O fim de um ciclo que nem começou: “Me despeço do PT mas não esqueço a nossa história.”.

Semana dificil para quem se alimenta de esperança. A Grande Semana dos 4 Bs: Big Brother Bolsonaro Bostas. Sem palavras e sem comentários sobre. Estou nesse momento acompanhando os ataques de Trump sobre a  Siria com a sensação que ou o Brasil  e o Mundo estão pautando as séries Netflix e/ou vice versa. Desesperança total.  Saindo do Global pro Local esta frase do título do post foi escrita no perfil de Yuri Moura, hoje,  que foi candidato a vereador, candidato a prefeito e Presidente do  PT de Petrópolis. Com 27 anos, começou sua trajetória política aos 10 anos de idade…sempre PT. Hoje anunciou sua saída do partido que transcrevo abaixo diretamente do seu perfil. Apesar dessa desesperança que nos fagocita não poderia deixar passar essa decisão de Yuri. Postei aqui mesmo, há quatro anos atrás, a primeira campanha dele quando o PT estava sendo dado para comer aos abutres (jornalggn.com.br/…/lula-e-os-jovens-lembram-se-dele-yurimoura-23-anos- eleito-presidente-do-dmpt-petropolis). E sinalizei sua caminhada como um  bafo de revitalização para um partido que não reflete e não se repensa. Era o Novo do Velho! Sua paixão pelo Lula é explicita. Sua militância apaixonada é contagiante. Na semana em que se discute se Gleise ou Lindbergh, hoje  perdemos Xerém. Sim, sou Tricolor de Coração. Sou daquelas que olham as bases e cuidam delas. E como tal, apaixonada por aqueles que se criam nas origens, que driblam, cruzam, matam a bola no peito e fazem o gol. Yuri era a nossa promessa. Nossa pintura. Enfim, vida longa em sua nova escolha e trajetória. Mas para um mundo e país que à Jato, lavam a sua história peço ao Yuri, como aquela que acredita no trabalho como força transformadora da espécie humana na modelação dos espaços e tempos e, como sua eleitora que fui, o nome dos bois que o levaram a tal decisão. Ao Partido dos Trabalhadores… ACORDA, ALICE! 

Leia também:  FENAJ: Mesmo com revogação, MP 927 ataca os direitos dos trabalhadores

 

Me despeço do PT mas não esqueço a nossa história, por Yuri Moura
https://www.facebook.com/yurimoura02

Passei a maior parte da minha vida no Partido dos Trabalhadores, iniciei minha trajetória ainda aos onze anos, frequentando suas reuniões e atos. Me filiei aos dezesseis, refundei sua juventude em Petrópolis, lutei em todas as campanhas, fui o terceiro candidato a vereador mais votado da sigla em 2012 e no ano seguinte me tornei presidente do diretório municipal: defendendo um partido mais ético, transparente e ideológico.

Superamos a crise em que o partido havia sido colocado na cidade, nos aproximamos dos movimentos, filiamos novos quadros, resgatamos militantes históricos e não tivemos medo de encarar os desafios nacionais impostos pelo golpe contra a nossa democracia e pela criminalização midiática do PT. Sem medo, também construímos um projeto para Petrópolis.

Em uma campanha difícil, contando com o apoio dos companheiros e companheiras, alcançamos a terceira maior votação para a Prefeitura de Petrópolis; reconhecidos pela campanha íntegra, livre de recursos escusos, mas com um plano de governo inovador, além de fortes propostas e destaque nos debates.

Corretos, mantivemos nossa coerência ao falarmos “Nem um, nem outro” e apontamos que nossa cidade não teria futuro com projetos políticos baseados nos interesses dos mesmos grupos e figuras no poder. Com disciplina partidária, votada e aprovada pela militância, e em respeito aos nossos 8.618 votos de confiança do povo petropolitano, expulsamos todos aqueles que se venderam e apoiaram o PMDB no segundo turno ou estão participando do seu atual governo na cidade. A coragem do partido em Petrópolis é justamente a que faltou para as outras instâncias do PT.

Porém, por não aceitarmos “acordinhos”, por termos posições firmes e pela perseguição ao meu nome – devido possível candidatura para deputado em 2018 – arbitrariamente as expulsões foram revertidas, deslegitimaram minha presidência e corromperam nosso atual processo de eleições internas. Hoje o diretório municipal de Petrópolis sofre intromissão de políticos filiados a outros partidos, de pessoas já desfiliadas que poderão até mesmo compor chapas e de membros do primeiro escalão do atual governo municipal que compram votos através de cargos. Fatos denunciados por nós, mas ignorados, tanto pelo PT no Rio de Janeiro, como pelo seu Diretório Nacional. A sensação é que o PT esqueceu o golpe e corre contente para os braços do PMDB.

Postura justificada por medidas como a vista grossa da direção estadual quanto ao apoio total, de nossa bancada na ALERJ, ao nome de Picciani para a presidência da casa. A aceitação do voto de um dos nossos deputados estaduais pela privatização da CEDAE e a inércia perante um governo do estado que persegue o funcionalismo público e literalmente bate nos trabalhadores e trabalhadoras. Prática reproduzida por outros parlamentares petistas em outros estados e até mesmo no Congresso Nacional.

Leia também:  Caiado rompe com Bolsonaro e mantém decreto contra coronavírus

Assim, anuncio a minha saída do Partido dos Trabalhadores por não mais acreditar nos rumos desta instituição, muito menos em sua capacidade de autocrítica ou se quer debate aprofundado no seu próximo congresso – que já começa errado nas etapas municipais, através do fraudulento PED (Processo de Eleições Diretas). No mais, boa parte dos maiores cargos de direção estadual e nacional do PT se encontra tomado por carreiristas, burocratas e acordistas, personagens que estão desconstruindo as conquistas dos governos Lula e Dilma, afastando a militância da tomada de decisão e rasgando o petismo ao se aproximarem dos golpistas usurpadores dos direitos do povo. Aqui em Petrópolis venderam o partido, mas não estaremos no pacote!

Deixo amigos e amigas, pessoas que admiro e que ainda lutam internamente contra a canalhice de alguns. Acredito na militância, nos dirigentes de base (como eu, quase sempre preteridos), nas lideranças íntegras e nos parlamentares autênticos que ainda enfrentam às contradições do partido. Ainda torço para que o partido mude, e saio do PT para que o PT não saia de mim.

A luta por uma sociedade mais justa não se limita aos caminhos de uma organização. Olho o futuro com a certeza de que continuarei de pé contra as atrocidades do governo Temer, sempre em favor dos direitos da classe trabalhadora. Sem medir esforços para que Petrópolis tenha uma verdadeira mudança política e que nosso estado, principalmente o interior, supere está terrível crise.

Ainda não penso em outra filiação partidária, atuarei nas bases, propondo projetos e políticas públicas, trabalhando por meio da educação popular, da cultura e na defesa dos direitos humanos.

Leia também:  Bolsonaro repetiu Collor ao convocar protestos e ficar no vácuo

Minha descrença e consequente saída não é um ato individual, pelo contrário, é fruto de uma decisão coletiva, junto aos cerca de 120 companheiros e companheiras que também se desfiliarão nos próximos dias. Antes, apresentaremos um balanço de gestão, cumprirei com minhas responsabilidades enquanto presidente legítimo e conversaremos com todos aqueles militantes que não perderam identidade. Construiremos um manifesto e fundaremos um novo movimento que servirá de ferramenta para as lutas populares. Sonhando os mesmos sonhos, mudando a realidade.

O tempo nunca foi inimigo dos que agem com verdade. Até a vitória sempre!

 

 

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome