O Covid-19 e a dinâmica da nova economia, por Leonardo Pontes Guerra

Já se sabe que a pandemia tem impacto negativo sobre a economia; agora, começa-se a traçar políticas de estímulo para setores estratégicos

Foto: Reprodução

Jornal GGN – É consenso que a pandemia decorrente do novo coronavírus vai afetar a economia negativamente e, por conta disso, temas como aumento dos mecanismos de transferência de renda e diferimentos fiscais estão na nova agenda de políticas públicas.

“Agora, começa-se a desenhar novas políticas de estímulo para os setores estratégicos, e este é um momento de oportunidades para as empresas da nova economia”, diz Leonardo Pontes Guerra, economista e diretor da Fumsoft – Sociedade Mineira de Software, em artigo publicado no Diário do Comércio. “Além das ações universais, precisamos reforçar as apostas em alguns setores, como a biotecnologia, a tecnologia da informação e o setor audiovisual. Para citar três exemplos”.

Ao mesmo tempo em que a pandemia afeta o mundo inteiro, propostas estão sendo desenvolvidas para a reversão desse quadro. Por conta disso, o Centro de Empreendedorismo, Pequenas e Médias Empresas e Regiões da Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento (OECD), analisou um painel de 15 medidas adotadas por 54 países.

As medidas adotadas em todo o mundo estão assim agrupadas: 1) Trabalho; 2) Diferimentos; 3) Instrumentos de Financiamento; e 4) Políticas Estruturais. Neste painel, o Brasil adotou 6 das 15 medidas analisadas, nenhuma delas no campo das ações estruturais.

Por conta dessa falta de medidas no campo das ações estruturais, Guerra diz que existe a necessidade de se “construir e reforçar os estímulos à nova economia, ao aumento do valor agregado da produção regional e à diversificação da base econômica”. Para o economista, “é preciso construir ações, discutir o volume dos recursos públicos postos à disposição da retomada econômica e cobrar mais velocidade e uma estratégia de longo prazo para estas medidas”.

 

Leia Também
Alcolumbre congela prazo e CPMI das Fake News ganha sobrevida
New York Times: A maior tragédia do coronavírus pode ser nas favelas brasileiras
Braga Netto, investimento e teto. Estranho, mas bom, por Gilberto Maringoni

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora