Indústria termina abril com pior resultado em 18 anos

Por conta da interrupção de atividades, produção do setor cai 18,8% no mês; queda chega a -27,2% na comparação com abril de 2019

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A indústria brasileira encerrou o mês de abril com queda de 18,8% em relação ao mês anterior, o pior resultado para o segmento desde o início da série histórica, em 2002, segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os dados foram diretamente afetados pela interrupção das atividades produtivas por conta da pandemia do novo coronavírus no país.

Com isso, o setor acumula uma retração de 8,2% entre janeiro e abril, ao passo que o recuo nos últimos 12 meses chega a 2,9%. Contudo, a análise em relação a abril de 2019 mostra que as perdas no setor foram consideráveis: a retração chegou a -27,2%, o sexto resultado negativo seguido nessa comparação e o mais elevado desde o início da série registrada pelo IBGE.

O pior recuo veio de veículos automotores, reboques e carrocerias (-88,5%), que foi pressionada pelas interrupções da produção dos automóveis, caminhões e autopeças em várias fábricas do país devido à pandemia. Com isso, a atividade intensificou o recuo observado no mês anterior (-28%) e registrou a queda mais intensa desde o início da série.

A interrupção da produção de veículos também afetou outros segmentos, como metalurgia (-28,8%), produtos de borracha e de material plástico (-25,8%) e máquinas e equipamentos (-30,8%). Outros recuos relevantes vieram das atividades de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-18,4%) e bebidas (-37,6%).

“O resultado de abril decorre, claramente, do número maior de paralisações das várias unidades produtivas, em diversos segmentos industriais, por conta da pandemia. Março já tinha apresentado resultado negativo. Agora, em abril, vemos um espalhamento, com quedas de magnitudes históricas, de dois dígitos, em todas as categorias econômicas e em 22 das 26 atividades pesquisadas”, disse o gerente da pesquisa, André Macedo.

Leia também:  Multimídia do dia

Por outro lado, as atividades que produzem itens de consumo essenciais avançaram no mês, como produtos alimentícios (3,3%) e produtos farmoquímicos e farmacêuticos (6,6%). Perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal também subiram (1,3%), enquanto o setor extrativo ficou estável (0%).

“Embora o impacto positivo dos alimentos tenha vindo, principalmente, da maior produção do açúcar, observamos aumentos também na produção de outros gêneros alimentícios necessários para as famílias, como leite em pó, massas, carnes e arroz”, comentou o gerente da pesquisa.

 

Leia Também
Desde fevereiro, indústria já despencou 26,1%
No mundo pós pandemia, o pêndulo vai para a esquerda, por Andre Motta Araujo
Coronavírus: Governo deve reduzir auxílio emergencial para R$ 200 ou R$ 300
GGN prepara dossiê sobre trajetória de Sergio Moro

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome