Mais um indígena Guajajara é assassinado no Maranhão

Força Nacional está na região onde já morreram três lideranças

Famílias que ficaram órfãos após as mortes de caciques Guajajara no sábado, dia 7 de dezembro. | Foto: Divulgação

do Amazônia Real 

Mais um indígena Guajajara é assassinado no Maranhão. Força Nacional está na região onde já morreram três lideranças

Por Izabel Santos e Kátia Brasil

Manaus (AM) – O site de notícias MídiaÍndia divulgou na manhã desta sexta-feira (13) um quarto assassinato de indígena Guajajara, no estado do Maranhão. O jovem Dorivan Soares Guajajara, de 28 anos, foi encontrado esquartejado em um terreno na cidade de Amarante do Maranhão, que fica a 683 quilômetros da capital São Luís. No mesmo local estava também um corpo de um outro homem não indígena, Roberto do Nascimento Silva, de 31 anos, morto também a facadas.

Segundo o comandante do 34o. Batalhão da Polícia Militar de Amarante do Maranhão, tenente-coronel Jorge Araújo Junior, a suspeita para os crimes é suposto envolvimento com o tráfico de drogas. As lideranças Guajajara, no entanto, não confirmaram essa informação. As mortes aconteceram após os rapazes deixarem uma festa na localidade de Vila Industrial. Não há pistas dos criminosos.

A coordenadora-executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), Sonia Guajajara, que está denunciando a situação de ausência de poder público e invasão para exploração de madeira no território de seu povo, não concorda com essa versão da Polícia Militar do Maranhão sobre a morte do quarto indígena. Em suas redes sociais, Sonia comentou a sequência de crimes brutais que vem tirando a vida dos Guajajara:

“São muitas falácias, muitas versões, acusações, não interessa, ninguém tem o direito de tirar a vida de ninguém. Não é apenas um cenário de guerra, estamos num campo de batalha onde o ódio disseminado pelas forças políticas conservadoras, autoritárias, racistas são estimuladas pelo fascismo que já extrapolou todos os seus limites. Essa já é o quarto assassinato registrado do povo Guajajara nos últimos meses. É preciso urgente de um basta. Vidas estão sendo tiradas e outras colocadas em risco em nome da ganância”, afirmou a líder indígena e ex-candidata à vice Presidência da República nas Eleições de 2018 pelo PSOL.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Mídia India-Oficial (@midiaindiaoficial) em

 

“Os corpos dos dois rapazes estão no Instituto Médico Legal da cidade”, informou o site G1 Maranhão.

Leia também:  Cartas sobre não-violência (1), por Dora Incontri

Segundo lideranças ouvidas pela Amazônia Real, Dorivan Guajajara é da aldeia Funil, que fica na Terra Indígena Arariboia, a mesma de Paulo Paulino Guajajara, o Guardião da Floresta, que foi assassinado em 1o. de novembro deste ano em conflito com madeireiros – um madeireiro também morreu e um indígena ficou ferido. Os guardiões já estavam ameaçados e pediram segurança de vida às autoridades estaduais e federais.

No último sábado (7) foram assassinados dois caciques na rodovia BR-226 no trecho próximo à Terra Indígena Cana Brava, no município de Jenipapo dos Vieiras, no oeste do Maranhão: Raimundo Benício Guajajara e Firmino Prexede Guajajara. Outros dois indígenas ficaram feridos. A Polícia Federal investiga as mortes das três lideranças.

Nesta segunda-feira (9), a reportagem da agência Amazônia Real divulgou vários áudios, que chegaram aos telefones celulares das lideranças Guajajara, ameaçando-os de morte os indígenas e disparando discurso de ódio contra eles, aumentando assim o clima de tensão na região. Os áudios estão sendo analisados pelo Ministério Público Federal, que ainda não se manifestou sobre quais providências irá tomar.

O guardião Paulo Paulino Guajajara foi assassinado no dia 1o. de novembro. Ele defendia a floresta e seu território. | Foto: Patrick Raynaud/APIB

O novo assassinato contra indígenas Guajajara acontece dois dias após a Força Nacional de Segurança chegar no Maranhão para garantir a integridade dos povos. O envio da Força Nacional foi determinado pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro.

*Este texto foi atualizado às 12h31 para incluir nota da líder Sônia Guajajara.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora