O preconceito como estilo

O Brasil já tem presença internacional. Isso exige comportamento responsável por parte do lado mais visível dessa internacionalização: governos, grandes corporações e grandes órgãos de mídia. O que fazem, repercute internacionalmente, ainda mais nesses tempos de integração geral da informação.

O sistema Globo é o maior grupo jornalístico do país, o de maior visibilidade. Anos atrás, pesquisas sobre a cara do brasileiro apresentaram as novelas da Globo como uma das pontas visíveis do Brasil no mundo.

Mas o provincianismo é mais forte. E o jornalismo da Globo perdeu a noção da responsabilidade perante a opinião pública de outros países. Tornou-se um jornalismo provinciano, ecoando, em nível do continente, o grosso preconceito que serviu de arma para as disputas políticas internas no Brasil.

Do Blog Somosandando

Mau jornalismo da Globo já é destaque internacional

Cospe pra cima, cai na testa, dizia minha mãe. Foi o que aconteceu com a Globo hoje.

O jornal paraguaio La Nación diz que a Laranja Mecânica foi responsável por “acallar a la soberbia brasileña”.E por “brasileira” ele se refere à Rede Globo, não ao país como um todo, como fica claro logo nas frases seguintes. A crítica se dirige especialmente à SporTV, canal fechado que pertence à emissora e que divulgou um vídeo desrespeitoso à Seleção Paraguaia e ao Paraguai, a seu povo.

O desrespeito vai além do futebol, segundo o jornal: “ironizan sobre nuestras comidas y nuestras costumbres”, em linguagem debochada. O único valor paraguaio apresentado pelo vídeo é Larissa Riquelme, a “novia del Mundial”. Além de agressivo com os paraguaios, o curta é machista. Desvaloriza todo um povo e todo um gênero. As mulheres são vistas como objetos.

A matéria se coloca ao lado de Dunga pela resistência aos abusos da Globo. E completa: “La Naranja Mecánica se encargó así de hacer justicia y dar una gran lección a quienes tienen en el corazón una rabia innecesaria hacia una nación pobre pero digna”.

Mesmo que o grau de deboche fosse exagerado pelos paraguaios, chamaria a atenção que a Globo já vem recebendo críticas internacionais por conta da sua irresponsabilidade na forma de fazer jornalismo. Mas não é o caso, a ironia é de fato extremamente ofensiva. O vídeo trata o nosso vizinho como um país desprovido de quaisquer qualidades, feio, triste, pobre. É asqueroso.

Debochar de outros países extrapola os limites do esporte, do futebol, e avança no terreno político. São as relações internacionais brasileiras, são povos, são culturas. Pode haver diferenças, mas não há como definir melhores e piores. É aí que entra o respeito. Ou deveria entrar.

A Globo transferiu a ironia que dedica à política externa do governo Lula ao futebol. Fez mal, muito mal. E ficou bem feio. 

Por Renato Lira

Nassif e malungos.

Não só a Globo comemora a derrota da seleção.

Outros veículos de imprensa também tão esculachando Dung.

A mesa-redonda da ESPN dedicou-se ontem a esculachar Dunga como treinador e como pessoa.

Chamando Dunga de rancoroso ( que é), mau sujeito (que não é), etc.

Até os jogadores agora viraram “arrogantes”, etc e tal.

Os jornalistas da ESPN, metidos a éticos, metidos a donos da verdade, são tão rancorosos quanto Dunga.

Só que, do alto de sua arrogância, não percebem, e, ao receberem críticas, não aceitam.

Os ditos “diferentes” e “independentes” da ESPN adoram ser paparicados. Quando são criticados, como foram ontem, respondem aos que os criticam com ironias ou falta de educação. Como ocorreu ontem.

Inclusive um email, de um espectador irritado com aquele festival de hipocrisia e arrogância, tascou-lhes o seguinte adjetivo: “COVARDES”

Tá certo, Dunga pode não ser um doce, é rancoroso e arrogante. Mas o que são estes jornalistas de Globo, de ESPN e de outros órgãos de imprensa. Rancorosos, arrogantes, donos da verdade…

Mas já assisti comentarista da ESPN ironizando Dunga até por seus erros de português, da forma irônica e arrogante que caracteriza nossos jornalistas.

O que causa espécieé essa pose DE “independência” do pessoal da ESPN. É só pose mesmo.

Não conseguem esconder por muito tempo essa pose e se revelam. Ontem fiquei mais triste, e profundamente irritado, com o festival de hipocrisia, rancor, arrogância e bravatas, produzidos pelos senhores Trajano, Calazans e Kfouri. Só isento o PVC, grande jornalista, centrado, sereno. Crítico, mas não desrespeitoso.

E, para arrematar , e também para derrubar totalmente essa máscara de “jornalismo sério” da ESPN, o repórter Cícero Mello, após o jogo, pegou um carro da emissora e abalou-se do Rio para Volta Redonda, cerca de 200 km, e ficou na frente da casa da família do Felipe Melo, não respeitando o momento difícil da família do jogador, que não tem a mínima culpa pelas besteiras que Felipe fez no jogo.

Parentes do jogador apareciam á frente da casa, e já ia o repórter, com sorriso cínico no rosto fazer perguntas inoportunas e primárias. Tripudiando da tristeza de uma família, de pessoas comuns.

Aí o distinto repórter, como não conseguiu uma “exclusiva” com a família do jogador, foi entrevistar crianças e bêbados, que emitiram suas “opiniões”.

Uma profunda falta de respeito, um jornalismo de baixíssimo nível. Uma covardia.

Perdoem, a longa missiva, malungos. Mas estou fazendo um desabafo mesmo. É incoformismo.

Há muito tenho me irritado com essa pose da ESPN. Essa pose de seriedade e independência. Nada mais tão falso.

Cheguei a acreditar nessa pose por algum tempo, mas caí na real. Ainda bem. Eles mesmos se encarregaam de desmanchar essa imagem fajuta.

Quero deixar claro que não são todos os jornalistas e comenrtaristas da ESPN que me decepcionam e revoltam, por ter me enganado durante algum tempo.

Mas os participantes do Linha de Passe, exceto o PVC, não diferem em nada dos jornalistas que supostamente querem diferenciar-se.

Perdoem-me, malungos, mas não consigo me conter. Enquanto estou escrevendo, fico mais puto e tenho vontade de escrever mais, tal minha irritação com essa gente.

Tanto que desceram o pau em Dunga quando do episódio com o repórter global, mostrando seu corporativismo e revelando sua hipocrisia.

Ficaram a defender a Globo, contrariando inclusive as opiniões do seus telespectadores.

Se a Globo reconquistar seus privilégios na seleção, será bem feito para todo o resto da imprensa, por essa postura dúbia.

Veja como estou irritado com o pessoal da ESPN, Nassif. É porque detesto ser enganado. Pensei e um momento que realmente eu teria uma opção ao lixo global. Mas fui enganado. Globo e ESPN são farinha do mesmo saco.

Detesto ser enganado. E detesto arrogância, cinismo, hipocrisia e covardia.

EVOÉ!!! 

Por Edson Joanni

O “JORNALISMO” XENOFÓBICO DA GLOBO (*vejam o destaque no texto)Passou da hora de fazermos um “Cala a Boca Globo!”

No Jornal La Nacion do Paraguay

La “Naranja Mecánica” acalla la soberbia del seleccionado del “Maior do Mundo” La “Naranja Mecánica” se encargó hoy de acallar a la soberbia brasileña con un aleccionador 2-1. El seleccionado verdeamarello que llegó como favorito a cuartos de final de la Copa del Mundo vuelve a casa con el rótulo de “fracaso rotundo”. El resultado es un golpe bajo para todos aquellos aficionados, periodistas deportivos y medios de comunicación del vecino país que ya se sentían campeones del mundo antes de jugar los partidos y que -en algunos casos- se burlaron incluso de Paraguay al que parodiaron en un criticado video de Sport TV de Globo.

La Nación Online.

Es también una lección de vida para aquellos que subestiman no solo a sus adversarios de turno sino que aprovechan el evento para atacar la dignidad de países vecinos. Un ejemplo concreto de ello es el especial del Mundial emitido por la cadena SportTV de la cadena Globo de Brasil, en el que se mostró ayer un video descalificando la participación albirroja en el Mundial, con ironías sobre los “atractivos” turísticos, la moneda guaraní y su gente.

Los canales de TV locales reprodujeron ayer un “corto” de Sport TV de Globo sobre la participación paraguaya dentro del Mundial y en la que busca por todos los medios denigrar nuestra cultura, nuestros atractivos turísticos, el “valor” de la moneda local en el mercado bursátil y desprecia la tarea de la albirroja en el Mundial de Sudáfrica. Es más, en el documental afirman que nuestro país solamente llama la atención por la “novia del Mundial”, Larissa Riquelme.

Por si no fuera suficiente, en la última parte del video ironizan sobre nuestras comidas y nuestras costumbres, señalando en esta parte que la comida es una “maravilla” mientras pasaban imágenes de un hombre con rasgos paraguayos comiendo frituras. Además, ironizan sobre nuestros caminos “Si no le gusta el océano, Paraguay es el lugar ideal para tomarse unas vacaciones”, se escucha en una parte del relato. Con Brasil eliminado ¿qué dirá ahora Sport TV de Globo? ¿Tendrá la suficiente humildad para la autocrítica, o seguirán con la hipocresía de vivir a espaldas de sus grandes problemas como el racismo, sus millones y millones de pobres, las matanzas, el tráfico de drogas en las favelas de Río de Janeiro y hacer creer siempre que Ciudad del Este es el oasis del contrabando cuando que es su gente la que mayor provecho saca del desorden en Triple Frontera? Para la mayoría de los paraguayos este documental fue realmente decepcionante, por todos los vínculos que nos unen con los del país vecino. Entre ellos resaltan el gran comercio bilateral y el flujo hacia los centros turísticos del Brasil, generalmente “preferidos” por millones de compatriotas. Esperamos que así como Dunga ya renunció, estos comunicadores al menos tengan algún rayo de dignidad y terminen por callarse. La Naranja Mecánica se encargó así de hacer justicia y dar una gran lección a quienes tienen en el corazón una rabia innecesaria hacia una nación pobre pero digna. Todo el pueblo espera, con humildad, con todo el respeto que se merece la Madre Patria, que mañana nuestra selección pueda dar un gran saldo hacia seminales en Sudáfrica. ¡Fuerza Albirroja! El video se puede ver en sportv.globo.com 

Por milton
Renato Lira

O que eu mais tenho feito nos últimos dias é acompanhar a cobertura da Copa e me parece injusto colocar Globo e ESPN no mesmo saco. Você cita o Cícero Melo e eu concordo com você: de fato, não há pauta alguma na porta da casa da família do Felipe Melo. Com tampouco há pauta na Fan Fest de Copacabana, com gente fantasiada e mamada na cerveja analisando aspectos táticos do jogo da seleção.

Mas você também deve ter visto o Vinícius Nicoletti mostrando a festa na pequena Canelones, cidade natal do Diego Lugano. Nicoletti, no dia anterior, entrevistou Eduardo Galeano na porta da casa do escritor, onde havia um cartaz com os seguintes dizeres: “Cerrado por la Copa”.

Como deve ter visto as matérias sobre a história da África do Sul, hábitos locais; as críticas , que já vêm de muitos anos, contra os privilégios da Globo, e a antecipação, feita pelo Lúcio de Castro, sobre os conflitos internos enfrentados pelo Dunga por querer fechar a seleção, ainda antes do episódio com o Alex Escobar.

Particularmente, acredito que, mesmo cheio de razão, o técnico da seleção não pode ficar sussurando palavrões em rede mundial num evento oficial da Fifa. Ele ali representa uma instituição muito maior que a CBF, que paga o seu salário: ele representa o futebol brasileiro. Não precisa ser corporativista pra achar isso. Eu, nem jornalista sou.

Tenho certeza de que, se você esfriar a cabeça, vai ver que, embora todos cometam erros, há diferenças essenciais entre as coberturas. De cabeça quente, você se arrisca a cometer injustiças semelhantes às que aponta nos outros. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora