Mulher expulsa por Bolsonaro é militante do MBL

Ato em Brasília foi combinado por grupo de oposição ao governo, que já afirmou que novas ações nesse sentido serão realizadas

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A pessoa expulsa pelo presidente Jair Bolsonaro depois de questioná-lo sobre as 38 mil vítimas fatais pela covid-19 se chama Cristiane Bernart, e é militante do Movimento Brasil Livre (MBL), que agora faz oposição ao governo.

Em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, Cristiane afirmou que a ação foi feita de propósito e que iniciativas nesse sentido continuarão a ser adotadas, como forma de pressionar pelo impeachment de Bolsonaro. O ato político foi confirmado pelo deputado Kim Kataguiri (DEM-SP).

“A ideia do MBL é continuar questionando o presidente e fazer outras ações, como o panelaço que será feito hoje, às 19h”, disse Bernart. “Eu quis puxar um ato para que as pessoas não tenham medo de cobrar o presidente por ser o presidente. Ele é nosso funcionário e tem obrigação de dar explicações”, justificou.

Formada em Letras, Bernart também diz ser atriz e atualmente trabalha como assessora do vereador Fernando Holiday (Patriota-SP), mas disse que pediu licença não remunerada para ir até Brasília e que pagou pelos custos da viagem.

 

Leia Também
Brasil continua líder em mortes diárias por Covid-19
País precisa ampliar e garantir programas sociais, sem retroceder, por Rita Serrano
Região Norte é o caso mais preocupante de Covid-19 no Brasil, comprova estudo
A vida pregressa de Sergio Moro: saiba como ajudar o projeto do GGN

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

4 comentários

  1. Essa $ujeita concordava apenas COM 30 mil mortes.

    Então essa Gojoba votou nesse ogro para presidente do Brasil?

    Ela é burra e desinformada e não sabia que:

    “Através do voto você não vai mudar nada nesse país, nada, absolutamente nada! Só vai mudar, infelizmente, se um dia nós partirmos para uma guerra civil aqui dentro, e fazendo o trabalho que o regime militar não fez: MATANDO UNS 30 MIL, começando com o FHC, não deixar para fora não, matando! Se vai morrer alguns inocentes, tudo bem, tudo quanto é guerra morre inocente”.

  2. Ditadura e inteligência não combinam mesmo.
    O bozo poderia ter respondido com educação à sua eleitora mas, por não saber o que responder, enxotou-a.
    A ignorância não suporta confronto.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome