Ligação de Alcolumbre com delegado gera mal-estar na PF

Avião Cessna 550 apreendido em operação policial em Pernambuco foi cedido ao Amapá a pedido do presidente do Senado Federal

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil (via fotospublicas.com)

Jornal GGN – O envolvimento de um delegado da Polícia Federal na operação que apreendeu uma aeronave e a criação de uma diretoria antidrogas causou mal-estar na instituição.

O delegado Elvis Secco, coordenador-geral de Repressão a Drogas e Facções Criminosas da PF, participou da apreensão de um avião modelo Cessna 550 em uma operação em Pernambuco – que, a pedido do presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP), foi cedido ao Amapá em setembro.

Na mesma época, Alcolumbre viabilizou junto ao Ministério da Economia os trâmites burocráticos para a criação da nova diretoria antidrogas, desejada pela Polícia Federal.

Ao mesmo tempo em que apresentava a Alcolumbre a necessidade de dar à sua coordenação status de diretoria, Secco emitia um parecer à Justiça defendendo a cessão do avião ao estado do Amapá – o que dirigentes da PF apontaram como conflito de interesses e ações atípicas, segundo o jornal Folha de São Paulo.

A principal queixa foi o andamento concomitante entre tais situações, dando uma aparência de toma-lá-dá-cá. Tanto a PF como Alcolumbre negam que tenha ocorrido pedidos para a criação de um novo cargo.

 

Leia Também
Freixo aciona PGR contra “uso criminoso” da Abin pela família Bolsonaro
Polícia cita “racismo estrutural” e indicia 6 por assassinato no Carrefour
Polícia cita “racismo estrutural” e indicia 6 por assassinato no Carrefour
Moro diz que Transparência Internacional sofre “ataques injustos”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora