Mostra Ademar Guerra enriquece Festival de Curitiba

 

Uma semana antes havia assistido um espetáculo fantástico com texto, cenário e direção de Roberto Innocente baseado em Jean Cocteau, A Máquina Infernal. Surrealista, o espetáculo mostra o mito de édipo como uma armadilha da máquina do mundo para destruir o homem, uma “máquina infernal” de movimentos insuspeitados para as vidas que ela envolve e vai esmagando lenta, súbita e desprevenidamente, como uma armadilha, segundo Innocente. Então, dificilmente eu seria novamente tocado por outro espetáculo sem a mesma qualidade. Uma história tão bem contada que continuo refletindo sobre ela.

 

Cena de A Máquina Infernal, de Roberto Innocente

 

 

Convidado pelo mesmo  Roberto Innocente, que é um dos curadores da Mostra de Teatro Ademar Guerra, fui assistir Cordel do amor sem fim, do original de Cláudia Barral, com o grupo Atores em Conserva orientados pelo grupo Os Geraldos (grupo orienta grupo). O espetáculo conta uma história comum, com vertente da cultura popular nordesdina, um cordel, como diz o tema, com excelentes atores e músicos no palco do Teatro Experimental da Universidade Federal do Paraná.

A peça conta a vida de três mulheres sertanejas, as diferentes formas de amar e a submissão ao tempo, uma história cheia de lamento, desejo e gracejo que trás consigo a magia do povo sertanejo.

 

A mostra enriquece o Festival de Teatro de Curitiba (26 de março a 6 de abril), que este ano conta ainda com uma mostra baiana sob a curadoria de Lázaro Ramos. 

 

Cordel do Amor sem fim

 

Projeto Ademar Guerra leva espetáculos para o Festival de Teatro de Curitiba

Histórias lá da serra, da Mostra Ademar Guerra

 

 

Projeto Ademar Guerra – programa da Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo, gerenciado pela POIESIS Instituto de Apoio à Cultura, à Língua e à Literatura – foi convidado para participar da edição deste ano do Festival de Teatro de Curitiba. Oito grupos orientados pelo Projeto nas edições de 2011, 2012 e 2013 participarão da Mostra Ademar Guerra, que acontecerá dentro da programação do “Fringe” no período de 27/3 a 6/4

 

Leia também:  Começa debate sobre o que o Congresso pode fazer por prisão em 2ª instância

Com a curadoria artística do diretor teatral Sérgio Ferrara, os espetáculos mostram uma síntese da diversidade artística do projeto, dentro do seguinte conceito:

 

Os espetáculos Um Pequeno Animal Selvagem (São José do Rio Preto), Angustia (Presidente Prudente) e O arquiteto e o imperador da Assíria (São José dos Campos) representam a vertente da “Dramaturgia” – grupos que trabalham com fonte dramatúrgica já estabelecida, mesmo que adaptada, contemplando autores como Zeno Wilde, Fernando Arrabal e o autor clássico russo Antón Tchekhov, adaptado pelo dramaturgo e orientador do Projeto Cássio Pires.

 

Quadrado (São José do Rio Preto) e Casa de Bonecas (Presidente Prudente) representam a vertente Pesquisas de Linguagem, espetáculos que dão margem a experimentações, possibilidades de encenação, formatos de dramaturgia, até a recepção do espectador, de forma inovadora.

 

Histórias Lá da Serra (Botucatu) representa os grupos que contaram com a colaboração artística dos estagiários em teatro e o espetáculo Cordel do Amor Sem Fim (Tatuí), grupo orienta grupo, a nova modalidade de orientação desenvolvida pelo grupo Os Geraldos. Ambos espetáculos são encenados por adolescentes e suas temáticas, ligadas à cultura popular, ao lúdico, à memória e também voltada à crítica sobre nosso tempo.

 

O Espetáculo Auto da Barca (Batatais) representa os grupos com que trabalham com Pesquisas para Teatro de Rua, que geralmente transitam entre essa linguagem teatral e as vertentes do teatro Popular.

 

Sobre o Projeto Ademar Guerra

 

O Projeto Ademar Guerra foi criado em 1997 pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo com o objetivo de propiciar orientação artística a grupos teatrais em atividade no interior e litoral do Estado. Os artistas-orientadores atuam junto aos grupos selecionados, acompanhando seus projetos de pesquisa e montagem de espetáculos.

Leia também:  Moro tem aval de Bolsonaro para agir contra liberdade de Lula

 

Projeto Ademar Guerra tem a Curadoria Artística do diretor teatral Sérgio Ferrara, que trabalhou com grandes atores como Paulo Autran, Raul Cortez, Eliane Giardini e Rosi Campos, além de grandes dramaturgos como Maria Adelaide Amaral, Mário Bortolotto. Com Plínio Marcos, trabalhou no Teatro de Arena. Por sua direção do espetáculo Pobre Super-Homem, de Brad Fraser, ganhou o Prêmio APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) de melhor diretor.

A Coordenação Geral é de Aldo Valentim, consultor e pesquisador em gestão e políticas públicas. É Gerente do Programa de Qualificação em Artes das Oficinas Culturais do Estado. Atualmente também ministra aulas de Políticas Públicas na Pós-Graduação em Gestão Cultural do Centro Universitário SENAC. Tem 15 anos de experiência na área de gestão cultural. Coordenou o Projeto Ademar Guerra de 2003 a 2006.

 

SOBRE ADEMAR GUERRA

 

Um dos mais influentes diretores teatrais da geração formada a partir da década de 1950 com a formação e a profissionalização trazida pelo TBC. Dirigiu alguns dos espetáculos que marcaram a grande fase do teatro brasileiro na década de 1960, como “Oh, que delícia de guerra“, “Marat/Sade” e “Hair“.

Artista multimídia, Ademar Guerra também deixou sua marca na televisão, com “Vila Sésamo“, os teleteatros nas TVs Excelsior e Cultura, os especiais na Globo; na música com “Momento 68“; na Ópera “Cosi Fan Tutte” de Mozart; e na dança como um dos principais colaboradores do Ballet Stagiu.

Quando em 1964, a Secretaria de Estado da Cultura realizou seu primeiro projeto de monitoramento profissional dirigido a grupos amadores no interior do Estado de São Paulo, Ademar Guerra foi orientador de grupo na cidade de Santo André e com eles montou “Gente como a gente” de Roberto Freire. Estava assim, mesmo sem saber, lançando a semente do que viria a ser o Projeto Ademar Guerra.

Leia também:  Bolsonaro derruba verba publicitária da Globo, privilegiando Record e SBT

 

Programação:

 

27/03 – 15h – Abertura da Mostra Ademar Guerra-Mesa redonda 
27/03 – 17h – Um Pequeno Animal Selvagem
20h – Cordel do Amor Sem Fim

 

28/03 – 15h – Cordel do Amor Sem Fim 
17h – Um Pequeno Animal Selvagem 
20h – Cordel do Amor Sem Fim

 

29/03- 17h – Um Pequeno Animal Selvagem 
20h – Histórias lá da Serra

 

30/03- 17h – Um Pequeno Animal Selvagem 
20h – Histórias lá da Serra

 

02/04- 17h – Quadrado

 

03/04- 15h – Quadrado
17h – Quadrado

 

04/04- 17h – O Arquiteto e o Imperador da Síria


Serviço

Mostra de Teatro do Projeto Ademar Guerra no Festival de Teatro de Curitiba
De 27/3 a 6/04 – Teatro Experimental da UFPR
Endereço: Praça Santos Andrade, 50 – Centro – Curitiba
Informações no site: festivaldecuritiba.com.br/fringe?mostra=Mostra%20Ademar%20Guerra

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome