O novo plano de Guedes: extinguir FAT e outros 247 fundos públicos

Medida é justificativa por melhora da gestão de recursos; corte chega a R$ 220 bilhões e já foi encaminhado ao Senado

Jornal GGN – Após a aprovação da reforma da Previdência, agora a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, propôs a extinção de 248 fundos públicos sob a justificativa de realocação de recursos.

De acordo com informações do jornal Folha de São Paulo, um dos maiores fundos na lista é o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), que direciona recursos para programas como o abono salarial e o seguro-desemprego, e que detém aproximadamente R$ 40 bilhões em seus cofres.

Fundos vistos como obsoletos também estão na mira, como o Fust (Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações), além do Funpen (Fundo Penitenciário Nacional), o Fundo de Desenvolvimento do Ensino Profissional Marítimo, o Fundo Especial de Treinamento e Desenvolvimento e o FGPC (Fundo de Garantia para a Promoção da Competitividade).

Apenas 33 fundos seriam preservados, como o FPM (Fundo de Participação dos Municípios), o FPE (Fundo de Participação dos Estados), o FCO (Fundo de Financiamento do Centro-Oeste), o FNE (Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste) e o FNO (Fundo Constitucional de Financiamento do Norte).

Segundo técnicos do governo, a proposta encaminhada ao Senado Federal nesta terça-feira permite que os fundos extintos sejam reativados em até dois anos, mas isso vai exigir a aprovação pelo Congresso de leis complementares para cada um deles. Já são esperadas críticas a tal medida por abrirem caminho a mudanças em benefícios trabalhistas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Xadrez de como Guedes negociou o COAF com Moro antes da eleição, por Luis Nassif

6 comentários

  1. O atual BraZil tem um presidente adolinquente que pensa que o país é um quartel e ele é um comandante.
    Embora tenha sido “incentivado” a deixá-lo, nunca conseguiu se desligar do Exército.
    No comando da economia (que é diferente de finanças), temos um superministro australopithecus ipirangus que pensa que o BraZil é um banco e ele é o gerente da Tesouraria.
    O negócio é cortar custos, fechar agências (municípios), angariar novos depósitos (investimentos externos), reduzir salários, demitir, incentivar o “mercado” especulativo do dinheiro com dinheiro (ex. bolsa), enfim tudo pela rentabilidade de negócios … financeiros.
    Só enxerga “negócios” (como os de ganhar com prejuízo de fundos de pensão) e seus números.
    Não sabe nem o que é orçamento da União, quanto mais o que é Economia …
    Das pessoas…
    Pelas pessoas e para as pessoas.

  2. O Congresso provavelmente vai “debater” miito essa questao. Muitas e muitas emendas oarlamentares saem desses fundo. Outra coisa muito provável é que esses boçalnaros nao tenham a menor noçao disso: o 00 jamais elaborou um projeto sequer pra coisa alguma, passou a vida inteira atolado nobesteirol ideologico da guerra fria, em 30 anos de Congresso sequer entendeu como funcionam esses fundos. E o Guedes, idem, além da tara antissocial, tem a obsessão de cortar despesas, acentuar a recessão, valorizar ativos financeiros, e acreditar na fada da confiança, que com sua varinha vai fazer os acumuladores de capital investirem em contratações e produção.

  3. O Congresso provavelmente vai “debater” muito essa questão. Muitas e muitas emendas parlamentares saem desses fundos. Outra coisa muito provável é que esses boçalnaros não tenham a MENOR noção disso. O 00 jamais elaborou um projeto sequer pra coisa alguma, passou a vida inteira atolado no besteirol ideológico da guerra fria; em 30 anos de Congresso sequer entendeu como funcionam esses fundos.

    E o Guedes, idem, além da tara antissocial, tem a obsessão de cortar despesas, acentuar a recessão, valorizar ativos financeiros, e acreditar na fada da confiança, que com sua varinha vai fazer os acumuladores de capital investirem em contratações e produção.

  4. O Congresso provavelmente vai “debater” muito essa questão. Muitas e muitas emendas parlamentares saem desses fundos. Outra coisa muito provável é que esses boçalnaros não tenham a MENOR noção disso. O 00 jamais elaborou um projeto sequer pra coisa alguma, passou a vida inteira atolado no besteirol ideológico da guerra fria; em 30 anos de Congresso sequer entendeu como funcionam esses fundos.

    E o Guedes, idem, além da tara antissocial, tem a obsessão de cortar despesas, acentuar a recessão, valorizar ativos financeiros, e acreditar na fada da confiança, que com sua varinha vai fazer os acumuladores de capital investirem em contratações e produção

  5. Ora, é uma mega-pedalada………..transferir recursos publicos para bancos privados……

    E onde está a oposição mosca-morta, aquela que finge ser contra, mas é totalmente a favor…….

  6. “De acordo com informações do jornal Folha de São Paulo, um dos maiores fundos na lista é o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), que direciona recursos para programas como o abono salarial e o seguro-desemprego, e que detém aproximadamente R$ 40 bilhões em seus cofres.”

    Não é só isso. O FAT é – ou era – o funding de uma das mais preciosas linhas de crédito de investimento operacionalizadas pelo BB, o PROGER Empresarial (Programa de Geração de Emprego e Renda). Juros baixíssimos, prazo longo, operação tipo guarda-chuva, tudo é financiável – ou era – por essa linha de crédito, voltada para um público necessitado, micro, pequenas e médias empresas. Foi-se.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome