Lava Jato ignorou documentação da defesa e não ouviu testemunhas, diz advogado de Frei Chico

"Eu estou achando muito estranha essa denúncia. Ela não faz o menor sentido. Entregamos documentos que comprovam claramente que o Frei Chico prestava serviços à Odebrecht", declarou ao 247 o advogado Antônio Funari

(Foto: Eduardo Matysiak)

do Brasil 247

Lava Jato ignorou documentação da defesa e não ouviu testemunhas, diz advogado de Frei Chico

“Eu estou achando muito estranha essa denúncia. Ela não faz o menor sentido. Entregamos documentos que comprovam claramente que o Frei Chico prestava serviços à Odebrecht”, declarou ao 247 o advogado Antônio Funari, que representa o irmão do ex-presidente Lula, denunciado pelo MPF-SP por corrupção passiva continuada acusado de receber “mesada” da Odebrecht em troca de favores oferecidos por Lula à empreiteira em seu governo

247 – A denúncia da Lava Jato de São Paulo acusando Frei Chico, irmão do ex-presidente Lula, de receber ‘mesada’ da Odebrecht é “absurda” e ignora uma “farta documentação” entregue pela defesa, avalia o advogado Antônio Funari, que representa o sindicalista.

Em conversa com o 247, ele explicou que documentos entregues ao Ministério Público comprovam que Frei Chico trabalhou para a Odebrecht e que o caso corresponde a um período até antes de Lula ser presidente. Além disso, ele destacou que testemunhas indicadas pela defesa não foram ouvidas no processo.

“Eu estou achando muito estranha essa denúncia. Ela não faz o menor sentido. Entregamos documentos que comprovam claramente que o Frei Chico prestava serviços à Odebrecht”, declarou ao 247.

Frei Chico e Lula foram denunciados por corrupção passiva continuada. Segundo o MPF, o irmão do ex-presidente recebeu “mesada” da Odebrecht de R$ 3 a R$ 5 mil entre 2003 e 2015 como “parte de um ‘pacote’de vantagens indevidas oferecidas a Lula, em troca de benefícios diversos obtidos pela Odebrecht junto ao governo federal”.

Ao 247, Frei Chico disse que jamais recebeu mesada, e sim colaborou como consultor da Odebrecht. O irmão de Lula reforçou também que as testemunhas de defesa indicadas por ele para falar no processo nunca foram ouvidas.

A defesa do ex-presidente Lula chamou as acusações da Lava Jato de “descabidas”. “Lula jamais ofereceu ao Grupo Odebrech qualquer ‘pacote de vantagens indevidas’, tanto é que a denúncia não descreve e muito menos comprova qualquer ato ilegal praticado pelo ex-presidente. [Ele] também jamais pediu qualquer vantagem indevida para si ou para qualquer de seus familiares”, disse em nota o advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins.

5 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Marcos Videira

- 2019-09-10 10:29:29

Enquanto não for restabelecido o Estado Democrático de Direito, a novela repetirá o mesmo capítulo todo santo dia. Enquanto os democratas continuam divididos, os fascistas vão agindo, destruindo a reputação das pessoas e a economia nacional. Mas tá tudo certo: o mais importante é o partido... Ou não é isto ?

Jair Oliveira

- 2019-09-09 23:27:44

Surpresa Nenhuma! A Lava a Jato, continua suas operações; normalmente; seu modus operandi é esse; denúncias vazias; agora de valores insignificantes; contrariando o princípio da insignificância ou da bagatela, frente os valores denunciados "como a maior corrupção da História do Brasil". Claramente os objetivos são os mesmos, criar factóides e assuntos meramente políticos para desmerecer e tentar enfraquecer politicamente mais ainda o já "preso" e "condenado" e escrachado presidente Lula. Frente a tudo que já foi denunciado pela conversas telefônicas dos lavajateiros, sem temer por seus crimes, apoiado por seus poderosos comparsas da mídia, e não é de espantar que se apavonem e criem asas; também frente ao silêncio e completa omissão da justiça, do STF, que deixa grassar a corrupção nos meios jurídicos da lava a jato e da mídia; se não que eles próprios já não estejam contaminados também. Não há freios e contrapesos contra isso. Infelizmente.

Augusto

- 2019-09-09 22:33:59

Lava Jato ignorou documentação da defesa e não ouviu testemunhas, Como diria Ariano Suassuna, já fui até Advogado, mas não tive paciência para isso, acontece muito em cidade do interior, já vi isso acontecer, infelizmente e mais comum do que se pensa, você tem abundância de provas documentais, inclusive de órgãos públicos que atestam a veracidade dos fatos e o magistrado se recusa a condenar o réu, inclusive decidindo contra corte superior... e ainda fala, recorre Doutor!!!

Augusto

- 2019-09-09 22:29:07

Como diria Ariano Suassuna, já fui até Advogado, mas não tive paciência para isso, acontece muito em de cidade do interior, já vi isso acontecer, infelizmente e mais comum do que se pensa, você tem abundância de provas documentais, inclusive de órgãos públicos que atestam a veracidade dos fatos e o magistrado se recusa a condenar o réu, inclusive decidindo contra corte superior... e ainda fala, recorre Doutor!!!

Schell

- 2019-09-09 20:25:12

E os calhordas e cretinos desprocuradores ainda se dão ao trabalho de somar o que seria o valor das "mesadas", por eles inventadas, durante cerca de 13 anos, para chegarem, então, ao estratosférico mais de 1 milhão de reais, não fosse o período - por eles aventados (farinha de mesmo saco) - somatório em torno de 156 meses; como são calhordas e cretinos, se deram ao trabalho de ATUALIZAR OS VALORES para chegarem aos tais 1.131.000,00. Baita cretinos, ainda por cima, querendo dar destaque à "fortuna". Vão se catar!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador