Louca do Penhasco, por Luperce Miranda

Durante um bom tempo, em São Paulo, a excpecional valsa “A Louca”, de Chico Neto, era tocada apenas por poçoscaldenses.

Isso graças a um gramense (de São Sebastião da Grama) Bié Junqueira, que foi para o Rio estudar medicina e voltou formado em violão e boemia.

No seu tempo de Rio, Bié contratou um cartunista que sabia escrever música e colocou em pauta várias músicas da época, uma delas “A Louca”. Em Poços de Caldas era interpretada ao violão pelo Onofre Tito, grande amigo.

Onofre mudou-se para São Paulo e introduziu a valsa aqui. Só descobrimos o autor em uma visita de Radamés Gnatalli. Fomos comer uma pizza e lá o mestre contou que o autor era Chico Neto, cavaquinhista e palhaço de circo. E houve uma transcrição para violão.

Gravei “ALouca” no CD Roda de Choro.

Ontem, o Barão do Pandeiro me presentou com uma gravação de Luperce Miranda. A valsa é apresentada como “A Louca no Penhasco”. A maneira alucinante como Luperce toca cria a imagem de forma dramática. Uma interpretação tão marcante que é inacreidtável que tenha ficado tanto tempo esquecida.

Aqui, a gravação dele e a minha, obviamente bem mais modesta.


Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora