NO COVIL DOS LEÕES

A televisão descobriu o Reality Show e, por isso, sempre inventa uma nova forma de apresentar situações que, supostamente venham a ser reais, para mostrar algum ponto mais profundo da alma humana, como o programa 30 dias, da televisão norte-americana. São cinco vídeos com, no máximo, 9 minutos cada um e você pode assistir o primeiro deles abaixo. Sugiro que assista a todos os outros vídeos no Youtube, denominados “Uma atéia entre cristãos”. Vale a pena. 

 

Uma atéia entre os crentes

Uma atéia entre os crentes.

Foi numa comunidade do Orkut, chamada Documentários, que encontrei o link para esse programa, no estilo acima citado, em que uma mulher norte-americana, casada e mãe de quatro filhos, uma representante da classe média e atéia, passa 30 dias em companhia de uma família, também de classe média, mas que é extremamente religiosa. Portanto, foi interessante ver algumas maneiras de ser de ambos os lados como, por exemplo, uma certa incompreensão por parte dos que seguem, como dizem, a Bíblia sem pestanejar, em relação aos ateus. Há até uma associação norte-americana de ateus, que luta por seus direitos. 

Segundo uma pesquisa, os ateus, são os mais rejeitados na sociedade norte-americana. Estão abaixo de qualquer outra minoria que vocês possam imaginar que sofram discriminação.

Há um debate sobre a evangelização ou não do Estado por lá. Segundo a Constituição deles, o Estado é separado da Igreja, como aqui no Brasil desde a Proclamação da República. Portanto, essa idéia de espalhar monumentos com os dez mandamentos em áreas públicas está dando panos pra manga e alguns bate-bocas. 

Também foi interessante ver como um grupo de estudo da Bíblia recebeu essa senhora. Percebam as caras e bocas que eles fazem. Ao mesmo tempo, a família religiosa foi ao encontro de um grupo de ateus e ver como o marido religioso é um cara que nem sempre acata idéias que não sejam as que não estão no “livro”.

Explico o motivo do uso do termo Crente, para diferenciar aqueles que seguem a religião de base judaico-cristã, dos ateus. A própria etimologia da palavra ateu traz o sentido da negação, que envolve a não crença num deus. O que reflito agora, após ver as primeiras cenas do documentário, Uma atéia entre Cristãos, é o uso da palavra cristão, feito por aqueles que são, na verdade, uma corrente do cristianismo e não os possuidores das verdades dessa vertente da religião judaica, se é que há alguma verdade absoluta. Seria, portanto, uma auto-afirmação como quem diz, “eu sou o verdadeiro”. Assim, nos EUA, e isso já chegou aqui, os outros recebem, no máximo, a denominação de católicos, no caso dos EUA, constituindo uma mudança de ótica. Resumindo: os católicos, agora, são os protestantes de outrora, em termos de percepção filosófica. Essa forma de usar a etimologia é poderosíssima, pois cria entre os seguidores de uma ou outra filosofia religiosa, o sentido de que “o certo sou eu” e você é o “infiel”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora