O questionamento de André Lara Resende: quem vai pagar a conta?

Em artigo, economista diz que é preciso impedir que a economia se desarticule numa crise humanitária sobreposta a uma depressão profunda

O economista André Lara Resende. Foto: Reprodução

Jornal GGN – Até mesmo os defensores do equilíbrio fiscal reconhecem que a crise gerada pelo coronavírus exige um posicionamento diferenciado, que inclui o aumento dos gastos pelo Estado para evitar uma catástrofe humanitária.

Contudo, eles perderam o rumo, como explica o economista André Lara Resende em artigo publicado no jornal Valor Econômico. “Não apenas a agenda do ministro Paulo Guedes, mas também o discurso da esmagadora maioria dos analistas, tinha se transformado em samba de uma nota só: eliminar o déficit”.

Ao contrário do que se viu, nem mesmo a aprovação da reforma da Previdência (apontada pelos defensores como a mãe das reformas “estruturantes”) ajudou na recuperação econômica e na redução do desemprego. Contudo, agora tanto Guedes como seus defensores dizem que a economia estava preparada para decolar quando foi “atingida por um meteoro”.

Diante da necessidade de se fazer repasses rápidos para quem realmente precisa, seja empresas ou pessoas, a prisão conceitual do ministro da Economia e sua equipe se torna um grande obstáculo. “Mal concedem a necessidade imperiosa de expandir a liquidez e de aumentar os gastos, tomados de dissonância cognitiva, entram em pânico. Quem irá pagar essa conta? Por toda parte, em artigos na imprensa, nas videoconferências, a pergunta mais feita no Brasil de hoje é quem irá pagar a conta”.

“Basta impedir que a economia se desarticule numa crise humanitária sobreposta a uma depressão profunda. Basta que, superada a epidemia, o setor privado não tenha se desarticulado e o Estado possa voltar a investir”, diz Resende. “Com um programa de investimentos públicos e privados inteligente, com um Estado eficiente, a favor do cidadão e indutor da produtividade, a economia sairá da crise e a dívida interna perderá importância”.

Leia Também

O Plano Econômico do general Braga, por Andre Motta Araujo
É hora de começar a discutir a Moderna Teoria Monetária, por Luis Nassif
Para Mansueto, governo não tem força para investimentos via recurso público
O Pró-Brasil e o fim da era Guedes, que foi sem nunca ter sido

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora