Justiça de MT Condena estado por investigação atabalhoada.

Investigaram o deputado, bloquearam sua fazenda, jogaram na imprensa, lincharam, gente perdeu emprego, causaram prejuízos, os adversários políticos pintaram e bordaram…e ao final ele era inocente (ao menos nisso…nem conheço o dito cujo).

http://www.olhardireto.com.br/juridico/noticias/exibir.asp?noticia=estado-e-condenado-em-r-376-mil-por-investigacao-contra-percival&id=33462
 

Notícias / Civil

08/07/2016 – 12:00

Justiça condena Estado em R$ 376 mil após investigação “desastrosa” contra Percival

Da Redação – Paulo Victor Fanaia Teixeira

Foto: Reprodução

Percival Muniz

Percival Muniz

O juiz Roberto Teixeira Seror, da Quinta Vara Especializada da Fazenda Pública, condenou o Estado a pagar indenização por danos morais e materiais no valor de R$ 376.212,72 ao prefeito de Rondonópolis, Percival Souza Muniz, e a sua esposa, a ex-deputada Ana Karla Muniz. Para o magistrado, ficou comprovado que a investigação da Polícia Civil foi desastrosa e infundada. A decisão foi proferida dia 30 de junho. 

Leia mais:
Sigilo é imoral e ilegal, dispara juíza ao negar segredo em processo de desvio de R$ 2,6 mi

De acordo com a defesa do casal, Percival Muniz, durante seu mandato de deputado, entre 2006 e 2010, realizou, juntamente ao então governador Blairo Maggi, uma comitiva denominada “Estradeiro da Balsa”, onde os caciques Raoni e Megaron solicitaram que lhes fossem cedidos grupos de geradores para as aldeias indígenas. O governador à época tomou as devidas providências para que as necessidades fossem atendidas.

Assim, Percival Muniz narra que localizou geradores que não estavam sendo utilizados e informou ao Chefe da Casa Civil, que estes estariam disponíveis para que fossem feitas as revisões e os reparos necessários, e, portanto que os mesmos fossem levados até São José do Xingu e entregues aos líderes das comunidades indígenas. Entretanto, um inquérito do Ministério Público Estadual (MPE) constatava, por meio de denuncia anônima, que um servidor do Estado havia recolhido as peças e os levado para o interior de uma fazenda denominada Fazenda Felicidade, de propriedade do casal.

Leia também:  GGN Brasil: em São Paulo dados são menos dramáticos do que pareciam

Como providência, a Fazenda ficou lacrada até o fim do inquérito, de modo que as necessidades da propriedade, como fabricação de ração e geração de energia para máquinas, ficaram prejudicadas por vários anos, razão pela qual tiveram prejuízos materiais da ordem de R$ 326.312,72. Ainda, o caso gerou repercussões negativas na mídia regional, “sendo usados por seus adversários políticos”.

Entretanto, o inquérito concluiu que o equipamento apreendido na propriedade de Percival Muniz não são aqueles pertencentes ao poder público. Restando a inocência do requerente e seus prejuízos morais e materiais. 

Em sua decisão, o magistrado, Roberto Seror, reconheceu que o inquérito fora exageradamente repercutido. “Ora, é sabido que cabe a instauração de inquérito policial com base em denúncia anônima, contanto que haja investigação preliminar antecedente, pautada na prudência e na discrição, em total contraposição ao que aconteceu no presente caso”.

E conclui: “A condução desastrosa da fase investigatória, através da atuação medonha da autoridade policial, dos promotores e do juiz, acarretou prejuízos na vida dos autores”. Em outras palavras, “em que pese a autoridade policial tenha dever de instaurar inquérito quando há denúncia acompanhada de investigação preliminar (estrito cumprimento do dever legal), o fato é que houve diversos abusos e excessos no curso das investigações, como amplamente demonstrado pela farta documentação juntada aos autos, caracterizando desproporcionalidade e falta de razoabilidade na conduta dos agentes”, avaliou Seror. 

Ainda, avaliando o processo de investigação, constata que “a principal diligência não foi realizada, qual seja a verificação do patrimônio (tombo) ou número de série dos geradores, a fim de comparar se as máquinas encontradas na Fazenda Felicidade eram as mesmas que haviam supostamente sido retiradas dos órgãos públicos. E mesmo assim, sem indício algum do crime de peculato, a autoridade policial e os promotores representaram perante o Juiz, pedindo a busca e apreensão na Fazenda dos autores, que foi deferida pelo Juiz em novembro/2006 sem qualquer prudência”.

Leia também:  Crivella quer presença de Bolsonaro em campanha no Rio

Prossegue. “Tais abusos acarretaram prejuízos de ordem extrapatrimonial na vida dos autores, mormente por serem pessoas públicas, engajadas na política local, inclusive, houve a exoneração da requerente do cargo de Secretária de Estado de Educação no auge das investigações, em dezembro/2006 , daí porque entendo que procede o pleito de reparação”.

Assim, o magistrado julgou procedente a ação, condenando o Requerido ao pagamento de indenização a título de danos morais no importe de R$ 50.000,00, bem como ao pagamento de indenização a título de danos materiais no valor de R$ 326.312,72.

O valor do dano moral deverá ser corrigido monetariamente pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) a partir da publicação da sentença. Com relação aos danos materiais, a correção se dará pelo INPC (Índice Nacional do Preço do Consumidor) desde o evento danoso que corresponde a 27de novembro de 2006 até o advento da Lei n. 11.960/2009 e, em seguida, pelo IPCA até o efetivo pagamento. Ainda deverá incidir juros de mora de 6% ao ano em ambos os casos.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome