Nota de R$ 200 contraria combate à lavagem de dinheiro

Órgãos federais tentavam reduzir o volume de circulação em dinheiro vivo no mercado para combater crimes financeiros; BC não vê contradição

Lobo-guará, o homenageado na nova nota de R$ 200. Foto: Wikipedia

Jornal GGN – O recente anúncio de criação da nova cédula de R$ 200 acaba por ir na direção contrária do combate à lavagem de dinheiro.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, nenhum dos órgãos de controle e investigação, como Coaf e o Ministério da Justiça, foi consultado pelo Banco Central para a tomada de decisão sobre a criação da nova nota.

Tanto a autoridade monetária como outros órgãos do governo têm procurado reduzir a circulação de dinheiro no mercado ao longo dos últimos anos, com o objetivo de diminuir a ocorrência de crimes financeiros.

Contudo, o Banco Central diz que não há contradição entre as medidas, e que o país adota normas de combate à lavagem alinhadas às melhores práticas internacionais e as ações da Enccla (Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro) consideraram a adoção de medidas de restrição e controle, “mas não contemplaram sugestão de exclusão de cédulas de maior denominação”.

 

 

Leia Também
Banco Central anuncia nova nota de R$ 200
Guedes insiste, e Bolsonaro autoriza teste de ‘nova CPMF’
Guedes diz que só aumenta isenção do IR com novo imposto

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora