Mourão minimiza fala de Bolsonaro sobre uso de ‘pólvora’ contra EUA

Para vice-presidente, presidente utilizou um ‘aforismo antigo’ e pronunciamento não afeta negativamente relacionamento entre os países

Hamilton Mourão, vice-presidente da República. Foto: Reprodução

Jornal GGN – O vice-presidente Hamilton Mourão tratou de colocar panos quentes após o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira, quando mencionou o uso de “pólvora” para proteger a Amazônia.

“Acho que ele se referiu a um aforismo antigo que diz que quando acaba a diplomacia entram os canhões, foi isso que ele se referiu”, afirmou na chegada à vice-presidência, segundo o jornal O Estado de São Paulo.

Embora não tenha entrado em detalhes sobre o discurso presidencial, Mourão diz que a fala de Bolsonaro não deve trazer consequências às relações mantidas entre Brasil e Estados Unidos.

Ontem, em evento no Palácio do Planalto, Bolsonaro afirmou que “quando acaba a saliva tem que ter pólvora”, referindo-se a possíveis sanções norte-americanas ao Brasil se o desmatamento na Amazônia não for controlado, sem fazer referência direta a Joe Biden.

“Assistimos há pouco um grande candidato à chefia de Estado dizendo que, se eu não apagar o fogo da Amazônia, ele vai levantar barreiras comerciais contra o Brasil. E como é que podemos fazer frente a tudo isso? Apenas pela diplomacia não dá”, disse Bolsonaro. O Brasil é um dos poucos países que não se pronunciou sobre a vitória do candidato democrata na disputa das eleições norte-americanas, por aguardar as ações judiciais movidas pelo atual presidente, o republicano Donald Trump.

 

 

Leia Também
Embaixador dos EUA exalta destacamento militar dos EUA, após fala de Bolsonaro
Bolsonaro diz que “tem que ter pólvora” contra EUA sob gestão de Biden
O futuro de Bolsonaro sem Trump, por Oliver Stuenkel

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora