“Lava Jato da Educação” busca pretexto para condenar e prender Fernando Haddad, diz Reinaldo Azevedo

Jornalista critica o uso da Polícia Federal para iniciar uma investigação sem a existência de qualquer indício de crime no MEC. "Nas democracias, não se abre uma investigação em massa para ver se existe um problema. Isso é prática de tiranias. Porque, ainda que não exista, cria-se. Nas democracias, a investigação é aberta quando há indício de irregularidade", disparou Azevedo

Jornal GGN – O bloco da “gente obcecada em meter na cadeia seus adversários” já está nas ruas, avalia Reinaldo Azevedo. Em artigo publicado neste sábado (9), no UOL, o jornalista diz expressamente que é Fernando Haddad, o ex-presidenciável do PT, o alvo do governo Bolsonaro com essa história de “Lava Jato da Educação”.

“Os porões do governo já definiram um alvo: querem pegar Fernando Haddad, ex-ministro da Educação e petista que disputou o segundo turno das eleições presidenciais com Bolsonaro. Nas palavras de um extremista, ‘é preciso pôr Haddad na cadeia’. Mas por quê?”

Para Azevedo, o governo deveria, no mínimo, dizer qual é a “sacanagem” que está perseguindo. “Nas democracias, não se abre uma investigação em massa para ver se existe um problema. Isso é prática de tiranias. Porque, ainda que não exista, cria-se. Nas democracias, a investigação é aberta quando há indício de irregularidade.”

E, no caso da passagem de Fernando Haddad pelo Ministério da Educação, não há nenhum indício de irregularidades que justifiquem a operação.

“(…) os que defendem operações de investigação antes mesmo que existam os indícios de crime — e, que se saiba, não existem — certamente não têm pudor de criar as circunstâncias que justifiquem investigações, prisões, condenações.”

Para Azevedo, nas “catacumbas” do governo Bolsonaro há disposição para fazer a operação policial atingir as universidades públicas e, ainda que indiretamente, as privadas, ao ameaçar a execução de programas como o Prouni, que hoje oferece 243 mil bolsas de estudos.

Leia também:  Crimes de ódio: Uma tipificação necessária para o Brasil, por Guilherme Nucci

“É a polícia com viés ideológico. Vai ver o suicídio de Luiz Carlos Cancellier, em 2017, então reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, não ensinou nada a essa gente”, lembrou Azevedo. Ele ainda frisou que ter convidado Erika Marena, responsável pela operação desastrosa que provocou a morte do reitor, para assumir cargo de peso no Ministério da Justiça, só mostra que Sergio Moro não dá a mínima para “cadáveres laterais” em sua missão de “salvar a humanidade”.

Leia a íntegra aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

23 comentários

  1. Segundo informação atribuída a Ricardo Kotscho, João Dória, quando candidato à prefeitura do Tucanistão, se mostrava otimista quanto à sua vitória. em conversa informal lhe questionaram se não estava preocupado com o, então, candidato à reeleição, Fernando Haddad. Ele teria respondido que não se preocupava com o Fernando Haddad porque o seu partido estava desgastado mas, se chegasse a ser uma ameaça, o “Sérgio” cuidaria dele.

  2. O que acontece quando um jornalista deixa de fazer política e passa a fazer jornalismo? Simples. ganha o respeito e a admiração de quem gosta de jornalismo. Parabéns Reinaldo Azevedo, enxerguei isso desde a primeira menção a esta sacanagem com o MEC.

  3. Reinaldo Azevedo merece aplausos. Sendo publicado aqui no blog defendendo causas consideradas justas. A guerra do Vietnam é passado.

  4. Sim é isto e só agora vão começar a pegar os do PSDB, via Paulo Preto. O pessoal que não consegue ganhar no voto quer acabar com os que tem condições de voto via ferramental da ala podre do judiciário. Ciro Gomes que também fique atento, pois qualquer um com chance de votos vai ser perseguido

  5. Reinaldo Azevedo
    Todo brasileiro de bem quer ver criminoso pagando por seus atos na forma da lei. Caso uma das penas seja a prisão, fazer o que? A lei está aí para ser cumpria. Se o Haddad não cometeu crime algum não precisa se preocupar.

  6. É a Pois!! Caçam irregularidades que não existem, mas ignoram as que estão a vista de todos em todas as mídias, Queiroz, FLávio, o laranjal, a facada fake, as fakes lançadas durante a campanha, essa podridão Que é todo esse partido e seus seguidores, isso não vale, e não sofrer ar nenhum tipo de lava jato.

    • Depois do Moro usurpar o poder do STF e divulgar a gravação do STF? Do Lula sofrer condução coercitiva ilegal e inconstitucionalmente? De ser condenado pelo triplex sem provas?
      Todo brasileiro que não tiver a mesma ideologia que o juiz que julgar seu caso tem que ficar preocupado sim.

  7. Este é um governo transparente, se acha tão acima de tudo, que sequer esconde o que pretende. Como o seu ministro da Justiça e sua troupe de Curitiba, que nem se preocupam em esconder tudo que fizeram, e tudo que vão ganhar com isto. E a imprensa está incomodada, mas com uma ética duvidosa permanece fiel ao objetivo de privatizar a previdência publica e muito preocupada com a democracia lá na Venezuela.

  8. Falando em Crime, vamos ver oque vai dar a questão dos candidatos laranjas que trabalharam a serviço do Sr. Boso. E a questão do seu filho TB, aquele q teve um lucro instantâneo na venda daquele apto no Rio. Me desculpem mas oque parece e q estão tentando ferrar todos q fizeram algo para ajudar o miseráveis…

  9. Ou a “cegueira” tomou conta do sempre “soberbo”, ou o tilintar anda ecoando forte em seu ouvido.
    Diz aí “Reizim”!?

  10. Reinaldo Azevedo certamente devia fazer uso de seu suposto diploma de jornalismo, no banheiro mais próximo. O cretino se tornou um militante oficial da direita e ‘não oficial’ da esquerda. Fora claro, a soberba insuportável de quem domina a verdade absoluta e universal. Bloqueia todos os comentários no blog, youtube e instagran, pois não suporta ser confrontado. Lixo de ser humano.

  11. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome