Ainda assim, as desigualdades na distribuição do
rendimento mostradas pelo Índice de Gini são elevadas. Persistem
desigualdades regionais em todos os indicadores deste tema.
Queda da mortalidade infantil e aumento da esperança de vida revelam melhora geral das condições de vida da população
A ampla cobertura de vacinação para doenças como
poliomielite e tuberculose, além da redução de aproximadamente 75% no
número de crianças de até 5 anos de idade desnutridas, melhoria do nível
educacional das mulheres, mostrados no IDS 2010, foram alguns dos
fatores que levaram à redução de 50% na mortalidade infantil (crianças
com menos de 1 ano de idade) entre 1990 e 2008, de 47 por mil nascidos
vivos para 23,3 por mil. A taxa, porém, ainda não é considerada baixa
pelos padrões da Organização Mundial da Saúde – OMS – (menos de 20 por
mil).
Além disso, há desigualdades entre as regiões, com o
Nordeste e o Norte mostrando taxas mais elevadas do que a média
nacional, 34,4 e 24,2 por mil, respectivamente, e as demais regiões com
taxas inferiores a 20 por mil. Entre os estados, o Rio Grande do Sul
(13,1) teve a menor taxa do país e Alagoas (48,2), a maior. Em 2008,
pela primeira vez, nenhum estado brasileiro teve taxa de mortalidade
infantil superior a 50 por mil nascidos vivos, considerada elevada pela
OMS.
A redução da mortalidade infantil contribui para o
aumento da esperança de vida ao nascer, que passou de 67,3 anos em 1992
para 73 anos em 2008. No Nordeste, ela era de 70,1 anos, alcançando
apenas 67,2 anos em Alagoas. No Sul, era de 75,0 anos, chegando a 75,5
anos em Santa Catarina. O Distrito Federal era a unidade da federação
com a maior expectativa de vida. 75,6 anos.
País tem 25,4 mortes por homicídio e 20,3 por acidente de transporte a cada cem mil habitantes
Segundo o Ministério da Saúde, o Brasil tinha, em
2007, uma taxa de 25,4 mortes por homicídio a cada cem mil habitantes.
Os homens apresentavam uma taxa (47,7) consideravelmente superior à das
mulheres (3,9). Houve um incremento de 6,2 óbitos por homicídios por 100
mil habitantes entre 1992 e 2007, mais acentuado para o sexo masculino.
Entre 1992 e 2003 o coeficiente cresceu e, a partir de 2004, observa-se
uma tendência de queda.
Em 2007, Alagoas (59,5 por cem mil), Espírito Santo
(53,3) e Pernambuco (53,0) lideravam na taxa de mortes por homicídios. O
estado do Rio de Janeiro ocupava o 4º lugar, tendo conseguido reduzir
de 50,8 em 2004 para 41,5 as mortes por homicídios a cada 100 mil
habitantes. As menores taxas estavam em Santa Catarina (10,4), Piauí
(12,4) e São Paulo, que passou de 28,5 em 2004 para 15,4 por 100 mil em
2007
Os registros primários de homicídios são obtidos
através das Secretarias Estaduais de Saúde e processados pelo Ministério
da Saúde, estando disponíveis no Sistema de Informações sobre
Mortalidade (SIM).
Em relação às mortes por acidentes de transporte3,
os maiores valores eram observados nas regiões Centro-Oeste (44,8/100
mil habitantes) e Sul (43,2/100 mil hab.), que apresentavam em 2007
valores superiores à média brasileira (20,3/100 mil hab.), mantendo o
mesmo padrão do ano de 2004.
43% dos domicílios brasileiros são inadequados
Em 2008, 57% dos domicílios eram considerados
adequados para moradia, ou seja, tinham simultaneamente abastecimento de
água por rede geral, esgotamento sanitário por rede coletora ou fossa
séptica, coleta de lixo direta ou indireta e até dois moradores por
dormitório. Isso significa que cerca de 25 milhões de domicílios ainda
não atendiam a esses critérios. Por outro lado, houve um aumento
significativo, uma vez que, em 1992, apenas 36,8% dos domicílios eram
considerados adequados.
As regiões Norte (28,6% de domicílios adequados),
Nordeste (40,2%) e Centro-Oeste (39,4%), com exceção do Distrito
Federal, apresentavam percentuais inferiores à média nacional. Já no
Sudeste, o percentual era de 72,5%, e no Sul, 62,3%. Em relação às
unidades da federação, os menores percentuais estavam em Mato Grosso
(21,1%) e no Amapá (22,5%). No Distrito Federal, os domicílios adequados
chegavam a 78,6% e, em São Paulo, a 77,3%.
Cai número de internações por doenças ligadas ao saneamento ambiental inadequado
De 1993 a 1998, houve uma redução de aproximadamente
50% no número de internações por doenças relacionadas ao saneamento
ambiental inadequado, de 732,8 por 100 mil habitantes para 348,2 por 100
mil, o que se explica pela melhoria nos serviços de saneamento e
ampliação do acesso, além das melhorias nos registros de internação. A
partir de 1999, observam-se pequenas oscilações, chegando a 2008 com uma
taxa de 308,8 internações por 100 mil habitantes no país. Apesar da
redução no número de internações, as desigualdades regionais permanecem.
Em 2008, enquanto na região Norte 654 pessoas para cada cem mil
habitantes foram internadas, no Sudeste a relação foi de 126.
Dimensão econômica: Bom desempenho macroeconômico e estabilidade nos padrões de produção e consumo.
Os 11 indicadores da dimensão econômica
do IDS 2010, organizados segundo os temas quadro econômico e padrões de
produção e consumo, tratam do desempenho macroeconômico e financeiro do
país e dos impactos no consumo de recursos materiais, na produção e
gerenciamento de resíduos e no uso de energia. A seguir os principais
destaques.
Consumo de energia per capita atinge 48,3 GJ/hab, mas eficiência do uso não aumenta
Em 2009, o consumo de energia per capita, ou seja, o
que cada brasileiro consumiu de energia por ano, alcançou 48,3
gigajoules por habitante (GJ/hab). Foi o segundo maior índice desde o
início da série histórica, em 1992, só perdendo para 2008, quando
alcançou o patamar de 50 GJ/hab. Esta variável está diretamente ligada
ao grau de desenvolvimento de um país.
Por outro lado, a intensidade energética,ou seja, a
quantidade de energia necessária à produção de uma unidade de PIB, que
mede a eficiência no uso de energia, tem se mantido estável desde 1995.
Desde então, o índice oscilou entre 0,209 toneladas equivalentes de
petróleo (tep) por R$ 1.000, o menor da série, e 0,213 tep/R$ 1.000, em
2009. O pico foi atingido em 1999, quando o índice alcançou 0,229 tep/R$
1.000 (quanto menor o valor, maior a eficiência no uso de energia).
Quase metade da energia brasileira provém de fontes renováveis
Em 2009, 47,2% da energia utilizada no Brasil era
fruto de fontes renováveis, que podem fornecer energia continuamente, se
adotadas estratégias de gestão sustentável, semelhante ao observado em
1992 (47,6%), início da série histórica. O que se verificou foi um
período de queda até 2001, quando o índice chegou a 39,3%, resultado da
queda na participação de hidrelétricas, da redução do consumo de lenha e
carvão vegetal e do aumento da participação do gás natural na matriz
energética brasileira. Já o crescimento a partir de 2002 (41%) se deveu
principalmente ao aumento da utilização de biomassa (cana-de-açúcar), e
em menor escala das chamadas fontes alternativas, como energia solar,
eólica, biogás, , entre outras. Há que se ressaltar que mesmo fontes
renováveis também causam impactos socioambientais.
A matriz energética brasileira ainda depende em
grande parte de fontes não renováveis: 52,8% da energia produzida vêm de
petróleo e derivados (37,8%), gás natural (37,8%), carvão mineral e
derivados (4,8%) e urânio e derivados (1,4%). A dependência de fontes
como essas pode não ser sustentável a longo prazo.
Todas as informações sobre energia são da Empresa de Pesquisa Energética (EPE).
Mais de 90% das latas de alumínio no Brasil são recicladas
Dentre os materiais reciclados no país, o alumínio
continua a ser destaque, com índice de reciclagem, em 2008, de 91,5% –
uma redução em relação a 2007, quando o índice de reciclagem desse
produto havia tingido seu pico, de 96,5%. Para o restante dos materiais
investigados pelo Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre), à
exceção das embalagens longa vida (cartonadas ou tetrapak), os índices
de reciclagem variam em torno de 45% e 55%, todos com tendência
crescente ou estável. Para as embalagens tetrapak, os valores são mais
baixos (cerca de 25%), embora também crescentes.
Dimensão institucional: avanços se concentram no acesso à telefonia e internet
Os cinco indicadores da dimensão institucional
do IDS 2010 dizem respeito à orientação política, capacidade e esforço
despendido por governos e pela sociedade na implementação das mudanças
requeridas para uma efetiva implementação do desenvolvimento
sustentável. Os principais são destacados a seguir.
País ratificou mais de 30 acordos ambientais internacionais.
Desde os anos 60, segundo dados do Ministério das
Relações Exteriores, o Brasil ratificou mais de 30 acordos
internacionais multilaterais sobre meio ambiente; mais de um terço deles
se refere à proteção de fauna e flora e seis documentos são relativos à
conservação da camada de ozônio. A ratificação dos acordos não garante,
porém, a sua aplicação de todo; além disso, alguns acordos
internacionais não foram ratificados pela não identificação do problema
envolvido ou da prioridade em tratá-lo no país.
Em relação aos conselhos de meio ambiente, um dos
pilares da gestão local do desenvolvimento sustentável, eles existiam,
em 2008, em 2.650 municípios brasileiros (47,6%), mas estavam
efetivamente em atividade (haviam realizado pelo menos uma reunião em um
período de 12 meses) em apenas 1.880 deles (33,8% do total). Dos
conselhos ativos, 1.210 (64%) estavam em municípios das regiões Sul e
Sudeste.
Investimento em Pesquisa e Desenvolvimento aumentou valores, mas não passa de 1% do PIB
O investimento nacional em Pesquisa e Desenvolvimento
(P&D) aumentou de R$ 12 bilhões em 2000 para R$ 32,7 bilhões em
2008 segundo o Ministério da Ciência e Tecnologia. Esses valores
correspondiam a 1,02% e 1,09% do Produto Interno Bruto (PIB),
respectivamente, mostrando que a variação percentual foi pequena, apesar
do incremento de valores absolutos.
Dos gastos com P&D em 2008, R$ 17,68 bilhões
(54%) foram feitos em investimentos públicos e os R$ 15,09 bilhões
restantes em investimentos empresariais. Dos recursos públicos, R$ 12,07
bilhões vieram de órgãos federais e R$ 5,61 bilhões de estaduais.
Acesso à telefonia móvel dobra de volume em quatro anos, e domicílios com internet quase triplicam entre 2001 e 2008
O acesso ao telefone móvel passou por um aumento
acelerado no Brasil nos últimos anos. Em 1994, enquanto a telefonia fixa
alcançava 86 usuários para cada mil habitantes, a telefonia celular só
tinha cinco acessos; dez anos depois, a densidade de acessos a esse
serviço entre mil habitantes alcançava 366 usuários, contra 279 da linha
fixa, segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Em 2008,
a diferença era de 306 acessos à telefonia fixa contra 794 do serviço
móvel para cada mil habitantes, o que corresponde a um aumento de 259%
em quatro anos. Nesse mesmo ano, o país contava com mais de 150 milhões
de acessos móveis.
A densidade telefônica móvel celular é maior do que a
densidade do fixo comutado em todas as unidades da federação,
especialmente no Distrito Federal, Mato Grosso do Sul e Goiás. No
Distrito Federal, o elevado número de acessos por mil pessoas (1.348)
indica a existência de mais de um telefone celular por habitante. Logo
atrás vêm Rio de Janeiro (969) e Mato Grosso do Sul (967). Quanto ao
telefone fixo, as menores densidades ocorriam no Maranhão (120 por mil
pessoas) e Piauí (136), e as maiores estavam no Rio de Janeiro (502),
Distrito Federal (484) e São Paulo (442).
Verificou-se nos últimos anos um crescimento contínuo
do número de domicílios com acesso à Internet, de 8,6% em 2001 para
23,8% em 2008. Naquele ano, ao todo, havia 13,7 milhões de domicílios
particulares permanentes com acesso à rede por meio de computador. Os
números refletem, porém, a desigualdade regional: enquanto o Sudeste
tinha 31,5% de domicílios conectados, a região Norte contava com 10,6%.
____________________
1 O cálculo da emissão total usa como base
a equivalência com o dióxido de carbono (CO2 eq), porque, apesar de
outros gases apresentarem potencial de elevação de temperatura
atmosférica muito maior do que o CO2, a predominância do dióxido de
carbono na atmosfera faz com que ele sirva como base de comparação.
2 O Índice de Gini expressa o grau de
concentração na distribuição do rendimento da população. Varia de 0
(zero), situação de perfeita igualdade, a 1 (um), situação de
desigualdade máxima.
3 Inclui os acidentes de trânsito (com
veículo ocorrido na via pública) e os de não-de-trânsito (que ocorrem em
sua totalidade em qualquer lugar que não seja uma via pública).

Comunicação Social
01 de setembro de 2010

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome