“Não poste tela preta, poste conteúdo de pessoas negras” (#BlackOutTuesday)

"Não é postando um quadrado preto no seu feed que você está ajudando. Pelo contrário, você está atrapalhando porque está fazendo com que o algoritmo mostre só os quadrados pretos ao invés de mostrar informação relevante"

Jornal GGN – As redes sociais nesta terça-feira (2) foram inundadas por postagem que incluem a imagem de um quadrado preto acompanhada da hashtag “BlackOutTuesday”.

O “apagão” tem sido usado por marcas, artistas, autoridades, pessoas públicas e anônimos para demonstrar apoio à luta antirracista, na esteira dos protestos que ocorrem nos Estados Unidos por conta da morte de George Floyd, assassinado numa operação policial.

Aqui no Brasil, ativistas negros alertam que o uso da hashtag associado à imagem do quadrado preto está atrapalhando a causa. Para a ativista Erika Hilton, co-deputada estadual em São Paulo, eleita pela Bancada Ativista, o apagão é “interessante” mas precisa de correção.

“Não postem tela preta pois todos os dias o racismo já nos paga e nos invisibiliza. Poste conteúdo de pessoas negras e deem espaço, voz e visibilidade às produções do movimento negro que é tão potente e invisibilizado por conta do racismo estrutural”, apelou.

“O movimento negro não é singular, mas é plural, tendo mulheres, homens, jovens, idosos, LGBTs, que precisam que você, pessoa branca, ceda seu espaço de visibilidade para repostar arte, cultura, intelectualidade e vozes do movimento negro”, sugeriu Erika.

No Instagram, o perfil @bingo_sem_b explicou que a ação surgiu a partir do apelo de negros para que pessoas brancas cedam seus espaços digitais àqueles que realmente têm “lugar de fala” na questão racial. Mas a ação acabou sendo deturpada e, consequentemente, tem abafado as postagens que interessam ao movimento.

“Não é postando um quadrado preto no meio do seu feed que você está ajudando. Pelo contrário, você está atrapalhando porque está fazendo com que o algoritmo mostre só os quadrados pretos ao invés de mostrar os posts de quem está fazendo informação relevante para quem está buscando”, explicou.

No Twitter, usuários usam a hashtag convergindo com o sentido original do movimento.

Outro exemplo é a thread abaixo, que faz uma viagem no tempo para conferir a biografia de personalidades negras que mudaram o mundo:

 

 

Esse site reúne diversas ações para ajudar na luta antirracismo. É possível conferir as petições em discussão e até descobrir os locais onde ocorrerão os próximos protestos pelo Brasil: https://vidasnegrasimportam.carrd.co/

>>> O GGN prepara um dossiê sobre o passado de Sergio Moro. Saiba como ajudar aqui. <<<

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Com todo o respeito ao movimento negro, o dia de hoje não foi sobre postar conteúdos diversos sobre o movimento e dar voz a todo tipo de manifestação de pessoas negras. Essa é uma causa legítima e deve ser perseguida todos os outros dias, mas o dia de hoje foi sobre externar a extrema revolta com a morte cruel de Floyd. Foi um desabafo, e esse desabafo não poderia ser feito com conteúdos difusos e diversos. Mesmo como homem branco, a raiva e a revolta que senti foram tão grandes que eu não poderia expressar isso simplesmente postando uma referência aleatória a um conteúdo não diretamente relacionado. Assim como os manifestantes que estão quebrando tudo nos EUA há dias não poderiam expressar sua dor e revolta através de eventos culturais genéricos. Marquemos esse momento e olhemos as outras questões em seguida.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome