Médicos pedem que os EUA fechem e recomecem o combate à Covid

"Estamos no caminho de perder mais de 200.000 vidas americanas até 1º de novembro. No entanto, em muitos estados as pessoas podem beber em bares", dizem em carta

Da CNN americana

Quando os EUA atingem um nível preocupante de 4 milhões de casos de Covid-19 e a crescente taxa diária de casos confirmados e hospitalizações sugere que o vírus está longe de ser controlado, especialistas médicos estão pedindo aos líderes políticos que “desliguem” o país e comecem a conter a pandemia.

Pelo menos 4.038.748 casos de coronavírus e 144.304 mortes foram registradas nos Estados Unidos, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins. À medida que os números aumentam, mais de 150 proeminentes especialistas em medicina, cientistas, professores, enfermeiros e outros assinaram uma carta aos líderes políticos pedindo que eles fechem o país e comecem a conter a crescente pandemia de coronavírus.

“No momento, estamos no caminho de perder mais de 200.000 vidas americanas até 1º de novembro. No entanto, em muitos estados as pessoas podem beber em bares, cortar o cabelo, comer dentro de um restaurante, fazer uma tatuagem, fazer uma massagem e fazer inúmeras outras atividades normais, agradáveis, mas não essenciais”, dizia a carta.

O coronavírus deve se tornar uma das principais causas de morte nos EUA, disseram estatísticas da mortalidade dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças à CNN por e-mail na quinta-feira (23).

O co-fundador da Microsoft, Bill Gates, também emitiu o alarme.

“As taxas de infecção nos EUA são profundamente preocupantes porque no verão, quando está mais quente, quando as pessoas estão mais ao ar livre, na verdade é mais fácil reduzir a infecção do que no outono”, disse Gates, que está ajudando a financiar o desenvolvimento dos esforços da vacina contra o coronavírus por meio de sua Fundação Bill e Melinda Gates. “Então, estamos em uma situação muito difícil”.

Leia também:  Covid-19: Bancários da Caixa participam de pesquisa sobre exposição ao vírus no trabalho

Como os estados estão lidando com grandes surtos, os casos estão começando a se estabilizar nos quatro estados que tiveram grandes aumentos, disse sexta-feira a Dra. Deborah Birx, coordenadora da Força-Tarefa de Coronavírus da Casa Branca.

“Já estamos começando a ver um platô nesses quatro estados críticos que sofreram nas últimas quatro semanas – então Texas, Califórnia, Arizona e Flórida, os principais metrôs e em seus condados”. Birx disse no programa “Today” da NBC.

Birx comparou o que está acontecendo nesses estados com o surto em Nova York na primavera, acrescentando “é muito sério e muito real”.

Um juiz do condado de Starr, Texas, emitiu uma ordem de abrigo em casa até 11 de agosto. Entrou em vigor na sexta-feira de manhã.

O pedido também incentiva empresas não essenciais a interromper todas as atividades que podem não ser fornecidas por serviços de calçada, drive-through ou take-out.
O condado de Starr, ao longo da fronteira EUA-México, inclui a cidade de Rio Grande.
Estados em todo o país estão lutando com surtos locais.

Novo México, Havaí e Missouri reportaram todos os registros de novos casos diários na quinta-feira.

Pelo quarto dia consecutivo, o condado de Los Angeles registrou mais de 2.000 casos confirmados adicionais, anunciou o oficial de saúde Muntu Davis em uma coletiva de imprensa.

E as autoridades do Alasca começaram a isolar, monitorar e cuidar de 96 funcionários de uma fábrica de processamento de frutos do mar em Seward, de acordo com um comunicado do Departamento de Saúde e Serviços Sociais do Alasca. A CNN entrou em contato com a empresa, OBI Seafoods, para comentar.

Citando uma taxa crescente de transmissão, o governador de Washington, Jay Inslee, anunciou que o estado está restringindo as restrições a restaurantes, bares, academias de ginástica, cinemas, casamentos e funerais.

Leia também:  Bolsonaro desidratou estratégias para combate ao racismo

“Se permitirmos que o vírus obtenha ainda mais controle, ele terá um impacto ainda mais devastador a longo prazo em nossa economia, e certamente em nossa saúde e na própria vida de nossos entes queridos”, afirmou ele em entrevista coletiva.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome