O plano B de Bolsonaro para obter presidência da Câmara

Mais do que eleger o seu candidato, presidente quer impedir que grupo liderado por Rodrigo Maia (DEM-RJ) saia vencedor da disputa

Foto: Reprodução

Jornal GGN – As dificuldades sentidas por Arthur Lira (PP-AL) em se firmar na disputa da presidência da Câmara dos Deputados levaram o presidente Jair Bolsonaro a cogitar a adoção de um plano B.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, um novo nome tem sigo cogitado por conta do incômodo mostrado pelo presidente com a postura de Lira, que tem cobrado mais empenho do presidente à sua candidatura.

Assessores palacianos ouvidos pelo jornal Folha de São Paulo, Bolsonaro avaliou nomes que poderiam agregar mais apoio, inclusive dentro da equipe ministério. Dentre as opções defendidas e que possuem mandato parlamentar, estão os ministros Fábio Faria (Comunicações, eleito pelo PSD) e Tereza Cristina (Agricultura, eleita pelo DEM).

Outra opção seria apoiar o presidente nacional do MDB, deputado federal Baleia Rossi (SP), que atualmente está no grupo de Maia e possui bom relacionamento o ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo).

O objetivo é encontrar um nome que derrote o atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ) sem concessões no primeiro escalão da Esplanada dos Ministérios – o maior receio do presidente é que Maia decida entrar na disputa, caso sua candidatura seja permitida pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Leia Também
O STF e o vale tudo na reeleição dos presidentes da Câmara e do Senado, por Jorge Folena
Governo usa máquina para colocar Arthur Lira na presidência da Câmara
Líder do Centrão apoiado por Bolsonaro recebeu 1 milhão em esquema de rachadinha, segundo MPF
A estratégia de Bolsonaro para 2022
Novo escolhido para Presidência da Câmara blindaria Bolsonaro de impeachment

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ugo

- 2020-12-06 14:39:15

O xadrez binário deste asnos, binário com apenas o zero, é provocar o desmonte do estado e esperar qualquer reação violenta de minorias para, em nome da ordem segurança e pátria a(r)mada a justificativa ao golpe final. Os recrutas zero os sargentos tainha e o stf sócios da empreitada.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador