Livro esgotado sobre Villa-Lobos ganha nova edição, por Carlos Motta

Baseando-se em testemunhos, fotografias, documentos de época, reportagens, Ermelinda reuniu em sua publicação quase tudo que se publicou sobre Villa-Lobos e os discos lançados com suas músicas, que perfazem centenas de obras.

Livro esgotado sobre Villa-Lobos ganha nova edição, por Carlos Motta

Quinze anos depois de uma tiragem reduzida e local,  na época, conseguida por meio do patrocínio da Eletrobras, pela Lei Rouanet, uma obra-prima da literatura musical ganha sua segunda edição, agora com distribuição nacional, revisada e atualizada. O livro “Villa-Lobos e a Música Popular Brasileira, uma Visão sem Preconceitos” (Ed. Tipografia Musical, preço médio R$ 55,00, 207 páginas), da renomada pesquisadora e professora Ermelinda Paz, é fruto de um estudo iniciado há 30 anos, quando a autora ganhou um concurso de monografias com esse tema.

 

Baseando-se em testemunhos, fotografias, documentos de época, reportagens, Ermelinda reuniu em sua publicação quase tudo que se publicou sobre Villa-Lobos e os discos lançados com suas músicas, que perfazem centenas de obras. Com  um texto fácil e acessível, sem deixar de lado o rigor acadêmico na ampla pesquisa, o livro destrincha a vida do maestro e compositor desde a juventude, na segunda década do século passado, quando muito empobrecido pela morte prematura do pai, decide vender livros raros que herdara para poder financiar o seu sonho de viajar pelo país. 

 

As dificuldades financeiras também o levaram a trabalhar como músico de operetas e de cinema  -na época, grupos ou solistas animavam as antessalas. A sua contribuição na educação musical juvenil, por meio do canto orfeônico, que reunia milhares de jovens e crianças em estádios, também foi bastante aprofundada pela autora, que ainda ressalta o verdadeiro objetivo do maestro em educar socialmente por intermédio da música, não fazendo dela apenas uma exibição artística ou recreativa. O maestro  levava música para multidões e também foi, provavelmente, o primeiro músico erudito a reconhecer o valor das manifestações populares, compondo inclusive para o violão, um instrumento sem muito prestígio na época.

 

Filho de um intelectual que gostava de promover saraus musicais em casa, recebendo a nata dos músicos populares, como Pixinguinha, Sinhô, João da Baiana e Donga, Villa-Lobos tinha uma especial relação de amizade e companheirismo com Cartola – por meio de testemunhos, o leitor se surpreenderá com hábitos pouco conhecidos do maestro, como seu interesse especial em prestigiar e vivenciar por tantas horas o Buraco Quente (pé do morro), na Mangueira.

 

Assim como Pixinguinha e outros músicos da época, Villa-Lobos também tinha o seu mecenas, Carlos Guinle, a quem sempre se preocupava em registrar, em cartas, a devida prestação de contas e o não desperdício – publicadas no livro, muitas dessas cartas revelam também a grande preocupação de Villa-Lobos em cuidar bem de sua obra e de afirmar sua gratidão pelo patrocínio. O livro traz também depoimentos de músicos variados, como Tom Jobim, Wagner Tiso, Edu Lobo, Egberto Gismonti, Elizeth Cardoso, Herivelto Martins, João Pernambuco, Vicente Celestino, Nana e Dorival Caymmi, dentre muitos outros grandes nomes da música brasileira, todos revelando o quanto de Villa-Lobos existe em suas composições. (Informações da assessoria de imprensa)

 

Comprar online www.tipografiamusical.com.br/loja

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Clipping do dia