Moro cai em contradição sobre uso da PF para atingir Intercept

Moro demonstrou que teve peso decisivo no modo como a PF lidou com o caso quando o vazamento veio à tona, mas agora sai pela tangente diante da informação de que Glenn Greenwald sofrerá uma devassa em suas contas

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – Durante audiência na Câmara dos Deputados nesta terça (2), o ex-juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça, caiu em contradição sobre o papel da Polícia Federal em ações contra o Intercept Brasil.

Primeiro, Moro disse que teve a “impressão” pessoal de que o Intercept ficou alarmando sobre ter material para 1 ano de cobertura porque queria “sofrer algum tipo de operação de busca e apreensão”.

O ministro disse que preferiu não consentir com qualquer ação ostensiva da Polícia Federal contra a equipe do site para evitar que ela possasse se “mártir” na imprensa.

Com isso, Moro demonstrou que teve peso decisivo no modo como a PF lidou com o caso quando o vazamento veio à tona.

Mas diante da informação do site Antagonista, de que a PF pediu ao Coaf um relatório completo das finanças de Gleen Greenwald, Moro afirmou que não tem papel nenhum na investigação da corporação, que toca o caso com “autonomia”. “Eu não dirijo essa operação”, disse o ministro.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora