O direito como modelo linguístico de alienação da esquerda, por Luis Carlos Valois

O direito, monopólio do Estado em uma sociedade dividida em classes, será sempre um instrumento de opressão, e tanto mais eficiente se ninguém entender o seu poder repressivo e o respeitar como uma espécie de magia

Por Luis Carlos Valois

No Justificando

Há uma ideia marxista, um objetivo que parece ficou esquecido com o tempo: o de consciência de classe. Digo além de ideia, um objetivo, porque consciência de classe não é algo que se tem para se esnobar alegremente porque se possui enquanto os outros vagam na mais completa escuridão. Não, consciência de classe é um objetivo, uma meta do marxismo.

Talvez a distância de qualquer coisa parecida com revolução tenha deixado a esquerda “ilustrada” satisfeita com a sua própria consciência, consciência do estado de exploração, de violência e morte em que vive, esquecendo que um dos seus papeis é justamente dialogar com a classe explorada a respeito dessa situação, pois a mais vulnerável.

Falo obviamente dos chamados intelectuais. A acomodação em anos e anos de sobrevivência no seio do capitalismo, de seus órgãos e instituições, assim como de seus valores, fez esses pensadores de esquerda vítimas fáceis da bajulação, da medalha, do carro oficial, das cerimônias pomposas em algum salão nobre por aí.

Difícil ver uma obra, um panfleto, um manifesto dessa gente, em conjunto com o trabalhador ou tendo o trabalhador como destinatário. A maioria escreve livros para si, e se leem, quando leem, entre si, sem alcançar o verdadeiro sentido da existência da própria esquerda, principalmente a que se diz leitora de Marx, que é proporcionar argumentos, clarear ideias, esclarecer sobre uma verdadeira opção em que o operário tome as rédeas do seu próprio destino.

Não à toa, a grande onda fascista que toma o mundo. Os fascistas, de uma forma ou de outra, acabam se comunicando melhor com a população. Cheios de frases de efeito, daquele preconceito enraizado, daquele machismo de mesa de bar, do vazio de uma ofensa, vão se tornando acessíveis em um mundo onde quem tem qualquer tipo de poder, seja intelectual ou burocrático, já não consegue se comunicar com quem caminha na rua.

De que adianta dizer que “o racismo institucional e a seletividade do aparato policial levam a um grande índice de morte de pessoas negras”, se, para essas pessoas negras entenderem do que se está falando realmente deve-se dizer de forma mais simples a mesma coisa: – oh, povo da favela, a polícia está vindo para matar vocês!

Ou de que vale dizer: “o mecanismo da sociedade de troca atinge o inconsciente tornando todos consumidores e mercadorias”; se o modelo é o consumidor, ser humano explorado, satisfeito com as necessidades criadas pelo mercado. Há que se dizer: -acorda galera, vocês estão sendo roubados quando recebem um salário de miséria e quando compram uma mercadoria produzida por um irmão que também recebe um salário de miséria.

De que adianta centenas de estatísticas se o jornal de um empresário qualquer coloca na primeira página um negro com arma na mão e o contextualiza como a grande ameaça da sociedade. O próprio negro fica com medo daquele negro pobre, com arma na mão, e não percebe que, na seletividade do sistema, ele pode ser o próximo.

No direito então, nem se fala, aliás o direito é modelo linguístico dessa espécie de alienação. Pois o direito foi feito para isso mesmo, para falar muito e não dizer nada. Há sentenças, petições e pareceres de centenas de folhas como se o direito, a justiça, não tivesse a obrigação de comunicar à população em geral o porquê de seus posicionamentos. Pelo menos é o que se deveria esperar de um judiciário funcionando em um Estado Democrático de Direito.

Mas o direito tem o seu álibi, ele nunca foi para ser de esquerda mesmo. O direito, monopólio do Estado em uma sociedade dividida em classes, será sempre um instrumento de opressão, e tanto mais eficiente se ninguém entender o seu poder repressivo e ainda assim o respeitar como uma espécie de magia qualquer em que alguém com poder pode dizer o que alguém sem poder deve fazer.

Mesmo para combater esse direito opressor, a academia tem se utilizado de idênticos instrumentos linguísticos, como todos os “operadores do direito”, como gostam de ser chamados os bacharéis.

Diz-se que “a presunção de inocência é garantia constitucional que não pode ser relativizada”, mas o que o trabalhador – ou principalmente um pobre desempregado – precisa saber é que se ele for acusado e responder a um processo vai ser preso porque o judiciário trabalha tendo a prisão como regra. Que prender pobre não causa constrangimento algum, independentemente do processo ou do que contém naquele catatau de papel, muito pelo contrário, tem sido motivo de regozijo entre a elite.

Houve tempo, inclusive, em que o direito fazia questão de usar o disfarce de ciência, mas agora nem isso. Os tribunais já criam varas de combate sem nenhuma vergonha. Vara de Combate a Entorpecentes, Vara de Combate ao Crime Organizado, Vara de Combate à Violência Doméstica, como se juiz pudesse ser combatente e não devesse ser simplesmente juiz. Ora, juiz deveria julgar e não combater. Ou a pessoa é juiz ou é Batman, não dá para ser as duas coisas ao mesmo tempo.

A esquerda dita intelectual passa atônita por isso tudo. Não dá a devida atenção ao direito, que é o instrumento que mais legitima a exploração e a violência contra o trabalhador, seja dando suporte ao contrato de trabalho, arremedo de exploração consentida, seja discutindo teses tão distantes, linguisticamente falando, quanto um acórdão de tribunal.

Os exemplos deste texto talvez tenham sido toscos, foram trazidos assim aleatoriamente, talvez ruins para dar uma boa ideia do quanto a esquerda se afastou da população, e o quanto o pensamento crítico, simplificado, é necessário para essa própria população sobreviver mesmo. A minha falha obviamente deriva da falta de exercício, pois mesmo escrevendo, tentando ser simples e objetivo, toda a estrutura de pensamento crítico, textos, trabalhos, teses e dissertações, tem sido elaborada fortalecendo a nossa incapacidade de se comunicar com o leigo, o pobre, com o trabalhador.

O que importa, entretanto, para fugir desse marasmo e dessa sensação de derrota, que parece ser derrota da nossa própria condição humana, é ter consciência dessa dificuldade de comunicação e, principalmente, não ter medo de falar, falar a verdade, expor a podridão das entranhas do poder, a podridão dos corredores estreitos dos locais de poder, a podridão do silêncio e das palavras de duplo sentido, reconhecendo o quanto estamos afundados nessa lama e o quanto precisamos respirar.

Luis Carlos Valois é juiz de direito, titular da Vara de Execuções Penais do Amazonas, membro da AJD, mestre e doutor em direito penal e criminologia pela USP – Largo de São Francisco, pós-doutorando em criminologia pela Universität Hamburg.

4 comentários

  1. Essa sim é uma crítica às esquerdas, devidamente fundamentada. Os partidos que deveriam defender o trabalhador se alienaram, participam alegremente do jogo capitalista. Mas o jogo se tornou brutal por conta da crise do sistema. Existe, de fato, hoje, um único partido, o do capital. aquele que representa o 1%. Falta fundar o partido dos 99%. Parabéns ao autor do post.

  2. Isto poucas pessoas dizem. Há um abismo, em termos de linguagem e vivencia, que distancia a “esquerda-classe-mêdia” do nosso povo, e dificulta extremamente a comunicaçao entre esses dois grupos sociais. Se o povo entendesse que a assassina e extrema desigualdade social que hå no Brasil é fruto apenas da monstruosidade da classe dominante, entao, em 2016 o povo massivamente teria ocupado as ruas e dificultaria muito o golpe, porque congressistas precisam do voto popular. Mas o povo acreditou na globo e na lava jato, a versao de que a crise económica seria culpa de uma “corrupçao desenfreada” comandada pelo pt. E a esquerda nao conseguiu mostrar ao povo que o golpe resultaria em tudo que vemos hoje: retirada de direitos, aumento da miséria, venda do Brasil. Dizia o abelardo: “quem nao se comunica se trumbica”. E a esquerda, por nao conseguir fazer-se entender pelo povo, levando goleada dos fascistas nesse quesito, a esquerda trumbicou-se junto com o povo mas continuam em seus pedestais tentando provar quem interpreta melhor uma teoria qualquer, enquanto fascistas perversos e medievais continuam conquistando o povo.
    .

  3. A universidade é o ponto fulcral/epicentro desse estado de coisas excessivas. Prá começar, as diversas áreas do saber são estanques, cada uma erigindo sua própria sabedoria ao Mar…, digo, máximo, sem qualquer perspectiva de intervenção social (coisa de pobre). A militância muito bem intencionada às vezes acaba domada pelos protocolos internos. assim, reafirma sua origem oligárquica e pequeno-burguesa, oriunda do cerco informal que afeta a maior parte da população e passa a reproduzir, por inércia o rito acadêmico e se afastando do seu objeto de pesquisa sujeitado (população negra, indígena, mulheres, lgtb, operariado, sem-teto, pobres em geral). Ora, essa postura transforma-se em arrogância preventiva que justifica para si mesma o distanciamento das bases, quando não descamba para o populismo mais pernicioso*. Nessa condição fica na defensiva, sujeita, a instituição, aos achaques que tem ocorrido sem qualquer reação da sociedade, menos, em parte, a intracampi, sua única área de influência. A outra parte, reacionária, conservadora, fica onde sempre esteve, por isso é conhecida como “direita silenciosa”. Evidente que o debate nessas condições não interessa, a não ser os arremedos que o autor listou. As próprias militâncias partidárias de esquerda respeitam essa liturgia e aparecem nos campi para eventos de cultura (burguesa?), debates blablabláricos, onde o objeto de reflexão é o extrato produzido pela organicidade mais conceitual que prática. Assim, a reprodução do habitus exibe caricaturas interessantes, como o bebedor de vinho, charuto, carros do ano e toda essa quinquilharia alienante, um direito, óbvio, um perigoso fetiche, também claro.
    * O caso das cotas é emblemático.

  4. O juiz Luis Carlos Valois falou e disse.

    Depois da queda do Socialismo real, a esquerda ficou perdida.

    Mas o fato é que “a luta continua” e o capitalismo segue sendo a mesma exploração do homem pelo homem de sempre, assim como o “povo unido jamais será vencido”, etc., tudo coisa simples que qualquer um é capaz de explicar e entender.

    Para não ficar apenas nas palavras de ordem mais banais, consagradas pela esquerda histórica, dou aqui minha contribuição ao debate, o que é facilitado pelo fato de que vivo em um país que foi membro da extinta União Soviética:

    Os grandes problemas pelos quais esses países passam hoje, quase trinta anos depois da dissolução do império soviético, não são resultados dessa herança, mas sim do capitalismo resultante, tão alardeado, na época, como sendo a cura milagrosa de tais males. Mais de uma geração depois de implantado por essas bandas, contudo, a economia de mercado segue incapaz de trazer prosperidade à maioria desses povos.

    Mais, a reimplantação do capitalismo na Rússia, por exemplo, ao desmontar as políticas de proteção social soviéticas, matou muito mais gente do que o Stalin.

    Alguém precisa falar o óbvio.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome