No NY Times: o feminismo radical da América Latina está se espalhando

“Un Violador en tu Camino” foi apresentado pela primeira vez em frente a uma delegacia por um pequeno grupo durante um protesto em Valparaíso, em 20 de novembro.

 

O feminismo radical da América Latina está se espalhando

NYTimes.com por Vanessa Barbara

SÃO PAULO, Brasil – Durante o processo de seleção do júri para o julgamento criminal de Harvey Weinstein neste mês, dezenas de mulheres se reuniram do lado de fora de um tribunal de Manhattan para apresentar uma versão da dança / canto conhecida como “Un Violador en tu Camino”, ou “A Rapist in Seu caminho.”Primeiro em espanhol, depois em inglês, eles cantaram: “O patriarcado é nosso juiz que nos aprisiona no nascimento / e nosso castigo é a violência que você não vê”.

Essa performance, que rapidamente se tornou viral, foi criada no ano passado pelo coletivo feminista Lastesis, de Valparaíso, e é baseada no trabalho da antropóloga argentina-brasileira Rita Segato. A letra descreve como o Estado defende violações sistemáticas dos direitos das mulheres, através de instituições como o judiciário e a polícia. Não é apenas o fato de os membros dessas instituições simplesmente desconsiderarem as denúncias – olhando para o outro lado, duvidando das vítimas -, mas eles geralmente são os próprios autores. “Esse estado opressivo é um estuprador machista”, continua o cântico.

“Un Violador en tu Camino” foi apresentado pela primeira vez em frente a uma delegacia por um pequeno grupo durante um protesto em Valparaíso, em 20 de novembro. Depois foi repetido cinco dias depois na capital Santiago por centenas de ativistas no Dia Internacional da Criança. a eliminação da violência contra as mulheres. No início de dezembro, um grupo de milhares cantou o hino junto ao Estádio Nacional de Santiago , que era um centro de detenção e tortura durante a ditadura militar do Chile. (Em um verso, a música menciona o “desaparecimento” das mulheres.)

A partir daí, se espalhou por todo o mundo: Londres, Berlim, Paris, Madri, Barcelona, ​​Tel Aviv, Nova Délhi, Tóquio, Beirute, Istambul, Cidade do México, Caracas, Lima, Buenos Aires, entre outros lugares. Em Manhattan, de acordo com a Associated Press, causou “uma comoção tão alta que pôde ser ouvida em um tribunal do 15º andar”.

A dança coreografada começa com uma batida de tambor, enquanto as mulheres fazem um movimento lateral e batem o ritmo com os pés. Muitos versículos falam universalmente sobre a violência contra as mulheres: mencionam estupro, feminicídio, impunidade para os assassinos. “E não é minha culpa, não onde eu estava, não como me vesti”, eles gritam, como se rejeitassem coletivamente as mesmas velhas formas de culpar as vítimas.

Leia também:  O mundo na contramão de Bolsonaro: mais medidas da economia de guerra [TV GGN]

Mas o desempenho também carrega elementos locais fortes que podem passar despercebidos pelo público em geral. Um verso cita sarcasticamente o hino da polícia chilena, palavra por palavra: “Durma calmamente, garota inocente / Sem se preocupar com o bandido, / Sobre seus sonhos, sorridente e doce, / assista sua amada polícia.” O título, “Um estuprador em seu caminho, ”Também é uma apropriação irônica de um antigo slogan usado pela polícia nacional,“ um amigo no seu caminho ”.

A apresentação também faz referências ao abuso policial no Chile e, por extensão, nos países vizinhos. Parte da coreografia inclui agachamento, mãos atrás da cabeça, um procedimento de busca comum ainda realizado em muitos países da América Latina: policiais e guardas prisionais geralmente forçam as mulheres – às vezes até crianças – a se agacharem nuas, a fim de fazer uma cavidade corporal. procurar.

Os ativistas usam uma venda de renda preta como um símbolo das maneiras muitas vezes invisíveis de tornar as mulheres vulneráveis, mas também como um aceno para as centenas de pessoas que foram parcialmente cegas pela polícia chilena nos últimos três meses, em meio a protestos em andamento. (Desde o início das manifestações, o Instituto Nacional de Direitos Humanos do Chile entrou com 1.080 ações judiciais contra o Estado , 770 por alegações de tortura e tratamento desumano e 158 por abuso sexual, incluindo quatro estupros .)

Nos países latino-americanos, as mulheres que tocam a música também usam pañuelos verdes – os lenços verdes que simbolizam a campanha pelo aborto legal.(O uso de lenços verdes como emblema dos direitos ao aborto deriva dos lenços brancos carregados pelas Madres de Plaza de Mayo, cujos filhos desapareceram durante a ditadura militar da Argentina.)

Leia também:  Após discurso de Bolsonaro, prefeitos reafirmam autonomia sobre medidas de proteção contra coronavírus

Mas “Un Violador en tu Camino” é muito mais do que suas especificidades latino-americanas. É por isso que se espalhou tão longe e tão rapidamente. Ele fala sobre algo que é verdade em muitos países – não apenas no Chile, Argentina ou Brasil. “O estuprador é você”, repetem as mulheres aqui e em todos os lugares, apontando para um tribunal, para a sede da polícia ou para o palácio presidencial. Eles significam que as violações contra as mulheres não são eventos isolados, não apenas ligados a relações interpessoais, mas essencialmente políticos. Os ativistas apontam o dedo para instituições que facilitam a violência de gênero desumanizando sistematicamente as mulheres e promovendo ideologias para mantê-las sob controle.

Para provar que essa é realmente uma questão política global, olhe para a Turquia, onde a polícia interrompeu uma apresentação da música em Istambul e confiscou o megafone dos ativistas. Seis mulheres foram presas por insultar o presidente e degradar as instituições do estado. Em um incidente separado, os tribunais emitiram mandados de prisão para 25 mulheres que protestaram em Izmir, enquanto outras nove foram detidas. “A Turquia se tornou o único país onde é preciso ter imunidade para organizar esse protesto”, disse a parlamentar Sera Kadigil, enquanto ela e outros colegas realizavam uma versão do protesto no parlamento.

Não é de surpreender que as representantes femininas representem apenas 17% do parlamento turco e 11,8% das posições ministeriais. O país ocupa a 130ª posição entre 153 países no Relatório Global de Gap de Gênero do Fórum Econômico Mundial para 2020.

Aqui no Brasil, enfrentamos estatísticas igualmente deprimentes. Os ativistas aqui acrescentaram alguns versos às letras de “Un Violador”, dizendo: “ Marielle está presente. O assassino dela é amigo do nosso presidente. ”Referem-se a MarielleFranco, membro do Conselho da Cidade brasileiro que foi assassinado em 2018, e ao fato de o presidente Jair Bolsonaro ter laços com os dois suspeitos do assassinato. (A investigação está em andamento.) No Brasil, as mulheres ocupam 15% dos assentos da câmara baixa e 9% dos cargos ministeriais.

Leia também:  Fora de Pauta

“São os policiais. São os juízes. É o sistema. É o presidente. O estuprador é você.

De acordo com o Relatório Global de Gap de Gênero de 2020, a maior disparidade de gênero no mundo ainda se encontra na esfera do empoderamento político. Ouso dizer que é onde tudo começa. Apenas 25% dos 35.127 assentos parlamentares globais são ocupados por mulheres, número que cai para apenas 21% no nível ministerial. Em nove dos 153 países examinados pelo fórum , as mulheres não estão representadas. Nos últimos 50 anos, 85 países não tiveram chefe de estado feminina.

Não é de admirar que as mulheres do Chile, onde a música foi criada, estejam exigindo paridade de gênero para uma próxima convenção constitucional. Não haverá justiça para as mulheres enquanto formos mantidos fora do processo político. Não haverá nenhuma esperança de igualdade. Os estupradores continuarão enquanto a maioria de nós estiver impotente diante de tribunais, delegacias e palácios presidenciais, apontando furiosamente para eles, sem sucesso.

O Times está comprometido em publicar uma diversidade de cartas ao editor.Gostaríamos de ouvir o que você pensa sobre este ou qualquer um de nossos artigos.Aqui estão algumas dicas . E aqui está o nosso e-mail: letters@nytimes.com .

Siga a seção de opinião do New York Times no Facebook , Twitter (@NYTopinion) eInstagram .

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Engraçado como a mídia mesmo aquelas conscientes do processo civilizatório violento que as mulheres sofrem ao longo do tempo, coloca como “´TÍTULO FEMINISMO RADICAL” O GGN erra à colocar os protestos por igualdade e respeito como se o FEMINISMO RADICAL que significa uma perspectiva dentro do feminismo que exige um reordenamento radical da sociedade em que a supremacia masculina é eliminada em todos os contextos sociais e econômicos. NÃO É ISSO QUE O FEMINISMO BUSCA, ELE BUSCA RESPEITO E DIGNIDADE A TODAS AS MULHERES, CONDIÇÕES DE TRABALHO E SALÁRIOS, NÃO QUEREMOS TOMAR O LUGAR DE MACHO, QUEREMOS IGUALDADE DE GÊNERO, QUEREMOS SAIR COM QUALQUER ROUPA SEM SER ASSEDIADA OU ESTUPRADA OU MORTA, QUEREMOS SALÁRIOS DE ACORDO COM NOSSA FORMAÇÃO E QUEREMOS DIREITOS IGUAIS. NÃO ESTAMOS LUTANDO PRA TOMAR LUGARES DE HOMENS, QUEREMOS NOS SENTIR REPRESENTADAS NO CONGRESSO. CHEGA DE HOMEM DECIDINDO O QUE FAZER COM NOSSOS CORPOS, CHEGA DE HOMENS DECIDINDO SOBRE MÉTODOS CONTRACEPTIVOS, CHEGA DE HOMEM FALANDO O QUE É SER MULHER. É VERGONHOSO COMO VOCÊS COLOCAM NO TÍTULO. FEMINISMO É A LUTA DAS MULHERES POR DIREITOS IGUAIS E RESPEITO. NINGUÉM AQUI QUER LUGAR DE MACHO, ATÉ POR QUE SOMOS MAIORIA NAS UNIVERSIDADES E SOMOS MAIORIA NOS POSTOS DE TRABALHO. NÃO QUEREMOS SER MORTAS POR FEMINICIDIO , NÃO QUEREMOS SER ESTUPRADAS AOS 10 OU AOS 13 ANOS, ONDE NO BRASIL BATEU RECORDE DE ESTUPROS DE VULNERÁVEL, NÃO QUEREMOS MAIS SER APENAS UMA TAXA DE MORTALIDADE. OS HOMENS PRECISAM ENTENDER QUE O FEMINISMO PRECISA DE VOCÊS TAMBÉM, NOSSO FUTURO DEPENDE DA CONSCIENTIZAÇÃO PELO HOMEM DE SUA VIRILIDADE FABRICADA E DO QUANTO ESSA EDUCAÇÃO PAUTADA NO PATRIARCADO É TÓXICA TAMBÉM PARA VOCÊS, CRESCEM SEM COMPREENDER SEUS PRÓPRIOS SENTIMENTOS E CRESCEM VIOLENTOS. O PRESIDENTE DO BRASIL E SEUS FILHOS SÃO EXEMPLOS DE MACHO TÓXICO.

    4
    2

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome