Home Coronavírus Laboratório indiano só deve enviar vacinas ao Brasil em duas semanas, diz CEO

Laboratório indiano só deve enviar vacinas ao Brasil em duas semanas, diz CEO

Laboratório indiano só deve enviar vacinas ao Brasil em duas semanas, diz CEO
Avião que será enviado à Índia foi adesivado com campanha do governo federal. | Foto: Tony Winston/MS

do Poder 360

por Murilo Fagundes

O diretor-executivo do laboratório indiano Serum Institute, Adar Poonawalla, disse nessa 6ª feira (15.jan.2021) que a Índia só deve enviar ao Brasil as doses da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford daqui a duas semanas. A informação foi divulgada pelo jornal The Times Of India.

Na entrevista, Poonawalla afirmou que a prioridade do laboratório sempre foi a vacinação da população local. “Nossa primeira prioridade sempre foi nosso próprio país. Assim que cuidarmos disso, podemos começar a exportar as doses da vacina para outros países a todo vapor”, disse.

O governo brasileiro ainda não apresentou esse prazo. Em nota, o Ministério das Relações Exteriores se furtou a dizer que o recebimento das vacinas, produzidas pelo laboratório indiano, vai demorar mais que o esperado. Isso porque o governo indiano alega “problemas logísticos” para atender à demanda do Brasil ao mesmo tempo em que inicia a campanha nacional de vacinação, agendada para sábado (16.jan).

Temos um estoque amplo. A exportação não vai atrapalhar o programa de vacinação da Índia de forma alguma”, declarou o CEO.

O The Times Of India diz ainda, atribuindo a informação a uma fonte a par do processo, que o governo brasileiro também tem interesse em doses de vacinas da Bharat Biotech. Segundo o jornal, o Serum Institute aumentou sua produção para algo entre 50 e 70 milhões de doses por mês desde o início de 2021.

CORONAVAC

Com a demora na liberação do lote de vacinas do Serum Institute, a chinesa CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan, ganha força para ser a 1ª aplicada na população brasileira.

Nesse cenário, o Ministério da Saúde voltou a solicitar ao governo do Estado de São Paulo a entrega imediata de 6 milhões de doses do imunizante. Em um segundo ofício, enviado na 6ª feira (15.jan), a pasta declarou que o governo de João Doria (PSDB) não pode separar a quantidade destinada ao Estado do plano nacional de imunização contra a covid-19.

O ministro Eduardo Pazuello (Saúde) anunciou na última 5ª feira (14.jan) o “Dia D” e a “Hora H” da vacinação contra a covid-19 no Brasil. A largada para a imunização será em 20 de janeiro, a partir das 10h, em todo o território nacional.

Para isso, entretanto, é preciso que haja um imunizante.

Anvisa terá reunião neste domingo (17.jan) para analisar os pedidos de uso emergencial das vacinas da AstraZeneca/Oxford e da Sinovac. Sem as doses vindas da Índias, o governo precisa da CoronaVac para manter a data de início da vacinação.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 COMMENTS

  1. E a FIOCRUZ, que já devia estar fabricando a mesma vacina há meses? Sei, faltam os insumos. Só para o Brasil? Por que? Todo o mundo sabe mas fazer o quê? Só o impeachment, URGENTE, pode TALVEZ nos salvar. Talvez porque não adianta tirar Bolsonaro e permanecer a mesma turma, sobretudo o bando de Paulo Guedes.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

GGN
Sair da versão mobile