Moro choca com parcialidade sobre Bolsonaro e por continuar acessando informações sigilosas, diz jornal

Para defender Bolsonaro do caixa 2 do PSL, Moro se queimou afirmando saber que as autoridades não desconfiam do presidente

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – Folha de S. Paulo destacou na edição desta segunda (7) que o ministro da Justiça Sergio Moro provocou “incredulidade” e “alarde” entre procuradores e juízes ao defender Jair Bolsonaro dos respingos de um inquérito sobre o laranjal do PSL. No domingo (6), o jornal revelou indícios de que o presidente foi beneficiado pelo caixa 2.

Moro, prontamente, escreveu nas redes sociais que “nem a PF e nem o Ministério Público, que atuam com independência, viram algo contra o presidente nesse inquérito”.

Segundo Painel “procuradores que atuaram na Lava Jato demonstraram incredulidade. Ministros de cortes superiores, alarde: o chefe da PF mostrou parcialidade, disse um integrante do STJ.”

Outra fonte ouvida pela coluna disse que Moro é um mero funcionário de Bolsonaro, que se esforça todo dia para mostra “lealdade” porque já percebeu que o chefe não lida bem com “divergência de opinião”.

Outro problema para Moro em sua manifestação na internet é que ele demonstrou que, mais uma vez, teve acesso a investigações que estão sob sigilo. A questão foi abordada por Folha em outra reportagem, sobre a PF sugerir um novo inquérito para apurar caixa 2 na campanha do ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio, que Bolsonaro tem blindado.

Mesmo sendo ministro da Justiça, a quem a Polícia Federal está subordinada, Moro não tem direito a informações privilegiadas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  GGN Covid SP: Em uma semana, ocupação de leitos na capital passa de 50% para 58%

3 comentários

  1. Querem ouvir uma teoria da conspiração?

    Com um pouco de imaginação podemos arrumar os fatos mais intrigantes que ocorreram no Brasil, na forma de uma teoria do fato com contornos conspiracionistas. De 2013 para cá, as teorias da conspiração deixaram de ser algo puramente imaginativo para se mostrar factíveis em muitos pontos.

    Já é um consenso de que a Lava Jato é uma interferência dos EUA no Brasil, e aos poucos vamos ficando sabendo dos mecanismos e dos detalhes da operação. A principal pergunta a ser feita, é até onde iriam esses agentes intervencionistas para obter o êxito da operação Lava Jato?

    Já é patente que o ministro Teori Zavascki era visto com desconfiança pelo Moro e pela República de Curitiba. Não dá para garantir, mas existem boas razões para acreditarmos que Teori poderia ter colocado um freio no Moro evitando assim, a condenação e posterior prisão do Lula.

    O ministro Teori morreu naquele “acidente” mal esclarecido no dia 19 de janeiro de 2017. No dia seguinte, tomou posse o presidente americano Donald Trump. Com isso já podemos afirmar que na hipótese de que o Teori foi assassinado por agentes intervencionistas, estes operaram sob as ordens dos democratas, ou mesmo do Deep State americano.

    Parece que Trump promove uma quebra de braço com as agências que compõe o Deep State, que também são conhecidas como Clinton Machine. Com as revelações que estão embasando o pedido de impeachment do Trump, está claro que ele utiliza a máquina do governo para atacar seus adversários políticos e mitigar o poder da Clinton Machine.

    Dentro desse contexto, não é difícil imaginar que a fonte das revelações da Vaza Jato pode ter vindo diretamente do staff do Trump. Reforçam essa hipótese o fato de que o milionário dono do The Intercepte, Pierre Omidyar teve encontros frequentes com Trump.

    Seria a vaza Jato um instrumento para o Trump revelar os abusos dos democratas no Brasil, às vésperas das eleições americanas?

    Com essa hipótese em mãos, podemos explicar porque o TIB sempre andou muito devagar com as revelações, parecendo esconder e deixar o mais impactante para próximos das eleições americanas.

    Se encaixa nessa alucinante narrativa, o fato de que o impeachment do Trump está baseado em delatores anônimos da CIA. Será esse processo uma resposta dos democratas e da Clinton Machine para a estratégia do Trump de desnudar os desmandos dos democratas?

    Coincidência ou não, depois que o pedido de impeachment do Trump foi aceito na câmara americana, não tivemos mais novas revelações significativas da vaza jato. A operação pode ter sido suspensa, ou então, estão acelerando em sigilo para antecipar as revelações que estavam programadas para só serem reveladas às vésperas do pleito americano.

    Quero deixar claro que tudo isso é uma arrumação imaginativa dos acontecimentos e que eu não possuo provas para embasar essa narrativa. De qualquer forma, o tempo dirá se isso é um punhado de besteiras, ou se estamos mesmos no meio de uma disputa de poder entre grupos antagônicos no seio do império americano.

    1
    1
  2. A moral deste senhor já se encontra demasiadamente (DE)formada: comete irregularidades em sua lida e lida irregularmente com seus cometimentos. Faz o mal para se promover e promove o mal para se fazer.

    2
    1

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome