Indícios de que Brasil-EUA se preparam para intervir na Venezuela, por Gonzaga Alves

Portanto, ao que parece, a força de invasão já está sendo organizada e a intenção é desestabilizar o país

Por Gonzaga Alves

Olha está notícia. 

É do dia 11 de fevereiro, segunda feira. Enquanto todo o Brasil se concentrava na briga Carluxo Bolsonaro e Bebiano, o Comandante do Comando do Sul dos Estados Unidos (SOUTHCOM), Almirante Craig Stephen Faller, estava muito ativo no Brasil. No caso, ele visita o Centro de comando de operações aeroespaciais da FAB. Este comando controla o Sivam, ou seja todas as áreas de fronteiras da Amazônia, inclusive da Venezuela. Os radares terrestres, aviões radares e satélites integrados pelo Comando Aeroespacial dão ao Brasil capacidade de controle de boa parte do espaço aéreo da Venezuela. Isto é essencial para uma operação militar, principalmente no estilo dos EUA, que começam com bombardeios massivos, para destruir a capacidade de defesa aérea, a infra estrutura de comando e controle e afetar a moral do país alvo: choque e pavor.

Outra notícia

Comandante do SouthCom visita Brigada de Infantaria Paraquedista

Temo que as coisas possam estar mais adiantadas do que se vê na mídia tradicional. Este site é especializado na cobertura das forças armadas.

Segundo a matéria, no último dia 12 de fevereiro, o Almirante chefe do Comando Sul veio ao Brasil visitar uma tropa de elite do Exército Brasileiro, uma brigada de paraquedistas.

Se ocorrer uma ação militar na Venezuela, tanto os EUA, quanto os prováveis aliados (Colômbia e Chile – a Argentina está sucateada militarmente) utilizarão tropas deste tipo.

A ideia não é ocupar o país, pois para isso seria necessário um contingente muito maior – para a invasão do Iraque, em 1991, Bush pai deslocou 500 mil tropas da Europa, levando inclusive todas as divisões blindadas disponíveis na região, que ficou desguarnecida.

Eram tempos do default da União Soviética e de Boris Ieltsin. O exército vermelho não era mais uma ameaça.

Agora, com o renascimento russo, sob Putin, o cenário não é mais o mesmo. Não é possível deslocar tropas da Europa, uma região muito mais sensível aos interesses de Washington, do que a América Latina. Um exercito de 500 mil militares corresponde à maioria das tropas de terra dos EUA, estimadas em 800 mil combatentes – no total, considerando todas as forças, marinha, aeronáutica e mariners, o poder estadunidense está calculado em um milhão de militares.

Portanto, ao que parece, a força de invasão já está sendo organizada e a intenção é desestabilizar o país.

Uma curiosidade, que dá o que pensar, é que a delegação militar dos EUA foi acompanhada pela ex-embaixadora do país no Brasil, Liliana Ayalde, apontada pelo Wikileaks como agente da CIA e figura que esteve presente em vários episódios de desestabilização na América Latina.

No dia seguinte, 12 de fevereiro, o almirante estadunidense foi visitar uma tropa de operações especiais, uma brigada de paraquedistas de elite.

Desde Reagan, que invadiu a pequena ilha de Granada, todos os presidentes dos Estados Unidos tiveram uma guerra para chamar de sua.
Inclusive Obama. Foi ele quem enviou essas mesmas tropas especiais para a Síria.

17 comentários

  1. É um absurdo o Brasil se envolver em mais um golpismo norteamericano na A. Latina. Muitos brasileiros morrerão em nome da rapina norteamericana.
    Não fomos sequer consultados se concordamos com mais esta matança promovida por outro desequilibrado, Trump. O mundo vai mal.

  2. Uma coisa parece clara, China e Rússia tem enormes investimentos e interesses estratégicos na Venezuela, não vão ficar parados vendo os Americanos tomarem seus investimentos. Vamos ter guerra, o Exército e as milícias vão enfrentar quem tentar invadir e vão usar as técnicas de guerrilha que os Vietcongs contra os Americanos e o Hezbollah contra Israel no Líbano(2006) utilizaram, em ambos os momentos os guerrilheiros venceram e ainda terão apoio e armamento Chino/Russo. O Brasil vai sofrer pois será uma Guerra na Floresta Amazônica sem fronteiras definidas que pode durar pelo menos uma dezena de anos. O Bolsonaro cai.

  3. Espero que o governo brasileiro tenha algum juízo e não entre nessa furada, afim de satisfazer os interesses da indústria do petróleo americana. Vai haver guerra pra valer!! Muitos milhares de morto, que nem foi no Afeganistão, no Iraque, na Líbia, e agora na Síria. Vão ter culhoes pra aguentar!? Vai ser servida sopa de carne com sangue de sulamericanos. Os EUA vão tentar poupar os soldados norte americanos.

  4. Esse texto não passa de teoria da conspiração, só achismos. Vamos as incoerências: o que seria 500 mil tropas? “Fulano visitou uma brigada de paraquedista”, e dai? eu visitar a casa de um policial, não quer dizer que vou invadir a casa do vizinho do outro dia, junto com a polícia. E outra, não se usa brigada paraquedista para invadir um pais, desde a segunda guerra mundial, não é mais uma estratégia viável. Temos o texto “desestabilização de vários países na america latina” quais? os que vemos falar com problemas, são exatamente os comunistas ou socialistas e com ditadores, ai colocam a conta para os EUA? (não que eu morra de amores pelos EUA, mas estou falando em fatos), bota mulher poderosa essa, somente ela, consegue se infiltrar e desestabilizar diversos países. claro que sabemos que todos países comunistas/socialistas quebram, mas sempre a culpa é dos outros. Dos comentários, o que achei mais interessante, “Invadir a Venezuela…… exigências dos EUA para eleger o bozo”, eu jurava que ele tinha ganhado com a maioria dos votos, jurava que a esquerda estava no poder, se ouvesse manipulação das urnas, teria sido feito por quem estava no poder.

+ comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome