Luciana Silva Tamburini: uma cidadã em defesa da dignidade humana

Quem se lembra da servidora do DETRAN-RJ, Luciana Silva Tamburini, que enfreou de peito aberto o juiz João Carlos de Souza Correa?

O juiz, cujo veículo estava sem placa e ele sem a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), deu voz de prisão à Luciana. Luciana tinha dito que “É Juiz, mas não é Deus!”, o que motivou o juiz a dar voz de prisão.

O desenrolar não poderia ser diferente, diante do secular abuso de poder no Brasil. Nas redes sociais, internautas se solidarizaram com a atitude de Luciana, e repudiaram a decisão da Justiça (TJ-RJ), que condenou Luciana a pagar R$ 5 mil (cinco mil reais), por danos morais, ao juiz. Outro episódio que chamou atenção, o TJ-RJ não aceitou o pedido de Luciana para o processo ser apreciação do Supremo Tribunal Federal (STF) e Superior Tribunal de Justiça (STJ). Mesmo assim, atualmente, o processo está no STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Poderia ser mais um caso que ficaria apenas na “boca do povo”, no entanto, o episódio tomou outro rumo. O ministro Ricardo Lewandowski criticou o juiz João Carlos de Souza Correa, porque “nenhum magistrado é Deus”.

Política

Luciana foi convidada e aceitou entrar para a vida política. O convite partiu de Daniel Tourinho, presidente do PTC (Partido Trabalhista Cristão). Luciana participará do programa eleitoral do partido. Algo extraordinário? Não, caso o Brasil fosse uma Democracia consolidada.

No site do UOL, alguns internautas acusaram Luciana de “oportunista” por entrar na vida política. Alguns passaram do limite do bom senso:

“De aproveitador a política já tá cheia… Tem q convidar ela pra posar nua… Na política, só se repetir a mesma frase pro Sergio Moro… Ai vou botar fé”.

“Mais uma oportunista na política brasileira, se pegar o osso não vai querer largar mais. Puro oportunismo, estude prá prestar um bom concurso, com alto salário. Mas estudar dá trabalho né”.

Por que ser político no Brasil é sinônimo de corrupção?

A voz do povo! Exato, o povo está cansado de picaretas que usam o poder do próprio povo [art. 1º, parágrafo único, da CF/88] para enriquecimento próprio. No entanto, dizer que “todos” os políticos são picaretas é inconcebível. Se o Brasil possui alguns avanços à dignidade da pessoa humana se deve aos cidadãos que vestiram muito mais que ternos, o compromisso com suas consciências e com a dignidade humana de seus concidadãos.

Pode parecer um discurso pueril, todavia, mesmo diante dos gravíssimos acontecidos, pretéritos ou atuais, o Brasil evolui e consolida os Direitos Humanos. Há imposições, condenações e influências internacionais [Direitos Humanos], e há atuações positivas por parte de agentes políticos brasileiros. Essas atuações só terão força, para mudar realmente o Brasil, quando o próprio povo participar, ativamente, da vida política. Apenas reclamar no conforto do lar, não resolverá os gravíssimos entraves à materialização, plena, dos Direitos Humanos.

Não adianta o cidadão querer ser agente político, quando muitos outros cidadãos [não agentes políticos] se desinteressam pelo rumo político brasileiro. A união faz a força, fato. E deve ser assim, do contrário o Brasil será uma terra com leis sem que elas existam na vida cotidiana. Luciana pretende fazer a sua parte, como cidadã, mas ela só terá força caso tenham concidadãos compromissados com suas responsabilidades cívicas. “Ordem e Progresso”, não se faz com apenas alguns cidadãos, mas através de esforços e ideais direcionados para os mesmos propósitos.

Parabéns! Que Luciana possa desempenhar os seus ideais altruístas com maestria. E que seus esforços, para melhoria deste país, possam fazer parte da vida cotidiana de milhões de brasileiros.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora