Mourão diz que próximo ministro do MEC deve dominar conhecimentos sobre educação

Entretanto, general afirmou que Jair Bolsonaro (sem partido) pode escolher alguém na contramão de sua aposta

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Jornal GGN – O vice-presidente, general Hamilton Mourão, defendeu que o próximo ministro da Educação tenha conhecimentos em gestão e sistema educacional, mas afirmou que Jair Bolsonaro (sem partido) pode escolher alguém na contramão de sua aposta. 

À Época, o general explicou que o Ministério da Educação (MEC) precisa de um perfil que combine gestão pública e conhecimentos do setor de educação “mesmo que seja um olavista”, em referência aos seguidores do guro de Bolsonaro, Olavo de Carvalho.   

“Tem que ser alguém que junte a capacidade com gestor, com experiência de gestor, porque nós precisamos de gestor, com o conhecimento do sistema educacional. Então não pode ser só gestor, não pode ser só educador. Ele tem que alinhar as duas características. Mesmo que seja um olavista”.  

Entretanto, Mourão esclarece que talvez Bolsonaro não siga o seu conselho. “Mas eu não sei se vai ser escolhido aí nesse grupo, nessa lógica. Acho que talvez o presidente parta para outra lógica.”

Ainda, de acordo com o general a escolha é complexa porque “é um ministério complicado, um ministério que maneja uma quantidade significativa de recurso”. 

Olavista declarado, o ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, teve sua a exoneração assinada pelo líder do Executivo neste sábado e viajou para os Estados Unidos, temendo ser preso e a fim de assumir uma diretoria do Banco Mundial.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

10 comentários

  1. Esse ataque de sinceridade no Mourão só confirma uma coisa: o boçal é um cafajeste que foi eleito, com ele Mourão, que já sabia quem eram as bestas, só para destruir mesmo, assim como acontece no ministério da saúde, onde outro energúmeno em matéria de saúde foi colocado lá para destruir o SUS. E até poderíamos dizer que outros ministérios têm lá idiotas devidamente colocados para a finalidade de destruir. E é de abismar que nem safados nas direções do congresso, nem nas direções da justiça brasileira se toquem que governante para destruir só pode estar lá praticando crime de lesa pátria, torrando dinheiro público sem que legislativo e judiciário tomem vergonha na cara e tirem as bestas do poder a chutes nas bundas sujas…. só menos sujas que suas consciências. E finalmente, os eleitores destas bestas escondem suas caras de ignorantes ou hipócritas ou cafajestes mesmo mas deviam, eles sim, fazer mea culpa e admitirem que o ÚNICO PARTIDO QUE GOVERNOU EFETIVAMENTE PARA O BEM DO BRASIL E DE SEU POVO FOI O PT. PONTO….O RESTO É SÓ MERDAS COMO FHC, TEMER E OS MILITARES QUE JULGAM-SE ACIMA DE TODOS…..UNS VERDADEIROS, ESTES SIM, CAFAJESTES, QUE SABIAM QUEM ERA O BOÇAL E O ESCUDARAM PARA QUE DESTRUÍSSE A PÁTRIA QUE OS HIPÓCRITAS DIZEM AMAR.

  2. Generais de caras de pau. E cínicos, profundamente cínicos.

    O Renato Janine chamou a atenção para a coluna do Ascânio Seleme hoje, no Globo: “Ascanio Selene, no Globo de hoje, não dá mais nada por Bolsonaro. Diz que seus generais, que engoliram tudo e mais alguma coisa, não aceitam o pacote indigesto das últimas revelações (o caso Queiroz).”

    O que chamou a atenção foi “…pacote indigesto das últimas revelações (o caso Queiroz)”. Como não sou e nem pretendo ser assinante, não consegui acessar a íntegra. Mas achei um site que publicou na íntegra, a Fundação Astrojildo Pereira. A coluna trata, de ponta a ponta, do isolamento cada vez maior de Bolsonaro, com fartos exemplos. A ela. Trechos:

    1) “…Bolsonaro não tem com quem contar. Nem com os seus generais.”;
    2) Bolsonaro perdeu esta semana a cumplicidade dos generais do Palácio. Embora continuem no governo, dando suporte administrativo ao presidente, Heleno, Braga e Ramos não topam defender os malfeitos dos filhos. A prisão de Fabrício Queiroz disparou o alarme. O caso é grave e tem desdobramentos que podem chegar ao presidente, embora legalmente ele seja inalcançável. Mesmo que ele e sua mulher sejam incriminados em razão do dinheiro que Queiroz depositou na conta de Michelle, o crime terá sido cometido fora do mandato e Bolsonaro só terá de se explicar à Justiça depois de terminado o seu mandato. Ainda assim, os generais preferem não se misturar com essa bagunça.

    Pergunto: Só agora que os generais preferem não se misturar com essa bagunça? Não sabiam, os inocentes? Não tiveram acesso ao processo de expulsão do então tenente, comutado para transferência para a reserva remunerada? Não têm acesso à ABIN, os ingênuos?

    O que está incomodando os generais não é o caso Queiroz, isso eles sempre souberam, que ninguém tenha a candura de achar que eles não sabiam, o que incomoda é que VEIO A PÚBLICO, e isso está expondo os generais.

    O caso Queiroz é pinto perto do que ainda VAI emergir. E isso está incomodando mesmo, porque todos eles sabem o que AINDA está submerso.

    Cínicos, profundamente cínicos.

    Aqui a íntegra da coluna do Ascânio Seleme, vale a pena:
    http://www.fundacaoastrojildo.com.br/2015/2020/06/20/ascanio-seleme-um-homem-cada-vez-mais-so/

  3. Segundo o vixe(com x): “…Então não pode ser só gestor, não pode ser só educador. Ele tem que alinhar as duas características. Mesmo que seja um olavista”.
    A ultima frase anula a expectativa do “vixe”. Se é cria do astrólogo certamente é uma ameba, incapaz de exercer alguma gestão e muito menos ainda educar.

  4. Quanto a afirmação de Mourão:
    Quero ver ele achar dentro dessa direita bolsonarista alguém que entenda de educação.
    Esse povo foge de livros como o diabo da cruz.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome