O impacto do envelhecimento no crescimento

País vive ônus demográfico desde 2018; estudo mostra que queda de produtividade também explica lenta recuperação da economia

Bônus demográfico que foi esgotado a partir de 2018 - e que vai se aprofundar nos próximos anos. Foto: Reprodução/Jornal Contábil.

Jornal GGN – Os fatores que impulsionaram a renda per capita brasileira em níveis acima da produtividade desde o início da década de 80, dentre eles o bônus demográfico que foi esgotado a partir de 2018, deixarão de contribuir para a melhoria do padrão de vida do brasileiro nas próximas décadas.

A afirmação é de um estudo elaborado pelo Ibre (Instituto Brasileiro de Economia), da FGV, que traz um histórico de quase quatro décadas pesquisado pelos pesquisadores Fernando Veloso, Silvia Matos e Paulo Peruchetti.

De 1981 a 2018, a renda per capita (índice que tem sido usado como medida do padrão de vida da população) subiu 0,9% ao ano, enquanto a produtividade, medida pelo valor gerado por hora trabalhada, avançou 0,4%.  Tal diferença é explicada pelo bônus demográfico de 0,5% ao ano no período.

Desde 2018, no entanto, o Brasil passou a ter um ônus demográfico, que vai se aprofundar nos próximos 30 anos, em razão de fatores como a queda na taxa de natalidade. Por razões puramente demográficas, haverá proporcionalmente uma quantidade menor de pessoas com idade para trabalhar, o que deve afetar a população economicamente ativa.

O trabalho mostra também que a queda na produtividade é um dos fatores que explicam a lenta recuperação da economia desde o fim da recessão de 2014/2016. O valor da produção por hora trabalhada recuou de 2014 a 2018, ficou estagnado naquele ano e caiu nos três primeiros trimestres de 2019. As informações são do jornal Folha de São Paulo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome