O recado dramático de uma médica de Guaxupé

Posted by Salma Gallate on Sunday, April 5, 2020

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Coronavírus: A cada dia, dois médicos morrem por Covid-19

1 comentário

  1. Idem a médica Júlia Rocha, de BH, salvo engano

    Júlia Rocha
    4 h ·
    Saí agora para entregar para os meus colegas da UPA as máscaras faciais que recebemos por doação da Fiocruz. Estava animada até sair na minha rua e ver o comércio reabrindo, as filas nos bancos, as pessoas aglomeradas nos pontos de ônibus e a vida seguindo como em dias normais. Uma parte significativa da população perdeu o medo.

    É isso que dá cada autoridade falando uma coisa e divulgando números que certamente estão de 10 a 15 vezes menores que os números reais. Eles venceram.

    Sem testes, não temos a dimensão do problema e assim chegamos com dois baldes de água para apagar o incêndio de um prédio de vinte andares.

    Sem renda, o trabalhador informal uma hora ia sair de casa. Se o presidente não paga, esta é a consequência óbvia. Entre morrer de fome e de vírus, eles pelo menos vão arriscar comer. Essa é a política de morte. Acode bancos e desampara o povo mais pobre.

    Enquanto isso, atentos às previsões catastróficas de um futuro que é logo alí, gestores das unidades de pronto-atendimento constroem tendas, ampliam leitos, capacitam equipes, fortalecem a rede de assistência para receber os milhares de doentes que chegarão.

    Eu sinto muito. Esta foto aqui embaixo aparecerá em muitos perfis daqui pra frente. Talvez mais de um milhão deles. Profissionais de saúde que estão arriscando suas vidas pra que o menor número de mortes ocorra já perderam grande parte de suas forças. Eu nem sei mais o que escrever aqui.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome