Minha, sua, nossa missão

Enviado por Vânia

Ofício (Paulo César Pinheiro)

A música me ama
Ela me deixa fazê-la
A música é uma estrela
Deitada na minha cama

Ela me chega sem jeito
Quase sem eu perceber
Quando dou conta e vou ver
Ela já entrou no meu peito

No que ela entra a alma sai
Fica o meu corpo sem vida
Volta depois comovida
E eu nunca soube onde vai

Meu olho dana a brilhar
Meu dedo corre o papel
E a voz repete o cordel
Que se derrama do olhar

Fico algum tempo perdido

Até me recuperar
Quase sem acreditar
Se tudo teve sentido

A música parte e eu desperto
Pro mundo cruel que aí está
Com medo de ela não voltar
Mas ela está sempre por perto

Nada que existe é mais forte
E eu quero aprender-lhe a medida
De como compõe minha vida
Que é para compor minha morte.

 

https://www.youtube.com/watch?v=rFgSRhuCBGY]

Quando eu canto, é para aliviar,
Meu pranto,e o pranto de quem já tanto sofreu
Quando eu canto, estou sentindo a luz
De um Santo,estou ajoelhando aos pés de Deus
Canto para anunciar o dia
Canto para amenizar a noite
Canto pra denunciar o açoite
Canto tambem contra a tirania
Canto porque numa melodia
Ascendo no coraçao do povo a esperança
De um mundo novo,ir a luta para se viver em paz
Do poder da criação, sou continuação
E quero agradeçer
Foi ouvida a minha súplica
Mensageiro sou da música
O meu canto é uma missão
Tem força de oração,e eu cumpro o meu dever
Aos que vivem á chorar,eu vivo pra cantar
E canto pra viver.
Quanto eu canto, a morte me percorre
E eu solto,um canto da garganta
Que a cigarra quanto canta morre
E a madeira quando morre canta.

[video:https://www.youtube.com/watch?v=an8LExF-mQk
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora