Juiz que chamou Brasil de “merdocracia” terá de dar explicações ao CNJ

O juiz fez críticas a figuras do governo como Bolsonaro, Paulo Guedes, Damares, Weintraub e Moro e reprovou normas recentes no âmbito do trabalho

Do Migalhas

O corregedor nacional de Justiça em exercício, ministro Emmanoel Pereira, determinou a abertura de pedido de providências para apurar suposta prática de conduta vedada a magistrados cometida pelo juiz do Trabalho Jerônimo Azambuja Franco Neto, da 18ª vara de SP.

Em sentença, o magistrado classificou o atual momento do país como “merdocracia neoliberal neofascista” e criticou diversas figuras do governo como Bolsonaro, Damares, Paulo Guedes, Weintraub e Moro.

A Corregedoria Nacional de Justiça tomou conhecimento pela imprensa de que o magistrado teria utilizado uma sentença judicial para tecer comentários acerca de agentes públicos e da atual situação política do país de forma inadequada, o que, em tese, configuraria ofensa ao Código de Ética da Magistratura e a Loman.

Em certo trecho da sentença o juiz diz:

“O ser humano Weintraub no cargo de Ministro da Educação escreve “imprecionante”. O ser humano Moro no cargo de Ministro da Justiça foi chamado de “juizeco fascista” e abominável pela neta do coronel Alexandrino. O ser humano Guedes no cargo de Ministro da Economia ameaça com AI-5 (perseguição, desaparecimentos, torturas, assassinatos) e disse que “gostaria de vender tudo”. O ser humano Damares no cargo de Ministro da Família defende “abstinência sexual como política pública”. O ser humano Bolsonaro no cargo de Presidente da República é acusado de “incitação ao genocídio indígena” no Tribunal Penal Internacional.”

O juiz terá um prazo de 15 dias para apresentar informações a respeito dos fatos narrados na notícia.

AGU

Leia também:  Cláudia Telles: Eu preciso te esquecer e Fim de tarde

A AGU também se manifestou sobre o caso, protocolando no CNJ um pedido de providências contra o magistrado. Para a instituição, o magistrado extrapolou funções atribuídas à magistratura ao não utilizar linguagem escorreita, polida e respeitosa. A reclamação disciplinar foi encaminhada ao corregedor-geral de Justiça, ministro Humberto Martins.

Além das violações funcionais, a Advocacia-Geral também cita entendimento do STF, solicitando que a corregedoria do CNJ verifique se, no caso concreto, há um posicionamento político-partidário do magistrado, com comprometimento direto da dignidade do Judiciário, e pede a aplicação das sanções cabíveis pelo descumprimento dos deveres funcionais.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. Porventura, o juiz vai explicar que o Weintraub escreveu imprecionante com ss em vez de escrever com c? Vai explicar que a Neta do Coronel não disse o que disse?
    Caviar é uma palavra de alto calão mas merda, que já foi caviar, é uma palavra de baixo calão.

    Esses Idiotas não fazem exame de fezes, por acaso?

  2. Engraçado, quanto a Moro, todos esses órgãos fiscalizadores DORMEM. Quanto aos promotores de Curitiba, dormem a ponto de roncar. Quanto à familia Bolsonaro, ronronam. Merecem o respeito e a credibilidade de todos.

  3. Acho que o juiz usou expressão muito imprópria mesmo. Chamar diversos animais que ele nominou de “ser humano” é caso para correição, sim!

    Também deveriam escrutinar sentenças em que escreveu-se: cometeu crime de corrupção por atos indeterminados. Este além de falastrão é perigoso.

  4. Falou ou escreveu algo que já nao havia sido dito ou escrito? Distorceu ou tirou declarações do contexto?
    Não?
    Entao precisará explicar o que?
    Aliás, aproveitando o momento dos órgãos que zelam pela polidez e lisura no judiciario; haverá pedido de explicação ao tal promotor que incluiu Gleen em processo de suposta invasão hacker, mesmo sem haver nada na PF a respeito?

  5. Foi apenas um “excesso retórico”; nada mais que um desabafo, compreensível, diante do iminente desmanche da justiça do trabalho, dirá o seu defensor, fundamentando-se em farta e respeitável jurisprudência.

  6. Se tirarmo do texto a tal “merdocracia” que pode ser considerado opinião pessoal do juiz, o resto são fatos……a mais pura verdade, conferindo os tópicos:
    1-governo neoliberal neofascista-Boa parte dos Brasileiros concorda e a mídia/opinião publica internacional também….sobraram os bosominion e os iludidos/teimosos…
    2- Ministro da Educação escreve “imprecionante”.Fato
    3-Moro no cargo de Ministro da Justiça foi chamado de “juizeco fascista” e abominável pela neta do coronel Alexandrino.Fato
    4.Guedes no cargo de Ministro da Economia ameaça com AI-5 (perseguição, desaparecimentos, torturas, assassinatos) e disse que “gostaria de vender tudo”.Fato
    5-Damares no cargo de Ministro da Família defende “abstinência sexual como política pública”.Mais um fato.
    6-Bolsonaro no cargo de Presidente da República é acusado de “incitação ao genocídio indígena” no Tribunal Penal Internacional.”Mais um…
    Então a coisa fica assim, juiz decide pela “cara do cliente”, desembargador aceita e elogia sentença de juiz de piso sem ler, juiz combina tudo antes com MP, usa a imprensa para condenar, prende e deixa preso para arrancar confissão, ameaça a família de prisão, feito miliciano/PCC e mais um se numero de falcatruas…..mas ai pode, tudo bem…..crime mesmo é dizer a verdade…..a que ponto chegamos…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome