Mandetta receava a “doutrinação de esquerda” do +Médicos, diz jornal alemão

Como agente de saúde em sua cidade natal, Mendetta lutou contra o surto de dengue anos atrás.

Do Sueddeutsche

Brasil : O homem que está no caminho de Bolsonaro

Era início da noite quando Luiz Henrique Mandetta apareceu em frente à imprensa da capital em Brasília na segunda-feira. Na maioria das vezes, ele não usava terno ou gravata, mas o colete azul escuro com uma grande cruz bordada e muitos bolsos costurados: como se ele tivesse acabado de sair de uma intervenção médica de emergência e não de uma reunião que não era sobre vida ou morte mas pelo seu cargo de Ministro da Saúde. Houve rumores o dia inteiro sobre o fim do escritório de Mandetta, os principais jornais já anunciaram a demissão do presidente Jair Bolsonaro , mas agora Mandetta estava lá, um pouco amassado, mas também aliviado. Um médico não deixa seu paciente, disse ele, aplaudido por sua equipe. “Então eu vou ficar também.”

É um sucesso para Mandetta e uma derrota para Bolsonaro, que se mostra profundamente na distribuição de poder na atual política brasileira. A figura de Luiz Henrique Mandetta reflete uma luta de poder entre a ala moderada e radical do governo conservador. Com a crise de Corona se tornando mais dramática, ele ameaça destruir o país. É certo que, no final, os militares, o mais poderoso aliado de Bolsonaro até hoje, mantiveram Mandetta no cargo.

O ministro tem 55 anos, um médico que também tem muita experiência em política. Ele vem de Campo Grande, capital do estado brasileiro de soja no Mato Grosso do Sul, e é por isso que se diz que o político tem as melhores conexões com o poderoso lobby agrícola. Vários parentes próximos de Mandetta são ativos na política, seu pai, por sua vez, era um respeitado ortopedista. Aos 17 anos, Mandetta mudou-se para o Rio de Janeiro para estudar medicina. Mais tarde, ele trabalhou como tenente no hospital militar em Campo Grande, depois de uma estadia nos EUA.

Mandetta lutou contra a propagação da dengue com grande comprometimento
Em 2005, um primo o levou para a política. Mandetta torna-se agente de saúde em sua cidade natal, onde a dengue começa pouco depois. A doença é transmitida por um mosquito que se reproduz em poças e piscinas. Diz-se que Mandetta caminhou pessoalmente por Campo Grande para pedir aos moradores que esvaziem todos os tanques de água, banheiras e tanques abertos. Ele teve sucesso e esta foi sua primeira grande aparição pública. Mesmo alegações de corrupção não poderiam prejudicá-lo mais tarde. O surto de dengue também foi uma preparação para o que estava por vir – Corona.

Leia também:  GGN prepara dossiê sobre trajetória de Sergio Moro

Em 2010, Mandetta se mudou para o Congresso como membro do parlamento. Aqui, o político conservador estava particularmente de bom humor contra o programa “Mais Médicos” do governo de esquerda. Trouxe milhares de médicos cubanos para o Brasil e os enviou para regiões remotas onde anteriormente havia poucos cuidados de saúde. Apesar de todos os benefícios para a população, Mandetta viu o risco de doutrinação esquerda para os pacientes. Como membro do parlamento, ele também era um oponente declarado do aborto. Todas essas posições conservadoras acabaram levando o político de extrema direita Jair Bolsonaro a levá-lo ao seu gabinete em novembro de 2018.

Durante muito tempo, Mandetta era uma figura marginal, apenas a crise de Corona o fez conhecer. O ministro é contra as medidas de isolamento, Bolsonaro contra, a favor da economia que o presidente quer a todo custo de volta ao normal. Enquanto o apoio de Bolsonaro está diminuindo, Mandetta está se tornando mais popular e influente. Bolsonaro, é claro, quer se livrar de Mandetta. Uma dispensa, no entanto, é certa, também desencadearia uma crise do governo no meio da coroa. Então, Mandetta permanece no cargo, por enquanto. Ele queria se concentrar em combater o inimigo real agora, disse ele. Ele só tem um nome: Covid-19.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. corrijam a frase do último parágrafo:”O ministro é contra as medidas de isolamento, Bolsonaro contra, a favor da economia que o presidente quer a todo custo de volta ao normal”. O ministro não é contra; é a favor – pelo menos, na frase, que faz contraponto à posição do lorpa da presidência.

  2. Sempre aplico o princípio de “colaborador de um governo de delinquentes ,delinquente É”.
    Ninguém honesto,decente,humanitário e solidarío ,podería participar do governo de um sujeito que defende o usos da tortura como método de combate político. Não existem exceções,são todos CANALHAS.

  3. Boa tarde,
    Ficou estranha está frase, favor revisar.

    O ministro é contra as medidas de isolamento, Bolsonaro contra, a favor da economia que o presidente quer a todo custo de volta ao normal.

  4. Um lembrete, para uma questão de português:
    Qual a diferença de estada e estadia?
    Estada: Permanência de uma pessoa em um lugar, hotel, pousada, residência. Estadia: Segundo o dicionário Aurélio, o tempo de permanência de um navio no porto. Ele também expande para aviões em aeroportos e hangares, automóveis em garagens e estacionamentos, trens etc.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome