O renascimento da seleção?

Ao inves de falarmos de um “historiador” de conveniencia tão medíocre, deveriamos estar conversando sobre o maravilhoso talento da nova seleção brasileira.

O Brasil ontem a noite voltou a ser o Brasil: alegre, esperto, criativo, inteligente.

Foi lindo ver aqueles meninos rapidos e geniais. O Ganso é a reencarnação do Didi. Sai de campo com seu uniforme limpo como entrou.

É desse lado positivo do brasileiro que o pais precisa. 

Por Esquemas Táticos

O Brasil jogou muito bem. Variou jogadas pelos lados e pelo meio. Ganso e Neymar apresentaram ótimo futebol. Mano Menezes aproveitou a estrutura ofensiva do Santos e colocou dois volantes que têm qualidade para sair jogando. Quem se interessar, fiz uma análise tática da partida: ]

Estados Unidos 0 x 2 Brasil. Análise tática. Amistoso

O Brasil venceu os Estados Unidos por 2 a 0, no Estádio New Meadowlands em Nova Jersey nos Estados Unidos, no primeiro amistoso das duas seleções depois da Copa do Mundo da África do Sul 2010. O jogo marcou a estreia de Mano Menezes no comando da Seleção Brasileira. O esquema tático dos Estados Unidos foi o 4-4-1-1. O esquema tático do Brasil foi o 4-3-3. 

Estados Unidos 

Os Estados Unidos entraram em campo no 4-4-1-1, uma variação utilizada na Copa do Mundo 2010. Nesse esquema, o técnico Bob Bradley tentou aproveitar as virtudes do meia-atacante Donovan que são o bom passe, a velocidade e a finalização. Com uma linha de quatro jogadores no meio, Donovan ficou livre para circular à frente dessa linha e atrás do centroavante Buddle. Mas o time perde muita ofensividade, já que os meias pelos lados não chegam muito à frente para ajudar Donovan e Buddle.

No início do jogo, os norte-americanos conseguiram manter a bola no campo do adversário e criaram uma boa chance de gol. Fora uma outra boa chance no final do jogo, os Estados Unidos nada criaram. Foram dominados e apostaram na forte marcação no meio. A ausência de meias mais ofensivos pelos lados deu espaço para a subida dos laterais brasileiros. O técnico Bob Bradley, que é um bom estrategista, errou feio nesse ponto.

A linha defensiva não foi segura como na Copa e perdeu em bolas por baixo, muitas vezes, e por cima, poucas vezes. Mas tomou um gol de cabeça de um não especialista. Os laterais desempenharam apenas função defensiva. E foram mal. A pesada Seleção Norte-americana mostrou que, contra um time leve, tem muitas dificuldades. 

Brasil

O início do trabalho de Mano Menezes superou as expectativas. O mérito, evidentemente, não é só dele. Os jogadores correram muito, dividiram as bolas e mostraram muita vontade. Isso faz diferença. Não que a seleção de Dunga não tivesse isso, mas era muito menos técnica que a atual.

O esquema tático da seleção Brasileira foi o 4-3-3, entretanto, deve ser feito um destaque. Robinho foi um meia-atacante pela direita, jogando por dentro, auxiliando Ganso na tarefa de armação. Neymar foi um atacante pela esquerda, jogando bem aberto, sem voltar para auxiliar no meio-campo. Assim, não podemos dizer que foi um 4-2-3-1. Foi um 4-3-3 que varia para um 4-4-2 torto, parecido com a Holanda quando van der Vaart jogava (ver Holanda 2 x 0 Dinamarca. Análise tática. Copa do Mundo 2010), só que este pela esquerda. Em suma, a estrutura ofensiva da Seleção Brasileira foi uma cópia da do Santos. Com Pato no lugar de André, que entrou no segundo tempo.

As características mais marcantes e que diferem da seleção comandada por Dunga são a velocidade dos jogadores e a qualidade técnica. Victor não foi testado, ainda assim fez uma defesa à queima-roupa no final do jogo. David Luiz jogou tão bem que ofuscou o ótimo Thiago Silva. André Santos atacou e defendeu bem. O mesmo não se pode dizer de Daniel Alves, que jogou muito mal.

No meio-campo, Ramires foi muito bem como segundo-volante, mostrando bom timing e velocidade para atacar e defender. Lucas, que fez uma temporada ruim pelo Liverpool, foi muito seguro como primeiro-volante e fez uma ótima partida. Ganso, o melhor do jogo, tocou de primeira, segurou a bola quando tinha que segurar e armou muito bem o time.

No ataque, Neymar driblou, passou, não foi fominha. Só não foi melhor que Ganso. Robinho também jogou muito bem. Controlou a partida juntamente com Ganso, voltou para buscar a bola, deu bom passes e dribles. É muito perseguido pela maioria dos comentaristas brasileiros que, muitas vezes, não reconhecem o papel importantíssimo que exerce no Santos. Pato não foi brilhante, mas jogou bem. Na maioria das vezes, o centroavante não se destaca muito em esquemas com três atacantes. 


Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome