No encerramento da Bienal, UNE define diretrizes do movimento estudantil

Plenária final estabelece rumos do movimento estudantil durante o governo Bolsonaro, com o objetivo de compor a unidade dos setores progressistas

Em onze pontos, estudantes defenderam diversas pautas de luta, como a educação pública, a liberdade de pensamento, a soberania nacional e a batalha contras as reformas de Bolsonaro | Foto: Matheus Alves/Cuca da UNE
da Rede Brasil Atual 
No encerramento da Bienal, UNE define diretrizes do movimento estudantil
por Felipe Mascari, da RBA 

Plenária final estabelece rumos do movimento estudantil durante o governo Bolsonaro, com o objetivo de compor a unidade dos setores progressistas

Salvador – Com diversas bandeiras empunhadas e um coro único: “Vai avançar a unidade popular”. Foi assim que a 11ª Bienal da União Nacional dos Estudantes (UNE) se encerrou, neste domingo (10), em Salvador. A plenária final divulgou uma carta unificada com as diretrizes para as lutas do movimento estudantil para o enfrentamento dos retrocessos promovidos pelo governo Bolsonaro, com um objetivo principal: a união do setor progressista.

Aprovada pelos quase cinco mil estudantes presentes à assembleia, o texto convoca todos os jovens a ocupar as ruas em defesa da democracia e pela manutenção e avanço de políticas que promovam o acesso irrestrito à educação de qualidade. De acordo com os estudantes, a eleição de Bolsonaro dá ao momento estudantil brasileiro uma ampla responsabilidade de compor a frente pela construção uma unidade na esquerda. “A tarefa da nossa geração é ampliar o diálogo, amparar as divergências e fortalecer a organização em torno da defesa de nossa soberania, os direitos sociais e a democracia”, diz a carta, assinada conjuntamente pela UNE, a União Brasileira de Estudantes Secundaristas (Ubes) e a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG).

Em 11 pontos, o documento consagra a unidade dos movimentos progressistas, defende a educação pública, a liberdade de pensamento e a autonomia universitária, a soberania nacional, a luta contra as “reformas” da Previdência e trabalhista, além do restabelecimento das garantias constitucionais e democráticas, a defesa dos direitos sociais, e a luta contra prisões políticas.

Leia também:  Clipping do dia

Lida em conjunto, os estudantes reivindicam que seja cumprido o Plano Nacional de Educação (PNE) e a destinação de 10% do PIB para o setor, além da manutenção das políticas de cotas como forma de democratizar o acesso à universidade. “Defendemos (a aplicação de receitas da exploração do) pré-sal para o setor educacional, garantindo o orçamento para nós e o fim da Emenda Constitucional 55, que congelou os gastos públicos por 20 anos. Queremos o fomento à pesquisa e as bolsas de pós-graduação”, afirmou o movimento, na leitura da carta.

O texto ainda aponta preocupação com a fragilidade da democracia brasileira e apologia à volta da ditadura e defenderam o direito de livre associação e manifestação dos cidadãos. “Consideramos a prisão de Lula arbitrária. Exigimos justiça para Marielle Franco e Anderson. Lamentamos que Jean Wyllys não tenha tomado posse para seu mandato, eleito democraticamente por voto popular, e exigimos saber quem o ameaça. A possível CPI da UNE é a criminalização do movimento estudantil”, acrescentaram os jovens.

Homenagem 

A cerimônia de encerramento não contou só com protestos, mas também revisitou a memória da UNE. Logo no começo, foi realizado um ato para homenagear Ruy Cesar Costa, responsável pelo congresso da UNE de 1979, em Salvador, exatos 40 anos atrás, durante a ditadura civil-militar. O evento ocorreu após 15 anos em que o movimento se mantinha na clandestinidade e era perseguido pelo governo.

Uma carta também foi lida em sua memória. Os estudantes relataram saudade e se disseram inspirados pela luta do antigo companheiro. “Viemos à Bahia para dizer que nunca vamos desistir. Quem nos persegue hoje, é quem se acovarda nos coturnos da ditadura e se esconde na mordaça. Quem nos persegue hoje é quem conteve os brilhos do seus olhos em 1979. Rui Cezar Costa, presente”.

Leia também:  Brasil está parado sob o governo Bolsonaro, diz Miriam Leitão
Homenageado, Milton Guran (à esquerda) foi o único fotógrafo com registros do Congresso da UNE de 1979, que reconstruiu o movimento estudantil | Foto: Matheus Alves/Cuca da UNE
O passado presente

Outros líderes da UNE também foram homenageados. Estiveram na plenária final os ex-presidentes Javier Alfaya (1981-1982), Ricardo Capielli (1999-2000) e Carina Vitral, além do fotógrafo Milton Guran, que registrou imagens do congresso de 1979. Javier contou que foi ameaçado de expulsão da UNE, durante a ditadura, porque nasceu na Espanha e veio cedo ao Brasil. Ele falou sobre a importância do evento que construiu a entidade há 40 anos.

“Para todos nos que fizemos parte da luta estudantil, é emocionante ver a continuidade da luta por parte das novas gerações, que tem a tarefa de combater o governo reacionário de Bolsonaro. Esse momento exige da sociedade civil brasileira uma ideia de que a unidade precisa ser construída. Na época vieram 11 mil jovens para reconstruir o movimento, com o abraço da sociedade civil. O congresso da época foi emocionante, com solidez e combatividade”, relembrou.

Já Ricardo foi o organizador da 1ª Bienal da UNE, em 1999, também na capital baiana.  Aquela edição contou com a participação do líder da revolução cubana, Fidel Castro. “Volto a Salvador, quando demos um passo importante para retomarmos encontro da UNE com a cultura nacional popular do país. O objetivo do primeiro evento era deixar a semente para outras bienais, agora, esse movimento cresceu e reverbera pelo país inteiro”, celebrou.

Por fim, Guran também falou sobre o congresso de 1979, na qual é responsável pelas únicas fotos sobreviventes da época. “Estávamos reorganizando o campo popular do Brasil. Fui o único fotografo que cobriu todo o congresso. Para vocês terem ideia, só 54 sobrevieram, porque jogaram fogo na Agência Imprensa Livre”, relatou. “Ninguém me disse, mas hoje eu sei. A universidade acaba, o tempo de estudante acaba, mas a UNE nunca sai de nós”, finalizou.

1 comentário

  1. Diretriz: “união do setor progressista”. E a homenagem a ACM? E o convite a Ciro Gomes para palestrar na Bienal? E a participação de diversos direitistas retrógradas no evento, com a benevolência da direção da UNE?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome