Nova regra do TSE pretende inibir fraudes em cota de candidatas

Caso partido não cumpra percentual de 30% de mulheres, juiz poderá retirar das urnas todos os candidatos do partido antes da votação

Arte: Reprodução

Jornal GGN – Nova determinação da Justiça Eleitoral busca ser mais rigorosa com os partidos que fraudarem candidaturas femininas para atender a cota de 30% de concorrentes no Legislativo: caso se confirme a irregularidade, o juiz poderá derrubar uma lista inteira de candidatos a vereador antes mesmo da votação.

Para que o processo seja acelerado, os partidos deverão apresentar autorização por escrito de todas as candidatas, como forma de garantir que ela tem real interesse em concorrer e não foi indicada apenas para atender a cota feminina. Isso não vinha acontecendo por conta da informatização dos registros.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, a resolução editada pelo TSE no final de dezembro procura esclarecer como o juiz eleitoral deve agir: a regra tem como base a exigência prevista na Lei das Eleições, de 1997, de que o registro das candidaturas venha acompanhado da autorização escrita.

Caso o juiz note a falta de documentos e apure que a candidatura registrada não teve a anuência da candidata, diligências podem ser solicitadas para conferir a existência ou não de alguma fraude.

Os pedidos de providências devem começar a ser enviados a partir de 26 de setembro, quando termina o prazo para o envio da relação de candidatos. Se antes de 15 de novembro ficar comprovada a existência de fraude, toda a chapa será derrubada.

 

Leia Também
Bolsonaro apela ao STF contra decisão que suspendeu contas de aliados
Bolsonaro criou poder paralelo para “estimular e induzir investigações”, diz Rubens Valente
Procurador-geral suíço responsável pela Lava Jato pede demissão
Ação sigilosa contra antifascistas da Segurança escancara ameaça às liberdades

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  É preciso disputar territórios ocupados por igrejas e dialogar com evangélicos, diz Esther Solano

2 comentários

  1. Que coisa mais ridícula essas quotas. Os partidos precisam caçar “candidatas” que não têm o mínimo interesse no assunto e podem tomar o lugar de candidatos mais competitivos. Ah, mas agora elas terão que assinar um papel. Ridículo.

    Será que é tão difícil permitir que cada partido decida quem quer apresentar e os eleitores manifestem livremente seu agrado ou desagrado? Não parece evidente que se as pessoas estivessem preocupadas em eleger mais mulheres os partidos com mais candidatas se beneficiariam e os outros teriam que segui-los para não perder votos? Ah, mas deixar isso nas mãos dos eleitores seria democrático demais para os fanáticos das quotas.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome