O Plano São Paulo e o fim gradual do isolamento, por Luis Nassif

Mesmo assim, não aposte em volta rápida ao trabalho. Os últimos indicadores da pandemia, divulgados na noite de ontem, mostram a doença em evolução.

O governo de São Paulo anunciou um programa de saída gradativa do isolamento. É um programa polêmico, avalizado por um conselho de 18 especialistas de renome, mas com ressalvas dos médicos do conselho. O estado seguiu a lógica recomendada por Armínio Fraga: é hora de começar a planejar, não de iniciar a saída.

De fato, há um conjunto objetivo de 6 indicadores a serem seguidos para classificação das diversas regiões do Estado para fim gradativo do isolamento.

O GGN PREPARA UM DOSSIÊ SOBRE SERGIO MORO. SAIBA MAIS AQUI.

Três indicadores são do lado da saúde:  dados da disseminação da doença, capacidade do sistema de saúde e testagem e monitoramento da transmissão; Outros três indicadores são do lado econômico: protocolos e vulnerabilidade econômica, considerando a vulnerabilidade de cada setor; adesão da população às restrições sociais e definição por região e cidade das medidas de retomada.

Para cada um desses itens foram definidos indicadores objetivos.

A partir da soma dos indicadores, as regiões serão divididas em 6 fases:

Fase 1 – alerta máximo

Fase 2 – Controle

Fase 3 – Flexibilização

Fase 4 – Abertura parcial

Fase 5 – Normal controlado.

Mesmo assim, há vários indícios de que houve uma pressa indevida. Um dos indícios foi a falta de negociação com as demais cidades, especialmente na Grande São Paulo. A doença não respeita fronteiras municipais. Flexibilização do isolamento em São Paulo desvia compras de Guarulhos, por exemplo. A ida de moradores de Guarulhos a São Paulo traz riscos de contaminação a São Paulo, e vice-versa. Mesmo assim, as medidas foram anunciadas sem consulta às demais cidades e regiões.

Leia também:  Coronavírus apresentou mutação em quase um terço dos casos coletados pela OMS

Ou seja, sem analisar impactos de medidas sobre fluxo de pessoas, sobre substituição de comércio, nãos e terá eficácia. Abre-se São Paulo pela redução da contaminação – que ainda não ocorreu. E expõe-se a população à vinda, para a cidade, de pessoas contaminadas de outros locais.

Os últimos indicadores da pandemia, divulgados na noite de ontem, mostram a doença em evolução.

Em relação aos casos acumulados, tomando-se por base a média dos últimos 7 dias em relação ao mesmo período de dez dias atrás, percebe-se a pandemia em plena evolução, tanto em relação ao número de óbitos,

quanto em número de casos.

Quando se analisa São Paulo, há uma estabilização no crescimento – o que não permite grandes comemorações, porque prossegue o crescimento. Os casos diários continuam crescendo a uma taxa superior a 3% ao dia. E o número de casos em relação ao Brasil permanece acima de 40%. Em 30 dias, o acumulado de casos em São Paulo bateu em 312% de crescimento.

A média de óbitos nos últimos 7 dias, em comparação com 10 dias atrás continua elevada. Embora a curva de crescimento de São Paulo esteja menor que a média nacional, ainda assim o aumento foi de 40 no número de óbitos e de 44% no número de casos.

Por todos esses dados, o isolamento ainda demorará, com impactos objetivos na atividade econômica e no emprego.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. Nassif, Em 30/04/2020 você previa que em 30 dias o número de mortes poderia chegar a 86.000, numa projeção conservadora. Bem, parece que o número de mortes vai estar próximo a 30.000, o que também é terrível, mas muito menor que a projeção inicial que você fez. Que tal uma análise sobre o que houve de acertos nas medidas adotadas (que conseguiram evitar que o pior acontecesse) e o que houve de erros (já que a quantidade de mortes continua muito alta)? Um abraço.

    6
    1
    • PErfeito !
      Todo mundo atirando pra tudo que é lado, misturando medicina, matematica e politica.
      A gente fica só aguardando os fatos reais pois já não dá pra confiar em nenhuma fonte e as notícias do dia anterior se tornam completamente ultrapassadas.

    • Ao fazer a crítica a qualquer previsão, temos que levar em conta a absurda subnotificação. Dentre outras questões, uma das piores é o desleixo com o qual os que estão no poder tratam da pandemia. Em especial neste momento, em que o vírus se desloca para atacar pretos, pobres e a periferia em geral. Alexandre Padilha fez uma crítica interessante a este plano.

      3
      1
    • Se a notificação fosse levada a serio e confiável o numero deveria estar por aí mesmo…….tenho uma amiga que perdeu um tio e uma prima em apenas dois dias….acho que vão notificar como resistencia seguida de morte ou morte a esclarecer, sempre funcionou em outras areas,……

      1
      1
  2. Diante da inépcia do governo federal e do boicote deliberado por parte do sujeito que ocupa a presidência da república,parece que os governadores,também pressionados por parte acéfala dos comerciantes,principalmente,acabaram jogando a toalha ainda que de forma dissimulada.

    Diante do quadro que se avizinha,de completo descontrole já que,com o controle moderado a situação já não era boa,com o afrouxamento podemos esperar descontrole total,e,com isso,só nos resta torcer para que o pior não seja tão pior assim, já que a realidade comprovou que não é uma gripezinha,vamos torcer que ela não se mostre um auschiwtz.

  3. O “científico” governador Bolsodoria extinguiu a Emplasa de forma absolutamente estúpida, e agora perdemos a inteligência sobre os fluxos no estado e regiões metropolitanas.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome