O que ex-ministros da Justiça acham da conduta de Moro na operação hacker

Nenhum dos ex-ministros da Justiça ouvidos por BBC fez o que Sergio Moro faz com a PF e a Operação Spoofing

Foto: Lula Marques

Jornal GGN – BBC Brasil consultou 7 ex-ministros da Justiça e todos foram unânimes em dizer que as atitudes de Sergio Moro no âmbito da operação Spoofing são incompatíveis com o cargo.

Moro não deveria ter acesso a um inquérito da Polícia Federal que tramita em sigilo. Nem vazar informações para autoridades que não têm relação com o caso – com fez com o presidente do Superior Tribunal de Justiça – e muito menos prometer o descarte de provas.

“Embora seja chefe administrativo da corporação, não cabe ao ocupante da pasta determinar rumos de investigação, receber informações antecipadas sobre operações, ter acesso a provas e informações sob sigilo judicial e repassar tais informações a pessoas que não são parte do inquérito”, anotou BBC.

Confira, abaixo, o que disseram alguns dos ex-ministros:

José Carlos Dias, ex-ministro da Justiça de Fernando Henrique Cardoso:

“Acho um absurdo, ele não poderia ter acesso a essas informações, nem ele, nem o presidente, nem ninguém. Ele está exorbitando, é um abuso de poder sem precedentes na democracia recente. Não gosto de dar sentença, mas cabe ao MPF investigar a conduta de Moro.”

José Eduardo Cardozo, ex-ministro da Justiça de Dilma Rousseff:

“A conduta de Moro é totalmente fora de padrão. Existe uma dimensão de abusividade e pode ser crime de responsabilidade. Ele deveria se afastar para ser investigado e, eticamente, pode ter perdido condições de chefiar a PF.”

Miguel Reale Júnior, ministro de Fernando Henrique Cardoso:

“O ministro da Justiça não pode se imiscuir à função de polícia judiciária. Ele não pode ligar pras pessoas e dizer que iria destruir provas, é absurdo. É ilegal, é irregular, eu jamais tomaria uma atitude dessas, como nunca tomei.”

Raul Jungmann, ex-ministro de Segurança Pública e responsável pela Polícia Federal na gestão Michel Temer:

Leia também:  Déficit do setor público consolidado chega a R$ 188,7 bilhões

“É uma relação difícil para qualquer um, porque o ministro faz uma supervisão administrativa, e a polícia faz o controle judiciário do ministro. Em caso de investigação, sai totalmente do controle do ministro – e as pessoas não entendem e pressionam. Ao mesmo tempo, qualquer iniciativa do Executivo pode ser vista como obstrução de Justiça e prevaricação.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Moro inventou essa estória de hacker para desqualificar e criminalizar os vazamentos do Intercept. É uma estrtégia para Moro se livrar de qualquer processo judicial. Entretanto, os vazamentos podem ter sido feitos por procuradores de Curitiba, o que provocaria responsabilidades de Moro e Deltan.
    Então, temos que chamar esses cara de Araraquara pelo que realmente são: ARAQUERS! Por que toda essa estorinha de invasão de celular é de araque.

  2. Encontro uma colega que não via há tempos. No meio de uma conversa, ela diz que a Lava Jato melhorou o Brasil, prendendo os corruptos. Busco um meio de tentar falar do assunto sem deixá-la acuada. Digo a ela que deveria buscar se informar por outras vias. Ela se fecha totalmente à minha argumentação.
    Sergio Moro e Bolsonaro devem ter pesquisas nas quais eles aparecem ainda com um bom respaldo popular. Por isso agem da forma que estão agindo. Enquanto parte da imprensa acobertar os malfeitos de Sergio Moro e continuar normatizando a conduta malévola de Bolsonaro, eles continuarão agindo como ditadores.

  3. Àqueles que acreditam na equanimidade da justiça, como a Maria Luísa, sempre é bom lembrar o que disse certo presidente americano: ele é um fdp, mas é o nosso fdp. Moro sempre será o fdp desta turma. Se a imprensa demonstrar que não, se a justiça o condenar, só aumentará a sensação de injustiça. Para eles, claro. Entre a verdade e a canalhice, preferem a segunda. Nunca se tratou de justiça, mas do meu ídolo contra o seu.

  4. Nassif: a diferença é que esses ex eram bundões e o TogaSuja é macho pacas. Faz e desfaz o que bem entender. Só lembrando como agiu com o MelianteOperárioNordestino dá pra fazer uma ideia. Sem esquecer, tem costas quentes com daBala (a quem deu bandeja o cargo no Planalto, em troca de uma vaguinha no Çupremu), das Milícias, que são sua sombra, dos VerdeSauvas, especialmente pelo trato que deu no SapoBarbudo, dos Laranjas do Queiroz, que representam a fonte do dindim, dos GogoboyAvivados, sócios e cúmplices, daquele escritório agenciador da indústria das DelaçõesPremiadas. E que fiquem qualquer outro com as barbas de molho. O desavisado ministro Teori ousou enfrenta-lo, quando ele era ainda um reles VerdugoProvinciano. Lembra no que deu? Até Cabelera tirou uma com ele, passando por cima de suas decisões. Ai que quem se engraçar com EliotNessTupiniquim. Agora que daBalinha vai pra Washington, passaram tardes e tardes no MacDonald, fritando hamburger de vitela do Tennessee, especialidade do Embaixador, ao som de música country. Sem contar que o cara tem à disposição um Greencard, prontinho pra emergências no quintal dos gringos. Cá prá mim, ele até que tá sendo bonzinho com esse pessoal. A Milícia já pediu duas vezes prá passar o serol…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome